HomeLista de Teses >  [SAUDE DA CRIANCA E FORMACAO NO TRABALHO: A PRATICA...]


 

Tavares, Maria de Fátima Lobato. Saúde da criança e formação no trabalho: a prática como e com saber. [Doutorado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1998. 214 p.

ANEXO 3

 

PROTOCOLO DA ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA

PROTOCOLO Nº------------------------ DATA ----/----/----

INFORMANTE (característica principal que o distingue, visando sua referência)

---------------------------------------------------

DADOS CONCRETOS

1. Identificação

1.1. Sexo

1.2. Idade

1.3. Ano da formatura

1.4. Escola de graduação

2. Formação Profissional

2.1. Residência / Especialização / Estágios

2.1.1. Área

2.1.2. Local

2.1.3. Anos / Duração

2.2. Formação Específica para o Atual Posto de Trabalho

3. Vida Profissional

3.1. Postos

3.2. Natureza do Empregador

3.3. Carga Horária

4. Trabalho no CSEGSF

4.1. Início

4.2. Funções Formais

5. Descrição das Atividades de Rotina em uma Semana Normal

5.1. Conteúdo

5.2. Local

5.3. Modo de Realização

5.4. Horários

5.5. Finalidades

6. Descrição das Atividades Ocasionais / Eventuais mais Significativas

6.1. Conteúdo

6.2. Local

6.3. Modo de Realização

6.4. Horários

6.5. Finalidades

7. Descrição dos Programas e Subprogramas do CSEGSF, Considerando os Seguintes Termos

7.1. Demanda Manifesta

7.2. Demanda Reprimida

7.3. Alocação de Recursos Humanos

7.4. Alocação de Recursos Materiais

8. Distribuição, em Percentagem, das Atividades de cada Programa Desenvolvido pelo CSEGSF, entre "Rotina e Eventuais"

9. Especificação de Possíveis Padronizações de Conduta dentro dos Programas e Modo como se Dá a Avaliação do Cumprimento das Metas do Programa

10. Explanação pelo Entrevistado, de Mecanismos de Atualização / Aperfeiçoamento / Especialização / Outros para os Trabalhadores do CSEGSF com os Seguintes Detalhamentos

10.1. Eventual

10.2. Permanente

10.3. Específico

10.4. Geral

10.5. Funcionamento

10.6. Modo como se estabelece sua Necessidade

10.7. Modo como se relaciona com as Ações Programáticas

10.8. Modo como se avalia sua Operação

PERGUNTAS SEMI-ESTRUTURADAS

a) Você pode me contar, caso se lembre, com que idéias e expectativas você se decidiu por essa profissão? Ano?

b) Qual foi seu primeiro contato com crianças? E na formação, onde foi?

c) Você pode me falar das crianças com as quais lidou e tratou até hoje?

Que tipo de crianças? (não só relacionadas com doenças)

De onde vinham?

Quem as acompanhava?

Como era que viviam?

Como eram suas relações familiares?

E seu crescimento e desenvolvimento?

d) Quais são os motivos pelos quais as crianças e suas famílias vêm ao CSEGSF?

e) Você pode me dizer quais são as principais estruturas familiares das crianças que atende aqui? E quanto às dinâmicas dessas famílias?

f) Você conhece as condições e estilo de vida das crianças e suas famílias que são atendidas no CSEGSF? Quais são?

g) Qual é seu conceito de criança? E de saúde da criança?

h) Em sua opinião, quais são as ações necessárias para o alcance da saúde da criança?

i) Você poderia me dizer se há diferenças significativas entre a atenção à saúde da criança que é prestada nos postos / centros de saúde e a que ocorre no hospital? Em caso afirmativo, quais são elas?

j) Para você há formação, isto é, produz-se um saber no cotidiano de sua prática no CSEGSF? Em caso afirmativo ou negativo, por quê? Em caso afirmativo como isso acontece?

k) Qual é o corpo de conhecimentos que você mais utiliza para atender às necessidades manifestas pelas crianças e suas famílias?

l) Você sente necessidade de complementaridade à sua ação de saúde? Com que freqüência? Em que situações? E quais são elas?

m) Há espaço no CSEGSF (real ou virtual) para a ação multi / interprofissional? Em caso afirmativo, como é utilizado? Em caso negativo, é possível criá-lo?

n) Qual é seu conceito de formação continuada?

o) Quais são as necessidades formativas que vê para os trabalhadores de saúde que lidam com a saúde da criança, na formação inicial? E na contínua?

p) E para você, especificamente? (Detalhar para as duas etapas acima)

q) Em sua opinião, quais são os principais marcos de referência para o desenvolvimento de uma metodologia de formação continuada? E qual sua utilidade para a assistência, o ensino e a pesquisa? E para o trabalhador de saúde?

 
 
  Início