HomeLista de Teses >  [O PROCESSO DE TRABALHO DA LIMPEZA E COLETA DO LIXO...]


 

Silva, Carlos Eduardo Rodrigues da. O processo de trabalho da limpeza e coleta do lixo hospitalar na emergência do Hospital Municipal Paulino Werneck. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1999. 97 p.

CAPITULO IV

CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES

IV . 1 - CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao observarmos a organização e o processo de trabalho dos trabalhadores que realizam a limpeza e a coleta interna do lixo no Hospital Municipal Paulino Werneck (HMPW), como também ao analisarmos o contido nas respostas das entrevistas realizadas com eles, concluímos que o trabalho prescrito representado pelas normas não é privilegiado na execução do trabalho real. Diversos aspectos devem ser analisados na tentativa de evidenciar os motivos que geraram tal prática. Dentre eles, inclui-se a falta de conscientização do trabalhador a respeito do risco de acidentes de trabalho, mormente os acidentes produzido por material perfurocortante, e/ou doenças ocupacionais, representado pelo não uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que muitas vezes são oferecidos em tamanho não compatível a anatomia do trabalhador, ou até mesmo inadequados para a realização do trabalho.

Para estes trabalhadores da limpeza e coleta interna do lixo no HMPW, o trabalho deve ser considerado alienado, porque este já não o satisfaz, não faz mais parte de sua natureza, não o realiza. Ao se observar este trabalhador, tem-se, ao contrário do que deveria ter, uma sensação de que o trabalho causa a ele sofrimento ao invés de prazer. Ele é impedido de desenvolver na plenitude suas capacidades intelectuais e/ou físicas. Esta "pressão" só deixa de existir quando ele não esta trabalhando. sendo assim, sente-se alheio ao processo, não compreende o real valor de seu trabalho (Marx, 1993).

Marx admitiu que a alienação do trabalho sempre existiu em todas as épocas da história, porém é no capitalismo que se atinge o auge dessa alienação da classe trabalhadora. O trabalhador não participa da direção do seu trabalho, ele é apenas parte das máquinas na qual trabalha, sendo transformado em "coisa" com total dependência do capital (Marx, 1993). Esta relação só alterou-se significativamente com o advento do movimento operário italiano (Laurell & Noriega, 1989; Mendes & Dias, 1991).

A prática da utilização por algumas empresas da teoria da culpabilização do trabalhador nos acidentes de trabalho faz com que seja transferido o ônus da responsabilidade dos reais culpados (a empresa), para os trabalhadores, que se transformam nos culpados pelos seus próprios acidentes. Esta prática desvia a atenção da opinião pública das precárias condições de trabalho, para o suposto descuido do trabalhador.

Para os orgãos oficiais, a grande responsabilidade nos acidentes de trabalho ainda é representada pelo suposto ato inseguro do trabalhador. Um exemplo da evidência desta avaliação equivocada por parte do governo, é a observação da veiculação de campanhas destinadas a prevenção de acidentes destinadas apenas aos trabalhadores. Com isso, além de mais uma vez passar para a opinião pública a falsa imagem de irresponsabilidade por parte dos trabalhadores, produz neles a consciência de que é deles a responsabilidade pelos acidentes (CONH et al., 1985).

Muitos dos problemas evidenciados neste estudo dizem respeito não só aos trabalhadores, como também aos atores responsáveis pelo planejamento, execução e fiscalização das tarefas. Dentre estes problemas, destaca-se a importância da reciclagem, representada por treinamentos regulares, que serviriam para corrigir práticas incorretas ou inadequadas, como exemplo as representadas por posturas e levantamento de cargas, ou ainda, a manipulação de produtos químicos. Estes treinamentos serviriam, também, para o esclarecimento, ao contrário da imposição, sobre a importância do uso de EPIs. Ferreira (1995), relata que a utilização de equipamentos de proteção individual pelos coletores de lixo não obedece a critérios definidos e também de maneira indiscriminada. Este fato evidência o uso irregular destes EPIs pelos trabalhadores e consequentemente o risco de acidentes de trabalho pela não utilização dos mesmos.

A adequação do descarte de material perfurocortante como também o acondicionamento interno do lixo no HMPW devem ter a sua importância analisada. Em relação a adequação do descarte de agulhas, bisturis e vidrarias, pelos trabalhadores da equipe de saúde, torna-se necessário ressaltar a importância de reciclagens para estes profissionais, com a intenção de sensibilizá-los para o risco contido na prática deste descarte incorreto. Existe ainda a incoerência representada pelo fato de, ao estarem salvando vidas, não necessariamente precisarem colocar em risco a saúde de outros, no caso a dos trabalhadores da coleta interna e externa do lixo. Ao analisarmos as respostas do questionário a respeito do descarte de perfurocortantes, onde temos que 14 trabalhadores consideram o local utilizado para este fim como sendo o correto, observamos que tais respostas levaram em consideração o fato do descarte de material na caixa de papelão, improvisada por eles (caixa de papelão que serve como embalagem original de frascos de soro) ser o local considerado tecnicamente como correto. Deve-se levar em consideração a necessidade da utilização de recipiente adequado para este tipo de resíduo. Outros atores, eventualmente, também estão expostos a riscos, caso as normas de biossegurança não sejam obedecidas. Dentre eles, incluem-se os trabalhadores que realizam a coleta domiciliar do lixo, os catadores dos aterros sanitários, a população em geral, além do ecossistema.

Outra questão que merece atenção especial, e consequentemente uma solução a curto ou médio prazo seria a construção de locais para o acondicionamento dos resíduos provenientes das coletas internas I e II. A observação de tal fato além de satisfazer as recomendações contidas na norma, resolveria problemas como o odor desagradável, a proliferação de vetores e o aspecto estético.

A questão da sub-notificação tanto no registro de casos de acidentes de trabalho, atendidos informalmente e sem o devido registro, como também nas doenças, não demonstra a verdadeira situação das condições de trabalho, agravadas pela não utilização das normas no trabalho real. Durante o trabalho de campo, pode-se observar as seguintes "baixas": três trabalhadoras foram afastadas do trabalho, temporariamente, por motivos de saúde, sem substituição durante o afastamento. Todas as três trabalhadoras tiveram internação hospitalar, sendo um caso de infarto agudo do miocárdio (IAM), um caso de aborto expontâneo, em início de gestação, necessitando inclusive de curetagem, e por último, porém não menos importante, um caso sério de infeção ocular.

Apesar da legislação do trabalho considerar o serviço de coleta de lixo como sendo de insalubridade máxima, requerendo assim, que as empresas ofereçam aos seus trabalhadores assistência médica integral, incluindo-se a orientação sobre os riscos presentes no ambiente de trabalho (Velloso, 1995), segundo a informação dos trabalhadores, a empresa de prestação de serviços de conservação do HMPW, não realiza os exames periódicos de acordo com o orientado pela norma, como também não oferecem medidas preventivas, como por exemplo, a imunização preventiva contra Tétano e Hepatite B, doenças infecto-contagiosas pela qual estão expostos os trabalhadores que durante o seu processo de trabalho estão sujeitos a acidentes com material perfurante e/ou cortante.

Em resumo, trabalhadores da limpeza e coleta interna do lixo hospitalar no HHPW, além de estarem expostos a acidentes pela não observação da adequação do descarte pelos profissionais da equipe de saúde, estão também expostos a acidentes pelo não uso dos equipamentos de proteção individual, do uniforme, pelo desconhecimento das normas por parte deles, como também a não utilização destas pelos gerentes, por falta de treinamento e também pela manutenção de posturas inadequadas durante o processo de trabalho.

A respeito dos pontos positivos desta pesquisa, temos a experiência e o conhecimento prévio do ambiente de trabalho por parte do pesquisador. Fato justificado pelo fato deste ter trabalhado anteriormente nesta unidade de saúde. Outro fator importante e que facilitou esta pesquisa foi o bom relacionamento existente entre o pesquisador e os diversos atores do HMPW. Sendo assim, por não ser considerado um estranho neste ambiente de trabalho, o pesquisador pode circular livremente em diversos momentos sem despertar a atenção dos diversos trabalhadores.

Durante todo o período de observação realizado no trabalho de campo os trabalhadores deste estudo não sabiam que estavam sendo observados. Sendo assim, realizavam seu processo de trabalho de maneira habitual, com erros e acertos. Foi somente no período da realização das entrevista e da filmagem de um dos processos de trabalho que os trabalhadores que estavam sendo observados, quem era o pesquisador e qual era o objetivo deste estudo. Após esta descoberta as posturas dos trabalhadores passaram a ser mais elaboradas, o uso de uniformes completos e dos EPIs passaram a ser uma constante.

O principal ponto negativo desta pesquisa pode ser considerado o conhecimento prévio e o bom relacionamento entre o pesquisador e alguns pesquisados. Em algumas oportunidades o distanciamento preconizado por alguns autores tornou-se difícil. Um bom exemplo deste fato, foi a preocupação do pesquisador em não incluir a esta dissertação fitas de áudio e vídeo. Isto teve a finalidade de preservar os trabalhadores que confiaram a franqueza de suas respostas no homem que alguns conheciam, o que não fariam com outro pesquisador.

Na avaliação do pesquisador algumas questões poderiam dar continuidade a este trabalho. Dentre elas destacam-se a avaliação periódicas dos problemas levantados neste estudo, a reutilização de agulhas e seringas, entre outros, coletadas nos lixões e/ou os impactos ambientais dos resíduos hospitalares com destinação final inadequada.

 

IV . 2 - RECOMENDAÇÕES

Ao estudar-se o processo de trabalho da limpeza e coleta interna do lixo hospitalar no HMPW, e consequentemente a saúde e a segurança dos trabalhadores envolvidos, avaliou-se, como sendo necessária, a sugestão da implantação de medidas que visem a melhoria de suas condições de saúde e trabalho. A recomendação principal, seria o cumprimento do trabalho prescrito contido nas normas. Sendo assim, observou-se a importância da implementação das seguintes medidas: 1) avaliação dos riscos ocupacionais; 2) avaliação e introdução de práticas preventivas; 3) adequação do ambiente físico e 4) sistema de informação.

1 - AVALIAÇÃO DOS RISCOS OCUPACIONAIS

Baseado nas observações contidas neste estudo, introduzir modificações e avaliar o impacto destas alterações, em relação aos riscos evidenciados, como por exemplo no descarte inadequado de material perfurocortante e na não utilização de EPIS pelos trabalhadores.

Sendo assim, baseado nesta caracterização, torna-se importante a adoção de práticas que visem a monitorização das alterações propostas.

2 - AVALIAÇÃO E INTRODUÇÃO DE PRÁTICAS PREVENTIVAS

  • Introdução e avaliação periódica de treinamento em serviço
  • Avaliação da correta utilização dos equipamentos de proteção individual, como também a sua adequação, qualidade, freqüência de uso e conscientização por parte dos trabalhadores quanto a necessidade de sua utilização.

  • A introdução de estratégias que visem o resgate do saber operário, sua dignidade, seu amor próprio, como também a mudança da conduta das outras categorias profissionais, como da população em geral no sentido da mudança da visão depreciativa tanto da profissão quanto do profissional, transformando a opinião desses atores, no sentido de considerar a importância desse trabalhador, e ainda a adoção por parte dos profissionais de saúde de práticas que visem a observação da saúde e da segurança desses trabalhadores, como por exemplo, o correto descarte de material perfurocortante.

  • A introdução de práticas profiláticas para patologias próprias da atividade, como por exemplo, a vacinação contra hepatite B. tétano e tuberculose.

  • A garantia de atendimento digno ao trabalhador acidentado, com registro e informação do acidente, e afastamento do trabalho quando necessário, como também a observação à respeito da utilização da conduta indicada pelo Ministério da Saúde e utilizada pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro para os acidentes com material biológico/ perfurocortantes, que consiste inclusive na administração imediata após o acidente de medicamentos retrovirais (quando necessário), de acordo com a avaliação prévia quanto a gravidade do risco, e de acompanhamento especializado do acidentado, constando inclusive de solicitação periódicas de sorologia para HIV e hepatite B, por um período de um ano.

  • A implementação de estudos que visem a construção de uma legislação nacional que assegure a saúde e a segurança no trabalho dos coletores de lixo hospitalar.

3 - ADEQUAÇÃO DO AMBIENTE FÍSICO

Ao comparar-se o trabalho prescrito com o trabalho real, observa-se que as diferenças evidenciadas na realização do processo de trabalho, também existem na adequação do espaço físico.

Ao contrário do que é determinado pela NBR – 12.809 (1993), não existe no HMPW as salas para depósitos de resíduos das coletas internas I e II. Tornando-se assim, necessário a construção dos mesmos de acordo com as especificações contidas na referida norma.

Outro problema identificado durante a realização do trabalho de campo, diz respeito a adequação dos corredores e/ou áreas de circulação, que são estreitos e servem simultaneamente para a circulação dos trabalhadores, do público em geral, do lixo, de alimentos, de medicamentos e rouparia; necessitando assim, de estudos que viabilizem alternativas de separação desses fluxos,

Em relação ao ambiente de trabalho, existe a necessidade de melhorar a iluminação e a ventilação. Não só no serviço de Emergência, como também em outras áreas do hospital.

Por último, porem não menos importante, seja necessário a colocação de um maior número de tomadas, com a finalidade de efetuar a eliminação de adaptadores tipo Benjamins, que são utilizados em algumas salas para a utilização simultânea de diversos aparelhos.

4 - SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Para Velloso (1995), baseando-se na observação do fato de que as atividades de proteção e promoção da saúde são fundamentais para a prática da vigilância em saúde do trabalhador, torna-se necessário assim, a implementação de um sistema de informações que tenha como objetivo a adoção de medidas preventivas.

No caso específico dos trabalhadores da coleta interna do lixo hospitalar, este sistema de informações deve previlegiar as seguintes questões:

  • A avaliação da saúde dos trabalhadores através de exames de saúde admissional e periódicos; e da investigação e intervenção em patologias típicas desses trabalhadores, como por exemplo, doenças dermatológicas, respiratórias ou patologias da coluna.

  • O processo de trabalho, o ambiente e a organização do trabalho.

  • Os riscos e cargas existentes no trabalho.

  • A adoção da metodologia do mapa de riscos, visando a identificação dos riscos ambientais (MATTOS, 1992).

 

 
 
  Início