HomeLista de Teses >  [GESTAO AMBIENTAL NA INDUSTRIA: UMA AVALIACAO DO CO...]


 

Silva, Ademir Brandão. Gestão ambiental na indústria: uma avaliação do comportamento dos setores químico e petroquímico com relação aos passivos ambientais e os problemas causados em torno da Baía de Guanabara. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2001. 118 p.

4. METODOLOGIA

4.1 Metodologia de campo

Os instrumentos utilizados para coleta de informações necessárias para o desenvolvimento da dissertação foram: questionários e entrevista técnica a profissionais especializados na área ambiental de cada uma das empresas. Sendo que na fase inicial, para a seleção das empresas e aplicação do questionário, foram utilizados recursos da Internet, páginas amarelas, jornais de grande circulação do Estado do Rio de Janeiro e consulta a FEEMA.

Para dar uma melhor noção com relação à forma de gestão das empresas selecionadas e apresentadas na tabela 10, foi elaborado um questionário geral com base na Série ISO 14.000 como se mostra, em anexo, nas tabelas 11, 12, 13, 14, 15 e 16. Visando trabalhar mais diretamente a questão do passivo ambiental, foi então elaborado um segundo questionário específico como se mostra, em anexo, nas tabelas 17, 18 e 19. A aplicação desses dois questionários deu-se de uma única vez por intermédio de fax. Em um segundo momento, por falta de retorno de algumas empresas colaboradoras, houve o envio do mesmo, através da Empresa de Correios. Antes, porém, foram realizados contatos, via telefone, com profissionais responsáveis pelos seus respectivos Setores de Meio Ambiente de cada uma das empresas.

Com relação às entrevistas técnicas, na medida do possível, dentro da disponibilidade de agenda dos profissionais que colaboraram com o levantamento de informação para a dissertação, foram realizadas na forma de visita técnica as instalações industriais.

Ao questionário enviado, foi anexada uma carta de apresentação informando que os dados fornecidos teriam como objetivo consubstanciar a dissertação de mestrado, na área de Saneamento Ambiental da Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP.

O critério utilizado para seleção de empresas, com relação a seus portes (micro, pequena, média e grande), foi à mesma base cadastral utilizada pelo Relatório Anual de Informações Sociais - RAIS - do Ministério do Trabalho. (BNDES, CNI & SEBRAE, 1998).

Um balanço final com relação ao porte das empresas ficou, então, composto por 20,0% de microempresas - 20,0% de pequenas empresas - 26,7% de médias empresas e 33,3% de grandes empresas. Segundo a ATSDR (1995) a avaliação de saúde consiste na avaliação dos dados e informações sobre emissão de substâncias perigosas para o ambiente, com a finalidade de identificar qualquer impacto atual ou futuro que possa afetar a saúde pública. Em vista disto, para análise final do questionário, não foi feita uma distinção das indústrias químicas com relação às indústrias petroquímicas em função do risco dessas atividades com relação ao meio ambiente, ou seja, não foi realizada uma análise do tipo setorial.

Além da consulta bibliográfica disponível, foram realizados contatos com profissionais das áreas de interesse e, em função da importância e credibilidade, foi realizada buscas de informações nas seguintes Instituições: Setores de Pesquisas do Jornal do Brasil e O GLOBO, no Laboratório de Gestão Ambiental de Território da Universidade Federal do Rio de Janeiro - LAGET / UFRJ, na Biblioteca Central da FEEMA, no Setor de Resíduos Perigosos da FEEMA, na Biblioteca do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, na Biblioteca do Centro de Pesquisas da PETROBRAS - CENPES, na Biblioteca do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, ao Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Federação das Indústrias do Rio de Janeiro - FIRJAN e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES.

Tabela 10: Relação das empresas colaboradoras e o ramo de atividades.

Nome das empresas

Atividades

Porte

Retorno do Questionário

Entrevista

ALMON QUÍMICA

Química

 

Não

Não

ASFALTOS

Petroquímica

 

Não

Não

BAYER

Química / Farmacêutica

G

Sim

Não

BR-FASFDUC

Petroquímica

 

Não

Não

CASTROL BRASIL

Petroquímica

P

Sim

Não

CIBA ESPECIALIDADES QUÍMICAS

Química

M

Sim

Não

CLARIANT

Química

 

Não

Não

COMBUSTÍVEIS / LUBRIFICANTES

Petroquímica

 

Não

Não

ESSO

Petroquímica

 

Não

Não

FRONAPE

Transporte

G

Sim

Sim

GETEC

Química

 

Não

Não

HIDROVEG

Química

 

Não

Não

I.F.F.

Química

 

Não

Não

IPIRANGA

Petroquímica

G

Sim

Não

NITRIFLEX

Petroquímica

M

Sim

Sim

PAN-AMERICANA

Química

M

Sim

Sim

PETROBRAS / CENPES

Petroquímica

G

Não

Sim

PETROFLEX

Petroquímica

M

Sim

Não

POLIBRASIL

Petroquímica

P

Sim

Não

REFINARIA DUQUE DE CAXIAS

Química / Petroquímica

G

Sim

Sim

REFINARIA DE MANGUINHOS

Química / Petroquímica

M

Sim

Não

SANOFI SYNTHELABO

Química / Farmacêutica

G

Sim

Não

SMITHKLINE BEECHAM

Farmacêutica

 

Não

Não

TEXACO

Petroquímica

 

Não

Não

  

4.2 Metodologia analítica

Por não alterar de forma significativa o resultado da pesquisa, uma vez que se obteve um bom número de retorno do questionário enviado, exatamente 50%, toda a análise quantitativa contida nessa dissertação versa em torno dos percentuais calculados em função do número de respostas obtidas para cada pergunta do questionário, desta forma, não foi considerado o número de questões em branco.

A análise final das perguntas elaboradas no questionário recai em função do número de respostas obtidas em cada um dos módulos formulados, ou seja, Política de Gestão, Legislação Ambiental, Metas e Responsabilidades, Comunicação e Documentação, Plano de Contingência e Auditoria Ambiental. Cabe destacar a importância da entrevista técnica, como trabalho de campo, realizada com alguns profissionais (engenheiros e técnicos) das empresas colaboradoras como forma de confrontar e enriquecer em informações o que foi relatado no questionário.

 
 
  Início