HomeLista de Teses >  [MEDICOS, PSICANALISTAS E LOUCOS: UMA CONTRIBUICAO ...]


 

Ponte, Carlos Fidelis da. Médicos, psicanalistas e loucos: uma contribuição à história da psicanálise no Brasil. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1999. 205 p.

ANEXO 2

 

anexo 2 (continuação)

Justificação

A psicanálise é um método de investigação psicológica do procedimento humano individual e uma técnica terapêutica que visa, em última análise, corrigir os desajustamentos emocionais que constituem a base fundamental das neuroses e psicoses.

No Brasil, o interesse pela Psicanálise surgiu em fins de 1927, quando por iniciativa de Durval Marcondes, foi organizado um grupo que se transformaria, posteriormente, na primeira Sociedade Brasileira de Psicanálise.

Em 1928, a referida instituição foi oficialmente fundada, com uma seção em São Paulo presidida por Franco Da Rocha e outra no Rio de Janeiro, sob a Presidência de Juliano Moreira.

Em 30 de julho de 1929, a Sociedade Brasileira de Psicanálise foi reconhecida no II Congresso Internacional de Oxford, pela Comissão Executiva Central da Associação Psicanalítica Internacional.

Desde então, a Psicanálise, no Brasil, experimentou amplo e fecundo desenvolvimento, que vem acompanhando a evolução industrial e urbana do País.

O psicanalista clínico, ou seja, o profissional especializado na análise individual dos problemas emocionais e psicológicos e no tratamento correspondente, seja em caráter também individual ou em grupo, vem ocupando, a cada dia, papel de maior relevância em nosso meio, eis que são crescentes os distúrbios psicológicos e de conduta na sociedade contemporânea, particularmente nas grandes concentrações urbanas, onde são maiores os fatores de pressão sobre os indivíduos.

 

A Profissão de Psicanalista Clínico, entretanto, ainda não foi objeto de regulamentação, o que nos afigura absurdo, eis que tal circunstância constitui sério entrave ao pleno desenvolvimento da Psicanálise.

Assim, a finalidade que buscamos, nesta proposição, é a regulamentação dessa importante profissão, com o que contamos com a compreensão dos ilustres membros desta Casa.

Sala das Sessões, 8 de novembro de 1977. Nelson Carneiro

(Às Comissões de Constituição e Justiça, de Legislação Social, Educação e Cultura e de Saúde) (DCN - Seção II - 9/11/1977, pag. 6445)

 
 
  Início