HomeLista de Teses >  [A ESPECIALIZACAO EM SAUDE PUBLICA E OS SERVICOS DE...]


 

Nunes, Tânia Celeste Matos. A especialização em saúde pública e os serviços de saúde no Brasil de 1970 a 1989. [Doutorado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1998. 194 p.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ABRASCO. 1982. A Experiência de Descentralização dos Cursos de Saúde Pública. (UCHOA e PAIM). Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, v. 1 pp. 23-41.

--------------. 1982. Desenvolvimento Teórico Conceitual do Ensino em Saúde Coletiva. (PAIM). Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, v. 1 pp. 5-19.

--------------. 1982. A Experiência do Programa de Apoio às Residências em Medicina Social, Medicina Preventiva e Saúde Pública. PAR-MS/MP/SP. (BUSS). Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, v. 1 pp. 55-67.

ABRASCO. 1983. V Seminário de Avaliação dos Cursos de Saúde Pública da ENSP, 1980-1981. Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, v. 2, pp. 123-133.

ABRASCO. 1984. VI Seminário de Avaliação dos Cursos de Saúde Pública Descentralizados. Relatório. Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, v. 2 pp. 231-247.

--------------. 1984. Multiprofissionalidade nas Residências em Medicina Preventiva e Social. Informe final. Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, v. 2 pp. 107-109.

ABRASCO. 1988. Relatório Final do Encontro Nacional de Pós-Graduação em Saúde Coletiva e Reforma Sanitária. Estudos de Saúde Coletiva, pp. 125-155. Rio de Janeiro: ABRASCO.

--------------. 1988. Relatório Final do VII Seminário de Avaliação dos Cursos de Saúde Pública. Estudos de Saúde Coletiva, pp. 143-155. Rio de Janeiro: ABRASCO.

AGOSTINHO, Santo. 1984. Acerca da Doutrina Cristã. In: Textos de Hermenêutica. (Rui Magalhães, Org) pp 35 - 111. Portugal: Rés.

BORDIEU, P. 1990. O campo intelectual: um mundo a parte. In: Coisas Ditas.(Bourdieu, P., org) pp. 169-180, São Paulo: Ed. Brasiliense.

----------------. 1983. Algumas propriedades do campo. In: Questões de Sociologia. (Bourdieu, P., org) pp. 89-94, Rio de Janeiro: Marco Zero.

BRASIL. 1971. I Plano Nacional de Desenvolvimento-PND 1972/1974, pp. 7-75. Rio de Janeiro: Gráfica da Fundação IBGE.

BRASIL. 1974. II Plano Nacional de Desenvolvimento-PND 1975/1979, pp. 15-145. Rio de Janeiro: Gráfica da Fundação IBGE.

BRASIL. 1967. Decreto Lei 200. Lei 5540. Diário Oficial da União. 25/02/1967.

BRASIL, MS/MEC/OPAS. 1975. Programa de Preparação Estratégica de Pessoal de Saúde. Brasília, D.F.

BRASIL. 1976. Programa de Interiorização das Ações de Saúde e de Saneamento no Nordeste. Instituto de Planejamento Econômico e Social - Centro Nacional de Recursos Humanos.

BRASIL. 1988. Da seguridade social. In: Constituição da República Federativa do Brasil. art. 196-200. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia.

BRASIL/MS. 1982. Portaria Ministerial 33062, de 23 de agosto de 1982. Cria o Plano de Reorientação da Assistência à Saúde.

CALLON, M. 1989. Introducion. In: La Science et Ses Reseaux (Michel Callon org). pp. , Paris: Ed. La Découverte.

CEBES. 1992. Revista Saúde em Debate, n. 36, p. 2. Londrina-PR.

CURY, C. J. 1995. Educação e Categorias. In: Educação e Contradição, pp. 53-85. São Paulo: Cortez.

---------------. 1995. Componentes Básicos do Fenômeno Educativo. In: Educação e Contradição, pp. 87-120. São Paulo: Cortez.

---------------. 1995. Conclusão. Limites e Possibilidades. In: Educação e Contradição, pp. 121-134. São Paulo: Cortez.

CORDEIRO, H. 1991. A Estratégia de Mudança. In: Sistema Único de Saúde, pp. 53-76. Rio de Janeiro: Ayuri Editorial Ltda.

------------------ . 1991. O Debate. In: Sistema Único de Saúde, pp. 77-88. Rio de Janeiro: Ayuri Editorial Ltda.

------------------ . 1991. O SUDS. In: Sistema Único de Saúde, pp. 91-104. Rio de Janeiro: Ayuri Editorial Ltda.

------------------ . 1991. Os Anos 86-87. In: Sistema Único de Saúde, pp. 105-118. Rio de Janeiro: Ayuri Editorial Ltda.

------------------ . 1991. A Luta pelo SUS. In: Sistema Único de Saúde, pp. 119-138. Rio de Janeiro: Ayuri Editorial Ltda.

COUTINHO, U. 1980 . A Pós-Graduação na Escola Nacional de Saúde Pública, 11 p. ENSP. Rio de Janeiro. (mimeo).

DE BRUYNE, P; Herman, J; De Schoutheete, M. 1977. Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais. Os pólos da prática metodológica, pp. 23-245. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S. A.

DONNÂNGELO, C. 1983. A pesquisa na área de saúde coletiva no Brasil - a década de 70. In: Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, 2:19-35.

FLEURY, S. 1995. Introdução. In: A Utopia Revisitada. (FLEURY, Org.), pp. 13-18. Rio de Janeiro: ABRASCO.

FLEURY, S. 1997.Introdução. In: Saúde e Democracia. A Luta do CEBES,pp. 07-08.

S.Paulo. Lemos Editorial.

FREIRE, P. 1979. Pedagogia do oprimido, pp. 63-87. Rio de Janeiro: Paz e Terra

FREITAG, B. 1980. Quadro Teórico. In: Escola, Estado e Sociedade, pp. 15-43. São Paulo: Editora Moraes.

GIOVANELLA, L. 1991. As Origens e as Correntes Atuais do Enfoque Estratégico em Planejamento de Saúde na América Latina. Cadernos de Saúde Pública, ENSP/FIOCRUZ, Rio de Janeiro, v. VII, p. 1, jan/mar.

GOULART, F. 1996. O Movimento Municipalista de Saúde, a Conjuntura Política e as Políticas de Saúde. In: Municipalização: Veredas, Caminhos do Movimento Municipalista de Saúde no Brasil, pp. 15-32. Rio de Janeiro: ABRASCO - CONASEMS.

GRUPPI, L. 1980. Os cadernos do Cárcere. In: O Conceito de Hegemonia em Gramsci (GRUPPI, L. Org.), pp. 65-82, São Paulo: Graal. 2ªEd.

KONONOVICH, B; SAÍDÓN, O. 1991. Conceptualizaciones acerca del dispositivo. In: La Escena Institucional, pp. 33-53. Buenos Aires: Lugar Editorial.

LUKES, Steven. 1980. O Poder, uma visão radical. Cadernos da UNB. UNB, pp. 7-57. Brasilia: Editora Universidade de Brasília.

LUZ, M. T. 1981. Estratégia de hegemonia e instituições médicas. In: As Instituições Médicas no Brasil. Instituição e Estratégia de Hegemonia. (LUZ, M. T, Org.), p.p. 13-220, Rio de Janeiro: Ed. Graal Ltda.

MARSÍGLIA, R. G. 1995. Relação Ensino/Serviços. Dez Anos de Integração Docente Assistencial (IDA) no Brasil, pp. 21-118. São Paulo: Ed. Hucitec.

MINAYO, M. C. S. 1992. O Desafio do Conhecimento. Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo - Rio de Janeiro: Ed. Hucitec - ABRASCO.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1993. Política de Formação de Recursos Humanos para o Setor Saúde. Conferência proferida por ocasião da 5ª Conferência Nacional de Saúde realizada em Brasília. 05 a 08/08/1975. Cadernos RH Saúde. Brasília-DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1993. Princípios Norteadores do Sistema Único de Saúde. Descentralização das Ações e Serviços de Saúde. A Ousadia de Cumprir e Fazer Cumprir a Lei, pp. 9-10. Ministério da Saúde. Brasília-DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1996. Relatório Final da 1ª Conferência Nacional de Recursos Humanos para a Saúde, pp. 13-36. Brasília-DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1997. Coletânea de Atos e Nomeações de Ministros de Estado da Saúde. Ministério da Saúde-MS. Brasília-DF.

MULLER, J. S. 1992. Políticas de Saúde no Brasil: a Descentralização e seus Atores. Cadernos da Nona. v. 1, pp. 43-59. Brasília-DF.

NUNES, T. C. M; TEIXEIRA, M. O. 1996. Formando técnicos e mobilizando aliados: a trajetória do politécnico da saúde. In: Formação de pessoal de nível médio para a saúde: desafios e perspectivas (EPSJV, org), pp. 207-222, Rio de Janeiro: Educação FIOCRUZ.

OLIVEIRA, J. ; FLEURY, S. 1986. Clímax da crise: Transparência da Estrutura de Poder (1980-1983). In: (Im) Previdência Social. 60 anos da Previdência Social no Brasil. pp. 269-335, Rio de Janeiro: Vozes - ABRASCO.

OLIVEIRA, J. ; FLEURY, S. 1986. Crise e Reformas. In: (Im) Previdência Social. 60 anos da Previdência Social no Brasil. pp. 235-268, Rio de Janeiro: Vozes - ABRASCO.

OLIVEIRA, M. A. 1997. A teoria do Ator-Rede: um framework para os estudos da tecnociência. 46p, RJ. mimeo.

OMS/UNICEF. 1979. Conferência Internacional sobre cuidados primários de saúde. Relatório da Conferência Internacional ALMA-ATA. Brasília, D.F.

PAIM, J. S. 1986. A formação de recursos humanos em saúde coletiva. In: Saúde, Crise e Reforma, pp. 107-129, Salvador: Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia.

-----------------.1986. Ações Integradas de Saúde (AIS): Porque não dois passos atrás. In: Saúde, Crise e Reforma, pp. 185-250. Salvador - BA: Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia.

-----------------.1986. Desenvolvimento Teórico Conceitual do Ensino em Saúde Coletiva. In: Saúde, Crise e Reforma, pp. 43-64. Salvador - BA: Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia.

PAIM, J. S. 1990. A democratização da Saúde e o SUDS: O caso da Bahia. Saúde e Debate, Londrina-PR, n. 27: 5-11.

PAIM, J. S. 1994. Recursos humanos em saúde no Brasil: problemas crônicos e desafios agudos. pp. 1-80, São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/USP.

PAIM,J. S; NUNES,T. C. M. N. Contribuições para um Programa de Educação Continuada. Cadernos de S.Pública.V.8.nº 03. pp.263. Rio de Janeiro. Julho a setembro. 1992

PESES. 1978. Programa de Estudos Sócio-econômicos em Saúde (PESES): Investigação Nacional sobre o Ensino da Medicina Preventiva. Relatório de Pesquisa, pp. 13-43. Rio de Janeiro.

RIBEIRO, M. L. 1987. O Modelo Nacional Desenvolvimentista com base na industrialização. In: História da Educação Brasileira. A Organização Escolar, pp. 113-171. São Paulo: Cortez - Editora Autores Associados.

RODRIGUES NETO, E. 1977. A via do Parlamento. In: Saúde e Democracia. A Luta do CEBES, pp. 63-91. São Paulo: Lemos Editorial.

SADER, E. 1988. Prefácio. In: Quando Novos Personagens Entraram em Cena. pp. 9-16. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

--------------. 1988. Idéias e Questões. In: Quando Novos Personagens Entraram em Cena. pp. 25-60. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

SANTOS, R. C. N. 1995. A história do Projeto Montes Claros. In: A Utopia Revisitada. pp. 21-79. (FLEURY, Org.). Rio de Janeiro: ABRASCO.

SAVIANI, D. 1994. As Teorias da Educação e o Problema da Marginalidade. In: Escola e Democracia. pp. 15-101. Campinas: Mercado das Letras.

SEIXAS. J. C. 1972. Previsão da Capacidade de Compromisso da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo através da Aplicação da "Técnica de Programação do Setor Público". Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. São Paulo.

STEPAN, N. 1976. Da soroterapia à pesquisa: ciência e política no Brasil, 1903 - 1908. In: Gênese e Evolução da Ciência Brasileira, pp. 83-100, Rio de Janeiro: Artenova/FIOCRUZ.

TEIXEIRA, C. F. 1982. Educação em Saúde: Contribuição ao Estudo da Formação dos Agentes da Prática de Saúde no Brasil. Tese de Mestrado, Salvador: Faculdade de Medicina, Universidade Federal da Bahia.

TEIXEIRA, M. O. 1994. Relações de Parceria do CEPEL com Universidades e Centros de Pesquisas: Uma análise Sócio-Técnica. Tese de Mestrado, Rio de Janeiro: Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

TEIXEIRA, M. O. 1997. Uma análise sócio-técnica nas relações de parceria entre centros de pesquisa e a construção de tecnologias no setor energético. 23 p. Rio de Janeiro. (mimeo).

TESTA, M. 1992. Qual ciência? In: Pensar em Saúde, pp. 30-114, Porto Alegre: Ed. Artes Médicas - ABRASCO.

TESTA, M. 1992. Tendências em Planejamento. In: Pensar em Saúde, pp. 89-128, Porto Alegre: Ed. Artes Médicas - ABRASCO.

TESTA, M. 1997. Analisis de Instituciones Hipercomplejas. In: Agir em Saúde: um desafio para o público. pp. 17-70, São Paulo - Buenos Aires: Hucitec - Lugar Editorial.

TESTA, M. 1997. Pensamiento Estratégico.In. Saber en Salud. La construcción del conocimiento (Testa,M, org), pp. 47-114, Buenos Aires: Lugar Editorial.

TRIVIÑOS, A. N. S. 1987. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Editora Atlas.

VILAÇA, E. 1994. O processo social de distritalização da Saúde. In: Distrito Sanitário: o processo social de mudança das práticas Sanitárias no Sistema Único de Saúde. (Vilaça, Org.). pp. 93-158, São Paulo - Rio de Janeiro: Hucitec - ABRASCO.

VINCK, D. 1992. Itineraires Praxeologiques en Science. In: Politique de la Science et de la Technologie. Du Laboratoire Aux Reseaux. Le Travail Scientifique en Mutation. pp. 21-103, Bruxelas: Commission das Communantés europeéneres.




BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

ABRASCO. 1982. Relatórios Finais dos Grupos de Trabalho do Curso "Ensino da Saúde Pública", realizado em julho de 1981.

------------. 1982. Relatório Final do I Fórum Nacional sobre Residência em Medicina Preventiva, Medicina Social e Saúde Pública, pp. 95-126.

ABRASCO. 1984. I Encontro Nacional de Residentes em Saúde Coletiva: Relatório. Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil, pp. 251-255.

------------. 1984. II Fórum Nacional de Residências em Medicina Preventiva e Social: Relatório, pp. 191-205.

------------. 1984. Curso de Atualização para Docentes e Pesquisadores em Planejamento de Saúde: Relatório, pp. 161-167.

------------. 1984. Grupo de Trabalho sobre Avaliação e Proposta para os Cursos de Saúde Pública - 1984: Relatório, pp. 113-140.

------------. 1984.

ABRASCO. 1986. I Reunião Nacional sobre Ensino e Pesquisa em Epidemiologia, Estudos de Saúde Coletiva. n. 4, pp. 93-105.

-------------. 1986. Seminário sobre perspectivas da epidemiologia frente a reorganização dos serviços de saúde. Estudos de Saúde Coletiva, n. 4, pp. 111-124.

-------------. 1986. Situação atual do Ensino e da Pesquisa da Epidemiologia na Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Comissão Organizadora do IRNEP em Epidemiologia, Estudos de Saúde Coletiva, pp. 53-68. Rio de Janeiro: ABRASCO.

-------------. 1986. Pesquisa em Saúde Coletiva. Estudos de Saúde Coletiva, pp. 41-50.

ABRASCO. 1988. A produção científica na área da saúde coletiva no Brasil. 1984-1988., 14 p. Caxambu, MG. (mimeo).

ABRASCO. 1988. II Seminário de Avaliação. Documento Preliminar - Subsídios para Avaliação, 27 p. Caxambu, MG. (mimeo).

ABRASCO. 1994. Projeto Integrado de Pesquisa. Avaliação da Pós-Graduação "Stricto Sensu" em Saúde Coletiva no Brasil. 96 p, RJ. (mimeo).

ALMEIDA FILHO, N. & PAIM, J. S. 1995. A Saúde Coletiva e a "Nova Saúde Pública": novo paradígma ou velha retórica. 39 p, BA. mimeo.

ALMEIDA FILHO, N. 1997. Novos paradigmas em saúde: tentativas de aplicação. 15p. Salvador. (mimeo)

ANSART, P. 1978. Ideologias, Mecanismos, Instituições. In: Ideologias, Conflitos e Poder (Ansart, P. org), pp. 75-88. RJ: Editora Zahar.

AROUCA, A. S. 1975. O Dilema Preventivista: Contribuição para Compreensão e Crítica da Medicina Preventiva. Tese de Doutoramento, Campinas: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas.

BERTOLLI FILHO, C. 1996. Na República o Brasil "Civiliza-se". In: História da Saúde Pública no Brasil, pp. 16-29. São Paulo: Editora Ática.

BORDIEU, P. 1990. O campo intelectual: um mundo a parte. In: Coisas Ditas (Bourdieu, P., Org) pp. 169-180. SP: Ed. Brasiliense.

BRAGA, E. 1984. A figura do educador. In: O Pensamento de Ernani Braga (Braga. E.,org) pp. 3-51, vol. 1. RJ: Ed. PEC/ENSP.

BRASIL/MS. 1982. Portaria Ministerial 33062, de 23 de agosto de 1982. Cria o Plano de Reorientação da Assistência à Saúde.

BRASIL/MEC. 1981. Programa de Integração docente-assistencial - IDA. Série Cadernos de Ciências da Saúde, n. 3, Brasil, D. F.

BRASIL/MS. 1986. Anais da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Centro de Documentação do Ministério da Saúde, p.430. Brasília, DF.

BRITO, P. 1997. Reformas setoriales, trabajo en salud y gestión de recursos humanos. In: Educación Permanente de Personal de Salud. La gestión del trabajo - aprendizaje en los servicios de salud, pp. 101-139. OPAS - Representación de Honduras: (Jorge Haddad Q. e Elia Beatriz Pineda - Editores).

BRITTO, J. 1996. Redes de firmas: modus operandi e propriedades internas dos arranjos inter-industriais cooperativos, pp. 42.RJ. (mimeo).

CALLON, M. 1989. Introducion. In: La Science et Ses Reseaux (Michel Callon org). Paris: Ed. La Découverte.

CAMPOS, F. E; GIRARDI, S.N. 1984. Caracterização dos Programas de Residência de Medicina Preventiva e Social no Brasil. Ensino da Saúde Pública, Medicina Preventiva e Social no Brasil; pp. 41-57. Rio de Janeiro: ABRASCO.

CANDEIAS, N. M. F. 1984. Memória histórica da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - 1918-1945. Revista de Saúde Pública, 18:2-60.

CARVALHO, A. I. 1996. Da saúde pública às políticas saudáveis - saúde e cidadania na pós-modernidade. Ciência e Saúde Coletiva, 1: 104-121.

CARVALHEIRO, J. R. 1984. Medicina preventiva e social: o ponto de vista da universidade. Revista Brasileira de Educação Médica, vol. 8.2: 112-126.

COSTA, M. G. S. 1988. A Prática e a Formação do Sanitarista: O Caso de Alagoas 1979 - 1986. Tese de Mestrado, Salvador: Faculdade de Medicina, Universidade Federal da Bahia.

COSTA, N. R. 1992. Política e projeto acadêmico: notas sobre a gênese do campo da saúde. n° 2, pp. 125-147, RJ: Ed. Casa de Oswaldo Cruz.

ELIAS, P. E; MARSÍGLIA, R; GONÇALVES, R. B. 1988. Contribuições para o debate sobre residência em medicina preventiva e social no Brasil. In: Estudos de Saúde Coletiva. 5:27-46. Rio de Janeiro.

ESCOREL, S. 1995. Projetos Montes Claros - palco e bandeira de luta, experiência acumulada do movimento sanitário. In: Projeto Montes Claros, a Utopia Revisitada (S.T.Fleury, org) pp. 129-164, Rio de Janeiro: Editora ABRASCO.

FOUCAULT, M. 1974. Origens da Medicina Social. 2a Conferência, 22p. RJ. mimeo

GARCIA, J. C. 1972. Analisis de la educación médica en la América Latina - In: La Educación Médica en América Latina, pp. 1-14., Washington. OPAS.

------------------. 1972. El proceso de enseñaza. In: La Educación Médica en América Latina, pp. 15-17, Washington, OPAS.

GIL, A. C. 1995. O Relatório da Pesquisa. In: Métodos e Técnicas de Pesquisa Social, pp. 191-207. São Paulo: Editora Atlas S.A.

-------------. 1995. Os Métodos das Ciências Sociais. In: Métodos e Técnicas de Pesquisa Social, pp. 27-42. São Paulo: Editora Atlas S.A.

GONÇALVES, R. B. 1994. Tecnologia do Processo de Trabalho na Rede Estadual de Centros de Saúde de São Paulo. In: Tecnologia e Organização Social das Práticas de Saúde, pp. 125-200. São Paulo: Hucitec - ABRASCO.

HOCHMAN, G. 1994. A Ciência entre a Comunidade e o Mercado: Leituras de Kuhn, Bourdieu, Knoor Cetina e Latour. In: Filosofia, História e Sociologia das Ciências. (PORTOCARRERO, oRG.), pp. 199-232. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

IRIART, C; NERVI, L; OLIVIER, B; TESTA, M. 1994. Los ejes temáticos de la concepción sanitarista. In: Tecnoburocracia Sanitária: Ciência, Ideologia y Profesionalización en la Salud Pública. pp. 74-141, Buenos Aires: Lugar Editorial.

----------------. 1994. Reflexiones Preliminares. In: Tecnoburocracia Sanitária: Ciência, Ideologia y Profesionalización en la Salud Pública. pp. 11-31, Buenos Aires: Lugar Editorial.

----------------. 1994. Surgimiento de la política de formación de recursos humanos en salud pública en Argentina. In: Tecnoburocracia Sanitária: Ciência, Ideologia y Profesionalización en la Salud Pública. pp. 33-47, Buenos Aires: Lugar Editorial.

LABRA, M. E. 1985. O Movimento Sanitarista nos Anos 20: da conexão sanitária internacional à especialização em saúde pública no Brasil. Tese defendida na Escola Brasileira de Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro.

LABRA, M. E; VANSTRALEN, C; SCOCHI, M. J. 1988. A especialização em saúde pública no Brasil no período 1982 - 1986. Estudos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro 5:47-96.

LATOUR, B. 1989. Joliot: l’histoire et la physique Mêlées. In: Elements l’histoire des Sciences (SERRES, Michel, Org.), pp. 1-24, Paris: Ed. Bordas.

LAW, J & Lodge, P. 1984. Science for Social for Scientists. London: Ed. Macmillan Hess London.

LUCKESI, C. C; BARRETO, E; COSMA, J; BAPTISTA, N. 1984. Universidade, criação e produção de conhecimento. In: Fazer Universidade: Uma Proposta Metodológica. pp. 29-44, SP: Ed. Cortez.

MACHADO, C. J. S. 1991. Cientista e Engenheiros em Ação: Um Perfil da Antropologia das Ciências e das Técnicas de Bruno Latour. Tese de Mestrado, Rio de Janeiro: Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MANNHEIM, K. 1977. Ideologia e utopia. In: Ideologia e Utopia. pp. 81-124. Rio de Janeiro. Editora Zahar.

MARSÍGLIA, R. G. 1995. Relação Ensino/Serviços. Dez Anos de Integração Docente Assistencial (IDA) no Brasil. SP: Ed. Hucitec.

MAYER, A. C. 1987. A importância dos "quase-grupos" no estudo das sociedades complexas. In: Antropologia das Sociedades Contemporâneas (B.F.Bianco, org), pp. 127-133, SP: Ed. Global Universitária.

MELLO, C. G. 1981. O Sistema de Saúde em Crise. Coleção Saúde em Debate. SP: CEBES. Hucitec.

MERHY, E. E. 1997. A Rede Básica cmo uma Construção de Saúde Pública e seus Dilemas. In: Agir em Saúde. Um Desafio para o Público, pp. 197-266. São Paulo - Buenos Aires: Hucitec - Lugar Editorial.

MINAYO, C. 1997. A pós-graduação em saúde coletiva - um projeto em construção. Mimeo, 29 p. Rio de Janeiro - RJ.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1980. Seminário Nacional de Avaliação e Perspectivas de Coordenação Nacional de Cursos Descentralizados. "A Perspectiva Institucional de Formação em Saúde Coletiva no Brasil. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1981. Programa do Curso Prático - Nível Nacional. Programa Ampliado de Imunizações-PAI. Rio de Janeiro: ENSP-MS.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1987. Comissão Nacional da Reforma Sanitária. Documento II, pp. 5-26. Brasília-DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1991. 7ª Conferência Nacional de Saúde. Anais. Ministério da Saúde-MS. Brasília-DF.

MORIN, E. 1984. Problemas de uma epistemologia complexa. In: O Problema Epistemológico da Complexidade, pp. 13-34. Lisboa: Ed. Publicações Europa - América, Biblioteca Universitária.

MORIN, E. 1993. A construção da sociedade democrática e o papel da educação e do conhecimento para formação do imaginário do futuro. In: Construtivismo Pós Piagetiano. (Esther P. Grossi & Jussara Bordin, org). pp. 11-25. Petrópolis: Ed. Vozes.

NOVAES, R. L. 1988. Reflexões sobre a delimitação do campo da saúde coletiva., 6p. Caxambu, MG. mimeo

NUNES, E. D. 1985. Juan Cesar Garcia entrevista Juan César Garcia. In: As Ciências Sociais em Saúde na América Latina. Tendências e Perspectivas (NUNES, E, D. Org.) pp 21-28, Brasília: OPAS.

------------------. 1985. Tendência e perspectivas das pesquisas sociais em saúde na América Latina: uma visão geral. In: As Ciências Sociais em Saúde na América Latina. Tendências e Perspectivas. (NUNES, E, D. Org.) pp. 31-79, Brasília: OPAS.

------------------. 1985. Tendências e Perspectivas da Pesquisas em Ciências Sociais na América Latina: uma visão geral. In: As Ciências Sociais em Saúde na América Latina. (NUNES, Org.). pp. 31-71. Brasília-DF: OPAS.

NUNES, E. D. 1995. Saúde Coletiva: história de uma idéia e de um conceito. Conferência apresentada na reunião sobre Residência em Medicina Preventiva e Social. 23 p. São Paulo: ABRASCO. (mimeo).

NUNES, E. D. 1993. Saúde Coletiva: uma trajetória em questão. Refletindo sobre a Produção Científica no Campo das Políticas de Saúde, 16 pp., RJ.(mimeo).

NUNES, T. C. M. 1996. A Formação de Recursos Humanos: Algumas Anotações referenciadas pela constituição do campo da Saúde Coletiva no Brasil. Divulgação em Saúde para Debate, pp. 53-58. Londrina-PR: CEBES.

NUNES, T. C. M; CAMPOS, F; & TELLES, J. L. 1994. Modalidades de Formação em Saúde Coletiva. Relatório da oficina de trabalho realizada no IV Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva: Saúde, o Feito por Fazer, 15 p. Recife.(mimeo).

NUNES, T. C. M; TEIXEIRA, M. O. 1996. Formando técnicos e mobilizando aliados: dez anos da trajetória do Politécnico da Saúde. In: Formação de Pessoal de Nível Médio para a Saúde: Desafios e Perspectivas. (EPSJV, org) pp. 207-222, Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

OLIVEIRA, M. A. 1997. A teoria do Ator-Rede: um framework para os estudos da tecnociência. 46 p, Rio de Janeiro. (mimeo).

OPAS. 1972. Plan Decenal de Salud para las Americas. Informe Final de la Reunión Especial de Ministros de Salud de las Américas. Santiago de Chile.

ORGANIZACION PANAMERICANA DE LA SALUD. 1992. Una iniciativa OPS-OMS, reflexiones iniciales. In: La Crisis de la Salud Pública: Reflexiones para El Debate. pp. 3-53; 57-229, Washington D. C. USA. OPAS.

PAIM, J. S. 1985. Medicina Familiar no Brasil: movimento ideológico e ação política. 28 p. Salvador - BA. (mimeo).

 

PAIM, J. S. 1986. Medicina Preventiva e Social no Brasil. In: Saúde, Crise e Reforma, pp. 29-41. Salvador - BA: Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia.

----------------. 1986. O Movimento pelo Planejamento de Saúde da América Latina. In: Saúde, Crise e Reforma, pp. 65-103. Salvador - BA: Centro Editorial e Didático da Universidade Federal da Bahia.

PAIM, J. S. 1997. Bases Conceituais da Reforma Sanitária Brasileira. In: Saúde e Democracia. A Luta do CEBES, (FLEURY, Org.), pp. 11-24. São Paulo: Lemos Editorial.

PAIM, J. S., 1990. A democratização da Saúde e o SUDS: o caso da Bahia. Revista Saúde em Debate. nº 27. pp 5-11, PR.

PEÇANHA, A. M. M. 1976. Fundação Serviços de Saúde Pública - FSESP. Um estudo de desenvolvimento institucional. Revista da Fundação SESP. Tomo I. nº 1. pp. 63-115, RJ.

PINHEIRO, T. X. 1992. Saúde Pública, Burocracia e Ideologia: um estudo sobre o SESP (1942-1974). Tese de mestrado defendida no Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 173 p. Natal-RN.

POLANCO, X. 1990. Une science-monde: La mondialization de la science européemme et la creátion de tradition scientifiques locales. In: Naissance et Développement de la Science Monde. Production et reproduction des Communantés Scièntifiques en Europe et en Amérique Latine, (Polanco, X., org) pp. 10-52, Paris: Ed. La Decóuverte-Conseil de L’Europe/UNESCO.

SAVIANI, D. 1988. Política e Educação no Brasil. São Paulo: Ed. Cortez - Autores Associados.

SCHRAIBER, L. B. 1996. Ciência, Trabalho e Trabalhador em Saúde: Contribuições de Ricardo Bruno Mendes gonçalves para a compreensão da articulação entre saber, prática e recursos humanos. Revista Divulgação em Saúde para Debate, n. 14, pp. 07-09. Londrina-PR.

SIUSSIUKÁLOU, B., I. & Col, 1986. Materialismo dialético. In: Fundamentos Metodológicos e Métodos do Estudo da Filosofia, p.p. 03-79, Moscou: Editora Progresso.

STEIN, E. 1993. Aspectos filosóficos e sócio-antropológicos do construtivismo pós-piagetiano - II. In: Construtivismo Pós-Piagetiano - Um novo Paradigma sobre Aprendizagem. (GROSSI & BORDIN, Org.) pp. 35-42. Petrópolis: Ed. Vozes.

--------------. 1987. Dialética e Hermenêutica: uma controvérsia sobre o método em filosofia. In: Dialética e Hermenêutica. (STEIN, org.). Porto Alegre: LPM

SZKLO, F. 1988. Uma Avaliação e Perspectiva do Programa de Saúde Coletiva., 16 p. Caxambu, MG. mimeo

TARRIDE, M. 1995. Complejidad y sistemas complejos. In: História, Ciências, Saúde - Manguinhos. II:46-66.

TEIXEIRA, A. 1976. Valores proclamados e reais nas instituições escolares brasileiras. In: Educação no Brasil: Textos Selecionados. pp. 7-27. Brasília: MEC Editora.

TEIXEIRA, M. 1996. Algumas considerações sobre o papel das relações de parceria entre centros de pesquisa e a construção de tecnologias no setor energético. 19 p., RJ.(mimeo)

TEIXEIRA, M. O. 1994. Relações de Parceria do CEPEL com Universidades e Centros de Pesquisas: Uma análise Sócio-Técnica. Tese de Mestrado, Rio de Janeiro: COPPE/ Universidade Federal do Rio de Janeiro.

TERRIS. M. 1987. O Mundo necessita de escolas de Saúde pública, 2p. sl. (mimeo)

VASCONCELLOS, M.P.C., 1995. Os (des) caminhos da saúde pública. In: Memórias da Saúde Pública. A fotografia como testemunha. (Vanconcellos, M., org) pp. 83-101, SP - RJ: Ed. Hucitec - ABRASCO.

USP - FSP. 1994. Catálogo de Cursos de Pós-Graduação. FSP. Série 3. São Paulo.

 
 
  Início