HomeLista de Teses >  [MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS NO AMBITO DA ASSISTENCIA...]


 

Silva, Regina Célia dos Santos. Medicamentos excepcionais no âmbito da assistência farmacêutica no Brasil. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2000. 215 p.

CAPÍTULO VI. DISCUSSÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este capítulo final está dividido em três partes que se complementam. Na primeira será feita uma síntese de como a questão dos medicamentos adquiridos em caráter excepcional e designados excepcionais ou de alto custo se insere nos debates que mais ressaltam numa política de medicamentos, a partir da apresentação dos capítulos anteriores. Em seguida, será feita uma relação entre as características dessa modalidade de aquisição de medicamentos encontradas na pesquisa, com o referencial teórico de policy-making, mostrando como os atores se comportam na tomada de decisões. Por fim, serão feitas considerações a partir de questões surgidas no processo de desenvolvimento do trabalho que poderão servir como indicativos para rearranjos institucionais que contribuam para a promoção de uma política de assistência farmacêutica mais eficaz.

Analisando os elementos da política de medicamentos, podemos deduzir que o abastecimento de medicamentos no setor público se constitui em um subsistema, no âmbito do SUS, envolvendo uma série de ações de maior ou menor complexidade, entre as quais destacamos: seleção, programação, aquisição, produção, distribuição, armazenamento, controle da qualidade, prescrição e dispensação (Wexman, 1990).

O princípio fundamental que deve nortear o setor saúde, aí incluída a assistência farmacêutica, é o direito de todas as pessoas. A eqüidade na saúde é um direito de todos os cidadãos e está na Constituição. Os ajustes econômicos têm sido priorizados sobre as necessidades da população, entre elas a eqüidade e o acesso a medicamentos. Portanto, aumentar esse acesso é essencial para se obter melhores resultados no setor saúde.

Inserida nas políticas públicas e particularmente na política de saúde, a assistência farmacêutica no Brasil tem passado por momentos difíceis, não só pelas crises do país, mas também por diversas ocorrências no setor, como fraudes, preços abusivos, recursos escassos e a descentralização dos serviços de saúde. Essa descentralização tem sido um processo longo e na área dos medicamentos excepcionais se torna mais complicado e incerto devido às características dos medicamentos envolvidos (em sua maioria importados e com dificuldades de utilização).

Além das questões técnicas, as relações entre os componentes da política, dirigida aos medicamentos excepcionais, quais sejam os atores, as arenas institucionais, o processo de decision-making e os produtos, têm sido de constrangimentos devido aos interesses envolvidos no setor.

Há um jogo de interesses, nós queremos sobreviver... Se não houvesse renal crônico, não haveria nefrologia... Quer dizer, é um jogo de interesses. A indústria quer vender seu medicamento, o seu material. O prestador de serviço quer estabelecer o lucro, a secretaria quer mostrar o seu serviço de eqüidade de atendimento. E você acaba ficando refém disso tudo (Entrevista 9).

A OMS, desde 1975, mantém um programa de orientação para políticas de medicamentos dirigidas aos países em desenvolvimento, com a finalidade de estender o acesso e o uso racional de medicamentos nos sistemas de saúde. Como primeiro passo estabeleceu a Lista Modelo de Medicamentos Essenciais e os critérios de seleção, adotados atualmente por 156 países, inclusive o Brasil. Acompanhando as mudanças de morbimortalidade, no mundo, a OMS já incluiu em suas recomendações a atenção às doenças raras e a necessidade de medicamentos de alto custo.

No Brasil, o marco da política de medicamentos se deu com a criação da CEME. O Plano Diretor de Medicamentos definiu e norteou as atividades da CEME ao longo de mais de duas décadas (Bermudez, 1992). Nesse contexto as políticas e ações prioritárias estabelecidas pela CEME podem ser englobadas em três grandes vertentes:

  • Assistência farmacêutica à população atendida pela rede governamental de saúde;
  • Ampliação da oferta de medicamentos a custos reduzidos e aumento da participação dos laboratórios oficiais e nacionais;
  • Ampliação da produção interna de matérias-primas para garantir a fabricação de medicamentos essenciais, paralelamente expandindo a autonomia tecnológica e industrial nacional do setor.

A CEME, durante toda sua existência ou desde sua criação, como é de conhecimento público, foi mantida sob situações de crise de autonomia, financeira e política. O fato de em seus 26 anos de existência ter passado por diversos presidentes (pelo menos quinze), e mudanças na sua vinculação, mostram a instabilidade constante de seus projetos e de sua própria condução.

Essas crises permanentes, as tentativas de garantir a produção nacional de matérias primas, as interferências das empresas transnacionais, para impedir ações contra seus interesses, o desabastecimento freqüente de seus produtos, já que sua principal atividade passou a ser a aquisição e distribuição de medicamentos à rede pública e sua própria sobrevivência, eram motivos maiores de sua atenção. A CEME sequer conseguiu concluir revisões da RENAME, para atender às normas e à legislação, e se tornou dependente das compras do INAMPS, este sim com autonomia financeira. Então como interferir nas aquisições fora da padronização, financiadas pelo INAMPS, principalmente de um grupo de medicamentos específicos para doenças raras, quando a luta era por um amplo projeto de uma política setorial?

Após a extinção da CEME, em 1997, suas atribuições foram dispersas pelos diversos órgãos do MS. Importantes decisões têm sido tomadas na área, como a adoção da Política Nacional de Medicamentos, a revisão da RENAME/99, a transformação da estrutura da Vigilância Sanitária com a criação da ANVS, a Lei dos Genéricos e a CPI de medicamentos.

Os avanços tecnológicos na área médica, principalmente, diagnóstico e terapêutico, associados às mudanças do perfil epidemiológico de morbimortalidade, trouxe à agenda a questão das doenças raras e a necessidade de medicamentos de alto custo, de baixo consumo e, conseqüentemente, não lucrativos, designados medicamentos órfãos. Alguns países, como Estados Unidos, Japão, Cingapura, Austrália e, recentemente, a Comunidade Européia, adotaram políticas de subsídios para a pesquisa e desenvolvimento dos medicamentos órfãos. Segundo alguns estudiosos, essa produção tem crescido substancialmente, mas direcionada a manter alguns interesses de mercado em detrimento de uma abrangência mais social, o que leva a se questionar essas políticas. No Brasil, alguns desses medicamentos são padronizados e adquiridos como medicamentos excepcionais, e financiados pela rede pública de assistência farmacêutica.

Uma vez expostas essas informações pertinentes à assistência farmacêutica governamental relacionada aos medicamentos excepcionais ou de alto custo, será feita relação dos resultados alcançados, com referências teóricas de policy-making, voltadas à tomada de decisão. Assim, esta apresentação pode indicar uma reflexão sobre as possibilidades de novas abordagens teóricas sobre o assunto.

O processo de seleção dos medicamentos excepcionais ocorrido por pressão ou lobby de grupos de interesses corporativos e outros grupos sociais, associados a consumo histórico e decisão pela tecnoburocracia (Lindblom, 1981), não é um fato isolado. Essa foi a conduta na assistência farmacêutica de modo geral, nas três esferas de governo, durante anos. Esta seleção se deu, também, num contexto em que se encontravam presentes fatores sociais, econômicos e políticos, não havendo, portanto, um fator determinante. Claro que esses fatores não se deram de forma idêntica nos diversos momentos de decisão. "No processo de decisão o uso de recursos e as coalizões permitem uma cadeia de decisões até o resultado final" (Immergut, 1996).

Em que pese ter sido a CEME o órgão oficial da condução da política de assistência farmacêutica no país, em nenhum momento se faz referência ao programa de medicamentos excepcionais, que sempre correu à margem, promovido pelo INAMPS, enquanto órgão responsável pelo financiamento do programa.

Cabe ressaltar que, como outras políticas sociais, esta atividade estava ligada à esfera federal, exibindo marcas de concepções autoritárias em que prevaleceram os processos fechados de decisão (Almeida, 1995), predominando ainda aspectos desse modus operandi, na definição e financiamento desses medicamentos pelo MS.

A entrada na agenda governamental e o acesso a esses medicamentos foram facilitados pelo caráter excludente, individualista e clientelista do INAMPS, pela autonomia financeira desse órgão e principalmente autonomia das Superintendências Regionais (estaduais). A sistemática operacional desse sistema de aquisição e problemas decorrentes do descumprimento de programação de entregas da CEME permitiram um crescimento desordenado das aquisições, fora da RENAME, e falta de critérios na condução do financiamento desses medicamentos.

Ao mesmo tempo em que, nos idos de 1982, respaldado por portaria interministerial, era implementado, com limites de investimento, o programa de aquisição de medicamentos excepcionais ou de alto custo por intermédio de processos individualizados, a CEME buscava aumentar o atendimento às populações carentes promovendo o barateamento dos medicamentos para atenção básica. Eis aqui um dos paradoxos que demarcou os rumos da assistência farmacêutica no Brasil.

Apesar dos investimentos da CEME em pesquisa para produção de alguns medicamentos excepcionais, no país, continuamos dependentes dos laboratórios privados, de importação e até sem o medicamento, quando não interessa ao mercado.

Com a implantação do SUDS, posteriormente o SUS e a extinção do INAMPS, o programa de assistência farmacêutica foi repassado para a esfera estadual. Vários problemas surgiram, pois as SES não dispunham de recursos financeiros para o financiamento da demanda dos medicamentos de alto custo, além das dificuldades burocráticas nos procedimentos para aquisição de produtos exclusivos, sofisticados e na maioria importados.

Em 1993, atendendo ao CONASS, e pressões de associações de pacientes, principalmente renais crônicos e transplantados, a SAS/MS incluiu medicamentos para esse grupo de pacientes no SIA/SUS, utilizando, provisoriamente, o item de programação de prótese e órtese. Outros medicamentos excepcionais seriam pagos através de GAP. Isto demonstra como as pressões ou situações de crise levam a mudanças no processo de policy-making.

A partir daí, os medicamentos excepcionais são incluídos nas normas operacionais da SAS dirigidas a procedimentos de alta complexidade/custo, aumentam as pressões de grupos de pacientes, diretamente ou através de mandados judiciais, e permanecem as pressões dos laboratórios.

A essa altura, a CEME mantém as atribuições de promover a definição, gestão e execução da política nacional de assistência farmacêutica do MS, a aquisição de medicamentos excepcionais fica na competência do gestor estadual (CEME, 1995) e as definições políticas sobre os excepcionais continuam a cargo da SAS.

Em 1996, os medicamentos excepcionais, juntamente com a área de procedimentos de alta complexidade/custo, envolvendo a TRS e transplantes passam por importante reformulação normativo-operacional e política. Este é um momento fundamental, pois a partir daí pode-se conhecer os gastos envolvidos com esses medicamentos, até então sem orçamento específico e possibilidade de informações. Neste momento, também, a lista de medicamentos excepcionais é acrescida em 50% de seus itens, iniciando um processo de crescimento de cerca de 30% nos três últimos anos.

As portarias, em suas publicações, podem ou não dar indicativos dos interesses e atores, mas não as correlações de forças e recursos utilizados nos processos que levaram às decisões. Por outro lado, estabelecida a norma, não há garantia de seu cumprimento.

Independentemente das contradições da CEME, as questões relativas aos medicamentos essenciais ou básicos, de modo geral, eram discutidas por comissões, em seminários e outras formas de participação com atores técnicos, consultores ou políticos das diversas áreas pertinentes a medicamentos para tomada de decisões. Com os medicamentos excepcionais isto não ocorreu, pois estes foram sempre tratados à margem dessas discussões, talvez pelas características de seus usuários, portadores de doenças raras, grupo minoritário em relação à demanda ambulatorial, que buscava a alternativa jurídica como solução aos problemas; pelos interesses dos laboratórios, já que o destaque de recursos financeiros os resguardam do uso geral e/ou pela falta de informação tanto dos profissionais de saúde, quanto dos pacientes. Cabe ressaltar que a informação é um recurso importante no policy -making.

Interessante foi a revisão da RENAME/99, que possibilitou a discussão da seleção de medicamentos como diretriz para a Política Nacional de Medicamentos do país. Iniciada com a participação de representantes dos diversos setores envolvidos na questão de medicamentos, teve uma baixa participação de órgãos institucionais, principais atores atingidos pelas decisões. A maior participação se deu por laboratórios privados transnacionais, já que os privados nacionais se fizeram representar por sua associação. Essa teria sido a oportunidade de trazer à agenda a questão dos medicamentos excepcionais, mas alguns desses medicamentos foram identificados dentro dos critérios já estabelecidos para a RENAME e, aí incluídos, permanecendo o restante dos medicamentos e a sistemática operacional das aquisições sem modificação. Finalmente um grupo de técnicos do ministério tomou as decisões, confirmando Knoke et al. (1996) em sua metáfora do funil de mobilização em torno de uma política.

Com relação aos direitos, a partir da abertura política do país e do processo de transição democrática na década de 80, que culminou com a Constituição de 1988, houve um avanço na conscientização popular e propostas de cidadania que levou à formação de diversos grupos sociais, entre eles, associações de grupos de portadores das mais diversas doenças. Muitos ganhos têm sido obtidos através de suas mobilizações, como, por exemplo, a legislação específica para o recebimento de medicamentos para tratamento da AIDS.

Fato é que a demanda por medicamentos excepcionais cresceu, trazendo problemas operacionais às SES, devido ao volume de trabalho administrativo e insuficiência de recursos humanos, aliados às pressões de pacientes e laboratórios por novos produtos e falta de uma arena formal de discussão. Pelo contrário, o único espaço para debates foram seminários patrocinados por indústrias farmacêuticas privadas, criando diversos constrangimentos aos representantes das SES, pela evidência dos interesses ali envolvidos.

Tal situação levou alguns representantes de SES e do CONASS a se manifestarem junto ao MS para a criação de uma comissão interinstitucional com o objetivo de rever e formular uma alternativa para a política adotada para os medicamentos excepcionais ou de alto custo.

Quanto aos recursos financeiros federais, só foi disponibilizada informação a partir de 1997, e o que se observa é um crescimento dos gastos, o que não significa dizer maior cobertura das demandas. É preciso lembrar o aumento dos preços dos medicamentos, variação do dólar, no período (a maioria é importada), aumento do acesso de pacientes, a partir de inclusão de novos itens, e organização do sistema de informações, entre outros fatos.

Quanto à distribuição dos gastos por medicamentos o grupo que se destaca é o de tratamento para renais crônicos e transplantados, evidentemente pela indiscutível necessidade de imunossupressores e outros produtos para a sobrevivência desses pacientes.

Como afirma Monteiro et al. (1995: 354), "é verdade que em um contexto de simultaneidade de problemas, 'antigos e novos', é cada vez mais difícil para os tomadores de decisão, e para a sociedade em geral, estabelecer prioridades... afinal tudo parece prioritário! Mais ainda, a definição de prioridades é politicamente difícil, pois expõe de modo transparente quem perde, quem ganha. No entanto, nunca é demais insistir, escolhas serão sempre feitas, explícita ou implicitamente".

Muitas vezes, pacientes carentes não conseguem participar do programa devido às dificuldades no acesso a exames que confirmem o diagnóstico, exames esses de alto custo, quando não impossíveis de serem realizados no âmbito do setor público. Desta forma, acaba sendo promovida a seleção de clientela, quebrando a universalidade através do privilegiamento daqueles pacientes que podem pagar ou utilizar planos de medicina complementar para a realização desses procedimentos diagnósticos.

Como enfrentar o desafio de assegurar a universalidade com recursos orçamentários cada vez mais contingenciados, no âmbito dos processos de reforma que o país vem implementando? Como lidar com o dilema que enfrentam diuturnamente os gestores, das três esferas de governo, ao serem obrigados a optar pela aquisição de determinados medicamentos com orçamentos restritos?

Para a indústria, é uma garantia de recursos financeiros e de vendas incluir medicamentos de baixo consumo, por serem utilizados em doenças raras ou de pouca incidência, na relação de medicamentos excepcionais do governo. Os empresários são atores cruciais na arena política porque exercem sua influência no mercado, nos partidos e grupos de interesses, tanto diretamente porque detêm recursos, quanto indiretamente através de outros atores.

A análise técnica no processo de decisões políticas, para torná-las mais efetivas, é limitada. Portanto, ela não pode resolver todos os conflitos de valor e de interesses, porque políticas beneficiam de forma diferenciada. O critério da preferência da maioria nem sempre é adotado. O critério do "interesse coletivo", ou "interesse público", às vezes se refere a um bem universal, e isto envolve juízo de valor (Lindblom, 1981).

Assim, dadas as características de cada ator, pode-se observar como ele vê e participa das questões inicialmente colocadas sobre os medicamentos excepcionais.

a) Com relação à RENAME, os gestores federais e estaduais consideram que alguns medicamentos foram e devem ser mantidos separados por não atenderem aos critérios de essencialidade, mas devem ser motivo de debate, em comissão técnica, para se definir perfil, e ficar menos susceptíveis a lobby, pois sugerem que, por não estarem claros os critérios como foram definidos a política e/ou financiamento, acarretaram problemas, inclusive reserva de mercado.

Para a indústria o destaque orçamentário garante o seu mercado, pois "junto com medicamentos gerais é um problema".

Os pacientes conhecem muito pouco sobre os mecanismos ou critérios de padronização, mas percebem que os medicamentos excepcionais são mais garantidos. Sabem que os recursos financeiros são federais e estaduais, que existem problemas de distribuição dos recursos, mas "o que importa é salvar uma vida. (...) a saúde não tem preço. Não quero saber de custo, de quanto custa, de quanto não custa".

b)Todos os atores reconhecem a esfera federal como a arena de tomada decisão da seleção e do financiamento dos medicamentos excepcionais. Como desde o início, quando financiado e operacionalizado pelo INAMPS, a tomada de decisões sempre foi fechada, os recursos para influenciá-la foram as pressões através da mídia, de parlamentares, do judiciário, dos representantes de poderes executivos estaduais e do próprio CONASS. Cabe destacar que as SES participam do financiamento desses medicamentos, devido a gastos superiores aos tetos estabelecidos, pela SAS, por defasagem dos valores e da programação de demanda, ou por problemas locais de gerenciamento nas prestações de contas.

c)Quanto aos atores e interesses que fizeram chegar à agenda a questão dos medicamentos excepcionais, os grupos se reportam aos profissionais de saúde, podendo ser identificados alguns interesses corporativos; pacientes isoladamente, em associações ou em alianças com a indústria farmacêutica, pela sobrevivência; os laboratórios, pelo mercado; parlamentares, pelos ganhos políticos e técnicos do executivo, como atividade inerente às funções. Todos, também, incluem a solidariedade.

A relação dos laboratórios com os atores não tem sido diferente do que se conhece. Os gestores consideram que esta relação deve ser mantida quando necessário discutir questões técnicas ou de condução de uma política. Parte dos gestores aceita suas informações como meio de se atualizarem com o que acontece no mercado. Todos admitem que os laboratórios são os que mais pressionam por inclusão na lista de novos produtos, "constantemente, diariamente, diuturno. À noite, se for possível, até quando se está dormindo..."

Os grupos de portadores de doenças são apoiados pelos laboratórios para manutenção das atividades, participações em eventos e com unanimidade na produção de informativos técnicos, jornais ou sites na Internet, sempre com identificação do patrocínio e anúncios de seus produtos. Alguns reconhecem que podem ser manipulados, e que os representantes se aproximam para saber "o grau de influência", da associação ou de seu representante, junto ao Executivo. Para os portadores de doenças, o importante é sobreviver, mesmo que para isso precise ser cobaia de novos produtos. Para os laboratórios essas relações são de parceria.

Finalmente, algumas considerações são fundamentais para complementar as reflexões sobre a questão dos medicamentos de dispensação em caráter excepcional, medicamentos excepcionais ou de alto custo e sua inserção numa política de assistência farmacêutica mais eficaz.

As portarias constantes do anexo são aquelas consideradas mais importantes quanto às decisões referentes a medicamentos excepcionais, não só como relação de documentos utilizados, mas para um melhor acompanhamento da evolução do programa e para tornar disponíveis esses documentos. Se não foram claros os critérios de algumas decisões, que pelo menos a forma de apresentação das publicações possa indicar, sob outros olhares, novas abordagens de estudos, pois um dos problemas para análise é a falta de materiais para comparação e a perda de informações decorrente da extinção de diversos órgãos.

A muitos dos problemas identificados não foi possível, neste estudo, apresentar soluções e respostas satisfatórias.

Coelho (1996: 29), discutindo a distribuição de recursos destinadas ao tratamento da insuficiência renal terminal crônica, cita que o MS destina 40% do seu orçamento aos procedimentos de alta complexidade, o que é considerado uma distribuição pouco adequada, pois concentra grandes recursos para o atendimento de uma pequena parcela da população. "Apesar de existir um certo consenso sobre o fato de esse perfil de distribuição de recursos ser inadequado, pouco se sabe sobre como se produziu esse perfil". Para a autora, é necessário estudar os mecanismos responsáveis por essa distribuição de recursos e pesquisar modelos de distribuição que possam informar políticas públicas.

Na prática, o que se observa é a falta constante dos medicamentos ou seu suprimento irregular. Embora os órgãos governamentais atribuam esses problemas a dificuldades orçamentárias, a pesquisa revela a ausência de uma política clara e consistente. Tudo isso acarretando interrupções nos tratamentos, a precariedade nos resultados clínicos esperados e, conseqüentemente, o desperdício de recursos, onerando ainda mais o sistema.

Para a promoção da eqüidade e do acesso aos medicamentos excepcionais, a instituição do critério epidemiológico de seleção de medicamentos e protocolos de tratamento - como já vem sendo discutido e utilizado em alguns estados - e divulgação de informações pode ser um dos caminhos para evitar a exclusão de parte dos que necessitam de atenção.

O fato de alguns medicamentos excepcionais estarem ou não na RENAME não alterou a sua sistemática operacional, o que tem mantido o programa em funcionamento. O que garante é o financiamento que não necessariamente tem que estar atrelado à assistência básica, haja vista o exemplo do programa de medicamentos para AIDS. O importante é que esses medicamentos estejam nas pautas de discussões da Política Nacional de Medicamentos do país. Quanto a sua inserção na RENAME, deve ser motivo de debate após definição dos critérios que nortearão a condução desse "programa".

As inclusões de medicamentos na lista padronizada promovem a compra de fármacos pelo governo. Para ampliar esse mercado a indústria utiliza como estratégia a articulação com os grupos de portadores de doenças.

Por outro lado, as reformas na saúde, garantindo a participação das associações em sua política, têm sido crucial. Entretanto, a participação na formulação e implementação na questão dos medicamentos excepcionais tem sido pequena.

O governo deve buscar formas de transferir para os seguros de saúde privados a responsabilidade com o tratamento das doenças raras inseridas na discussão de abrangência de tratamento de todas as doenças, diminuindo a sobrecarga nos gastos públicos ou redistribuindo os recursos.

A normatização e informatização têm mostrado que atrelar os pagamentos ao envio de dados é uma forma útil para a montagem de um sistema de informação em saúde. Como exemplo pode ser citado o controle sobre a área de terapia renal. Esse avanço na legislação possibilita melhor utilização dos recursos, maior controle e maior cobertura das diferentes demandas dos medicamentos excepcionais.

Faz-se necessária a revisão da nomenclatura utilizada no elenco de medicamentos excepcionais de acordo com as DCB e DCI, para adequar a utilização e a regulamentação desses medicamentos.

O processo democrático tem permitido a participação dos diversos grupos de interesses nessa área. A criação da Comissão de Assessoria Farmacêutica na SAS traz expectativas quanto a sua capacidade de mudar as relações na assistência farmacêutica com medicamentos excepcionais. Relações essas entre burocracia estatal, sociedade, empresas farmacêuticas, profissionais de saúde e a partir de consensos, nesta e outras comissões ligadas ao problema, evoluir para uma participação ética entre os representantes dos interesses envolvidos e, assim, viabilizar o melhor na assistência farmacêutica à população brasileira.

A recente CPI de medicamentos concluiu que "o processo em relação aos medicamentos excepcionas não é transparente". O país passou por várias CPIs de medicamentos (esta é a quinta após as de 1961, 1979, 1988 e 1996) e o relatório final da última apresenta 74 recomendações que, na sua maioria, já têm sido, há muitos anos, objeto de discussões sem implementação. Se não objetivadas essas recomendações, a questão dos medicamentos não se modificará, continuando a atender interesses do mercado em detrimento das necessidades da população.

Este trabalho com certeza dará importantes contribuições nas discussões relativas à melhoria da assistência farmacêutica. Além do bom senso, nesta área, precisamos descobrir um caminho entre a ousadia, a ética e os meandros da rede envolvida na questão dos medicamentos no país.

Todavia, mais que uma rede política (policy-network), é um emaranhado de interesses, cujos meandros ficamos longe de esclarecer totalmente. Não por falta de esforço, perseverança, e sim pelos seus muitos pontos ainda obscuros. Desvendar esse jogo de interesses, certamente contribuirá para melhorar a qualidade de vida do ator principal que é o paciente.

Utilizando as palavras de Minayo (1999: 17-18), "o Ciclo da pesquisa é um processo de trabalho que termina num produto provisório e recomeça nas interrogações lançadas pela análise final. (...) Esse Ciclo é uma busca inacabada que se reinicia cada vez que apresenta um produto 'provisório'. O conhecimento é um processo infinito e não há condição de fechá-lo numa fase final".

 
 
  Início