HomeLista de Teses >  [APOIO SOCIAL E RELIGIAO: UMA FORMA DE ENFRENTAMENT...]


 

Pietrukowicz, Marcia Cristina Leal Cypriano. Apoio social e religião: uma forma de enfrentamento dos problemas de saúde. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2001. 117 p.

Introdução

A presente Dissertação de Mestrado se insere na proposta do Departamento de Endemias Samuel Pessoa, de "produzir conhecimento sobre a determinação e controle dos processos saúde-enfermidade, em sua dimensão coletiva e em diferentes formações sócio-espaciais a partir de perspectivas interdisciplinares", através da linha de Pesquisa Educação, Saúde e Cidadania. Esta pesquisa foi desenvolvida no âmbito do Projeto de Pesquisa "Situação de pobreza e Saúde: a busca de recursos pela população na periferia do Município do Rio de Janeiro", desenvolvido no Programa de Estudos do Departamento Samuel Pessoa/ENSP, e o Centro de Estudos e Pesquisa da Leopoldina (CEPEL).

Este trabalho propõe-se investigar a prática religiosa no que se refere à ações relacionadas à saúde, e relacioná-las ao apoio social, buscando entender a importância destes na relação e até onde o papel desempenhado pelas estruturas religiosas pode ser entendido de fato como apoio social.

Esta pesquisa foi desenvolvida na Associação Espírita Francisco de Assis, localizada em Manguinhos. A escolha do local para realização da pesquisa se deu através de um trabalho realizado pelo Centro de Estudos e Pesquisa da Leopoldina, "Apoio Social numa conjuntura de crise: novas e velhas formas de enfrentamento aos problemas de saúde pelas classes populares", que teve por objetivo identificar e elaborar um cadastro das iniciativas sociais, que prestam serviços na comunidade. (Igrejas, Creches, Organizações, Grupos, etc.), na área da Leopoldina, AP 3.1.

Com este trabalho verificou-se a importância da iniciativa dos espaços religiosos no que se refere não só ao assistencialismo local, mas ao desenvolvimento de atividades de cunho informativo educacional. Esses espaços demonstram preocupação com questões ligadas ao empobrecimento, desemprego, fome, alcoolismo e drogas, destacando-se entre eles um número grande de Instituições Espíritas que prestam esse tipo de serviço à comunidade local.

A instituição escolhida (Associação Espírita Francisco de Assis), como outras congêneres, tem como proposta interligar o plano espiritual e o social. Suas atividades variam da assistência as famílias carentes da área, à práticas da doutrina espiritual, através de reuniões públicas e privadas, plantão de atendimento, cirurgias espirituais, sessões de passe, de cura e de tratamento.

Cabe salientar, que a temática de práticas espíritas relacionadas a saúde é pouco discutida na Academia, razão pela qual não encontramos, publicações referentes à percepção de saúde pelos Grupos Espíritas Kardecistas. Porém durante o VI Congresso de Saúde Coletiva, realizado em Salvador em agosto de 2000, foram apresentados trabalhos que discutiam a relação saúde e religião, porém enfocando como práticas religiosas a Umbanda e o Candomblé. Esses trabalhos discutiam a trajetória terapêutica e a busca da população por esses espaços na tentativa de aliviar os seus males e sofrimentos, com resultados positivos na saúde. Este movimento segundo Luz (2000), sempre existiu, porém de um tempo para cá se intensificou.

O interesse em trabalhar com a categoria teórica-metodologica de apoio social surgiu a partir dos intensos debates recentes sobre esta categoria nos EUA.

A discussão sobre apoio social ganhou importância nos EUA na década de 80, em intensos debates sobre saúde pública, em torno do chamado social support, ou seja, apoio social, devido a uma conjuntura de "crise de insatisfação popular" com relação à saúde pública naquele país, se aproximando da discussão hoje feita no Brasil, apesar da conjuntura de crise entre esses dois países serem diferentes (Valla, 1998, 1999).

Assim partimos do ponto em que essa discussão é relevante para nosso país, a partir das grandes mudanças que vem ocorrendo nos últimos anos, principalmente no campo da saúde, e os problemas econômicos, sociais, que a população vem enfrentando. A crise que estamos enfrentando se expressa na falta de emprego, miséria, baixos salários, seja nas moradias precárias sem infraestrutura básica, como água, luz e esgoto, apontando para a insuficiência de políticas sociais como educação, saúde, transporte, gerando uma espécie de abandono do Estado com relação à população. A própria crise do sistema de saúde que não consegue dar conta da demanda da população no que se refere ao chamado "sofrimento difuso", que possibilita uma insatisfação da população com os serviços de saúde no que se refere a resolutividade dos problemas de saúde apresentados pela população e chamados "doenças dos nervos". Neste contexto, a proposta do apoio social estaria em discussão como meio de lidar com estas questões, na tentativa de propor algumas respostas e caminhos para o enfrentamento da crise da qual falamos.

Todos esses aspectos nos remetem a procurar entender quais os caminhos utilizados pela população em termos de resolutividade dos seus problemas de saúde, e qual o papel do apoio social nestes caminhos alternativos. Assim, faz parte deste trabalho não só discutir a contribuição da categoria do apoio social no campo da saúde, mas tentar compreender se com a busca que a população faz aos espaços religiosos, estão sendo acionadas entre outros, mecanismos de apoio social.

Este trabalho foi dividido em quatro capítulos. No primeiro procuraremos abordar questões referentes à categoria de apoio social e sua contribuição no campo da saúde, assim como a crise no sistema de saúde e as formas alternativas que a população vem buscando para resolver os seus males, bem como o conceito de "sofrimento difuso" apresentado por alguns profissionais de saúde.

No segundo capítulo apresentaremos a Associação Espírita Francisco de Assis, local onde foi desenvolvido o trabalho de campo, juntamente com a descrição da instituição e das atividades participadas, e o histórico da instituição.

O terceiro capítulo será destinado a apresentação e organização dos dados obtidos em diário de campo e nas entrevistas semi-estruturadas.

O quarto e último capítulo será apresentado a análise da pesquisa e a conclusão final deste trabalho.

 

 
 
  Início