HomeLista de Teses >  [AS VIRTUDES DO PECADO: NARRATIVAS DE MULHERES A "F...]


 

Carvalho, Silvia Barbosa de. As virtudes do pecado: narrativas de mulheres a "fazer a vida no centro da Cidade". [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2000. 89 p.

Considerações Finais

A conclusão de um trabalho deixa sempre a sensação de alívio, seguida de algum desconforto. De um lado, está a satisfação de ter realizado uma etapa importante, do outro o desconforto por não ter dito "tudo" da melhor forma, por ter deixado esquecido algo importante. Ao chegar às linhas finais deste trabalho, essa sensação novamente toma conta de mim. Faria tudo diferente, diagramação, capítulos, agradecimentos..., faria, enfim um outro trabalho, talvez muito pouco parecido com este.

"Sou antes de tudo uma exaltada, com alma violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que sente saudades... sei lá de quê!" Lembro dos versos de Florbela Espanca e penso nas inquietações que a vida me provoca. A situação social no Brasil, as mazelas do mundo, a violência, a fome, a miséria, o desemprego, os desmandos dos governantes, o silêncio das organizações frente ao massacre do futuro do homem e das formas de vida, uma devastação sem precedentes do meio ambiente, em nome de um progresso que não sabe para onde vai, mas precisa chegar na frente.

Junto com estas, outras inquietações, mais subjetivas, falam do meu modo de sentir a vida, de saboreá-la e, às vezes, desperdiçá-la em meio as tormentas de qual o melhor caminho seguir. Florbela, com sua alma exaltada, fala ao meu coração e dá as pistas para o entendimento do mistério do humano. Lugar algum concretiza a sensação de paz e conformidade, a plenitude faz-se de instantes, são apenas momentos, fluídos, passageiros e, nesta fluidez, reside sua magia.

Este sentimento não é exclusividade minha, mas é o modo peculiar do ser humano externar sua incompletude, seu desejo insaciável de construir a vida. Vida que não se deixa capturar em um projeto formal, mas delineia-se nas turbulências do cotidiano, segundo a história de cada sujeito. Não há um modo correto e preciso de viver a vida, a vida é, irremediavelmente, experimental. E a experiência já é em si a vida, como uma estréia sem roteiro. "A vida não tem replay, há muito que eu sei..." A canção "Cavaleiro Solitário" de Gonzaguinha fala desta experiência única que é a vida, constante surpresa.

A experiência de sentir "saudades... sei lá de quê!" tema das religiões através das quais o homem busca reencontrar o paraíso perdido, é descrita por Freud como a experiência primeira de satisfação para a qual não há retorno, mas que estamos sempre buscando reviver. Nossos posicionamentos respondem a esta procura, sem que nisto implique uma doença.

Mas, mesmo sendo inédita, a vida pode ser repetitiva e sem cor, segundo a capacidade do sujeito de transitar entre as exigências da cultura, do mundo externo e as suas próprias exigências. Produzimos as repetições necessárias, que perpetuam nossa identidade e outras, inúteis, que paralisam e causam dor. O segredo está em aprender a conciliar umas e outras. Quanto mais distante destas contradições, mais o sujeito sofre e se afasta do seu prazer, do seu desejo.

Para saber do desejo, é preciso suportar a solidão. Solidão de saber-se único, sem par e, a partir desta solidão, enfrentar o desafio de inventar o mundo, e, ao mesmo tempo, de inventar-se também o sujeito. Mundo e sujeito estão incondicionalmente ligados um ao outro.

Nesse sentido, "fazer a vida" é tarefa árdua e contínua, é um desafio diário, um envolvimento a muita léguas do terreno da neutralidade. O sujeito está totalmente comprometido neste fazer, a ele não cabe desviar-se do seu destino como se fosse um filme do qual não gostou. Esse destino é construção de uma série de fatores: sociais, culturais, históricos, fruto da forma particular de negociação do sujeito. Sujeito que precisa conciliar esses interesses e seus próprios desejos. Sua técnica de viver vai orientar essa negociação.

Cada um inventa sua vida segundo suas condições de suportar as incoerências e a solidão. A técnica de cada um é a invenção e o destino de cada um. Se o sujeito se cristaliza, vive de forma empobrecida e sem poesia. Esse movimento não é atributo exclusivo de determinadas classes sociais, mas é a marca do humano em nós.

As profissionais do sexo não estão excluídas dessa lógica. As mulheres inventam uma vida segundo suas condições, seus desejos, suas aspirações. E, mesmo para aquelas onde o sofrimento aparece como justificativa para o trabalho, a partir do momento que assumem o papel de prostituta saem da postura de passividade e submissão que tantas vezes acompanha os discursos sobre elas.

Mulheres da vida, mulheres na vida... Para além dos rótulos que buscam determinar a forma de ser que as mulheres devem assumir, dentro e fora da prostituição, alguma coisa acontece no espaço da rua que permite às mulheres da vida construir, para si mesmas, um lugar, uma situação. A rua aparece nos relatos como lugar do sujeito, muito mais do que o espaço doméstico. Podemos pensar a rua como o lugar-nenhum onde o sujeito se inventa, como nas palavras de Benko (1994). É na rua que se negociam os contratos, os benefícios, os investimentos que cada pessoa precisa fazer para garantir seu lugar no mundo (Valadares, 1994).

A necessidade de rotular as prostitutas, data de uma época muito anterior a nossa. Como vimos, existe uma bibliografia vasta sobre o tema e até mesmo na Bíblia, encontramos uma detalhada definição de como agem as "mulheres direitas" e as "mulheres erradas". Mas, é tênue limiar as separa. Talvez por isso, o universo destas mulheres provoque tantas investigações e curiosidade.

As ditas "mulheres de vida fácil" falam das outras mais do que estas últimas gostariam de admitir. "Cair na vida" desafia a fantasia daquelas mulheres que se mantêm "na linha". Mais do que as fantasias acerca da prática prostitucional, está a ousadia da desmesura, de ultrapassar os limites enquanto se "faz a vida". E, embora não sejam as representantes da liberdade sexual, no plano imaginário, dão as pistas de que a prática milenar - desde os rituais sagrados até as perseguições higienistas - fala do mais profundo em nós, do corpo e do universo nebuloso dos desejos. Desejos que não se submetem e não se justificam. Mas precisam conviver com o universo da cultura, antítese destes mesmos desejos.

As narrativas de Iracema, Luíza, Bárbara, Lígia e Carolina falam de encontros e desencontros de mulheres que ao viverem segundo seus próprios recursos, pagam um preço como qualquer um de nós. E circulam entre nós, sentam-se ao nosso lado, no ônibus e, conversam sobre o aumento das passagens, reclamam do engarrafamento ou defendem esta ou aquela forma de lidar com uma criança mal educada, a chorar durante nossa viagem. Elas, como tantas outras - da vida e na vida - formam a população que encontramos em nosso trabalho cotidiano de profissionais de Saúde.

Há em cada viver uma virtude. Se recorrermos ao Dicionário Aurélio Buarque de Holanda, encontramos para o termo virtude algumas definições, entre elas: "Qualidade própria para produzir certos efeitos". Nós, cientistas, embora busquemos compreender esses efeitos e seu processo de construção, não podemos considerar nossas descobertas como a verdade definitiva daquele sujeito.

As Ciências Humanas - e aqui me refiro mais diretamente ao campo dos saberes da Psicologia - também produzem subjetividades quando sugerem entendê-las. Produzimos, na ânsia do entendimento, loucos, meninos de rua, prostitutas, carentes, desvalidos e, com a mesma competência, criamos também os especialistas nestas áreas. As relações de poder que estas especialidades técnicas estabelecem, às vezes se apresentam mais violentas do que as violências que elas pretendem aplacar. Emudecem, isolam, mitificam, cristalizam àqueles a que intentam "salvar".

Minha passagem pela ENSP foi repleta de encontros felizes. Encontro com pessoas que mantêm viva a preocupação com estas violências. Descobri amigos, livros, desfrutei das aulas, dos cafés e das conversas nos intervalos, e pude compartilhar com o professor Jorge Valadares da sabedoria de que "o homem é memória e convívio". Este convívio não se limita a uma técnica de fazer ciência, mas, responde por um jeito de fazer vida.

Nas minhas andanças, na busca de fazer ciência e vida, também tive a felicidade de encontrar Ivanilda dos Santos Lima e o Grupo Fio da Alma. A possibilidade de participar deste grupo, de conviver com as mais variadas histórias, memórias, linguagens tem sido muito importante para mim. Essas mulheres tão diferentes entre si, acreditam em um trabalho comum pelo qual vale a pena lutar.

Donas de uma vitalidade conquistada arduamente, cultivam o riso e a esperança. Como nós, sonham com uma vida melhor para elas, para os filhos, para o país. Não é possível vê-las como criaturas desvalidas e sem sorte, cristalizadas na pobreza cinzenta e marginal que o discurso econômico propõe. Nem olhá-las como vítimas de uma alegria alienada, destituída de legitimidade pelo nosso olhar científico, neutro e meticuloso.

Essa pesquisa buscou mostrar que o homem não é produto exclusivo da economia, e que não é sensível a uma intervenção linear no estilo causa-efeito. Seu universo é composto por um sem-número de incoerências e fantasias, a nos desafiarem a cada instante.

Vimos que, desde tempos remotos, existem várias formas de prostituição, em várias classes sociais. Mas existem um ponto comum entre essas varias formas: a dimensão do convívio, do encontro, da circulação que as cidades proporcionam. Talvez por isso a Bíblia refira-se às cidades como a grande meretriz. Do ponto de vista da diversidade, a ameaça é também a salvação. Possibilitar encontros é o caminho para a invenção de um trabalho com esses sujeitos.

Lembro-me do III Congresso Brasileiro de DST/AIDS realizado no Rio Centro - Rio de Janeiro, em dezembro de 1999. Estava ao lado de uma profissional do sexo e assistíamos trabalhos de todo país na área de prostituição. Durante a exposição, uma das palestrantes apresentava estatísticas sobre o uso de preservativos entre as mulheres. Dizia que era espantoso, mas que ainda hoje, em tempos de AIDS, embora as prostitutas usassem de forma sistemática o preservativo em suas relações de trabalho, o uso era bastante reduzido com seus parceiros de casa, aqueles com quem estabeleciam laços de afeto, Silêncio e preocupação na platéia.

Nesse momento, a mulher que já me conhecia de alguns encontros de mulheres se vira para mim um tanto indignada: "Isso não é privilégio de puta! Será que no meio dessa gente toda, todo mundo que tem parceiro de muito tempo e sabe tudo sobre contaminação, usa camisinha com marido e namorado? Com "caso" (3) todo mundo sabe que tem que usar, mas com quem tem amor? Duvido!"

Esta passagem foi um dos momentos marcantes daquele Congresso. Por um lado, ela levantou a questão do preconceito velado que ronda nossos discursos, preconceito citado por Lígia em sua entrevista, por outro, mostrou uma faceta da prevenção que merece atenção, o silêncio das relações "estáveis" do nosso cotidiano. Como lidar com as relações monogamicas e introduzir a discussão sobre o preservativo? Ou ainda, como mudar as regras de uma relação que, inicialmente, não estava pautada nessas regras?

Sabemos que é justamente entre as mulheres casadas que vem crescendo o número de casos de infecção pelo HIV. Para as "mulheres de casa" e para os serviços de saúde, o desafio é criar formas de aproximação em que essas coisas sejam ditas sem constrangimento, e acolhidas sem que a mulher seja rotulada mais uma vez, agora de incapaz de conversar com seu companheiro, pois sabemos que, esse tipo de diálogo também não é muito simples.

O encontro com as mulheres que fazem vida permitiu-me ampliar minhas reflexões sobre estes temas e sobre possíveis formas de articulação dos grupos. A força dos grupos está na desmistificação dos rótulos. O convívio promove rupturas, continuidades, descontinuidades, constrangimentos. Nessa multiplicidade de facetas está o seu maior engenho. Potência para a manutenção de uma escuta viva. Mais do que inventar soluções para os problemas apresentados, é preciso responder às necessidades destes grupos.

Assim, pensar a saúde da população implica lançar um olhar sobre o universo dos sujeitos, envolve a aproximação daqueles que inventam, com seus corpos, um jeito único de existir, de inventar a vida e de buscar a felicidade. Lá onde ela estiver e com a forma que se nos apresente. Pois, como diria Caetano Veloso, "cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é."


3- N.A.: O termo "caso" denomina relacionamentos onde não há contratos de permanência ou fidelidade.

 
 
  Início