HomeLista de Teses >  [PESSOAS MUITO ESPECIAIS: A CONSTRUCAO SOCIAL DO PO...]


 

Cavalcante, Fátima Gonçalves. Pessoas muito especiais: a construção social do portador de deficiência e reinvenção da família. [Doutorado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2002. 393 p.

Bibliografia

ABU-LUGHOD, L., 1986. Veleid Sentiments. Honor and Poetry in a Bedouin Society.
Berkeley: University of California Press.

ALMEIDA PRADO, M.C.C., 2000. Destino e Mito Familiar. Uma questão na Família Psicótica. São Paulo: Vetor Editora.

ALVAREZ, A., 1994. Companhia viva. Psicoterapia psicanalítica com crianças autistas, boderline, carentes e maltratadas. Porto Alegre: Artes Médicas.

AMA, 2000. Revista dos Amigos. Uma publicação da Associação de Amigos do Autista, 1:3-30.

AMARANTE, P.,1995.Loucos pela vida -trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil.
Rio de Janeiro: Ed. Panorama ENSP/FIOCRUZ.

AMORIM, A.C., 1997. ‘O Espetáculo da Loucura’ - Alienismo Oitocentista... Psiquiatria do III Milênio: A Construção Social da Linguagem do Déficit e a Progressiva Enfermidade da Cultura. Tese de Mestrado, Rio de Janeiro, Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

AMORIM, A.C., 2000. O Espetáculo da Loucura ... A Invenção da Saúde Cidadã. In: A Loucura da História. Seminário sobre história da psiquiatria, encontro dos estudos e pesquisas em história da psiquiatria, psicologia e saúde mental (P. Amarante , org.), pp. 285-305. Rio de Janeiro: Laps/Ensp/Fiocruz.

ANDRÉ-FUSTIER, F. & AUBERTEL, F., 1998. A Transmissão Psíquica Familiar pelo Sofrimento. In: A Transmissão do Psiquismo entre Gerações. Enfoque em terapia Familiar psicanalítica ( A. Eiguer et al.), pp.129-179, São Paulo: Unimarco Editora.

ANTIPOFF, H., 1992. Educação dos Excepcionais. In: Coletânea de Obras Escritas de Helena Antipoff - Educação do Excepcional, pp. 149-150. Belo Horizonte: Centro de Documentação e Pesquisa Helena Antipoff.

APA (American Psychiatric Associatino), 1995. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSMIV). Washington: APA.

ARAÚJO, C.A, 2000. O processo de individuação no autismo. São Paulo: Memnon.

ARIÈS, P., 1978 História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan.

ASSIS, S.G., 1999. Traçando Caminhos em uma Sociedade Violenta: a vida de jovens Infratores e de seus irmãos não-infratores. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

ASSUMPÇÃO Jr., F.B., 1995. Psiquiatria Infantil Brasileira: Um Esboço Histórico. São Paulo: Lemos Editorial.

ASSUMPÇÃO Jr., F.B & SPROVIERI, M.H., 2000. Introdução ao estudo da deficiência mental. São Paulo: Memnon.

ASSUMPÇÃO Jr., F.B. & PIMENTEL, A.C.M, 2000. Autismo Infantil. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22 (Supl.I):37-39.

AURÉLIO, B.H.F., 1975. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

BAKHTIN, H., 1979. Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológio na ciência da linguagem. São Paulo: Ed. Hucitec.

BACHELARD, G., 1969. Éssai sur la Connaissance Approchée. Paris: J. Vrin.

BARON-COHEN, S.; LESLIE, A.M. & FRITH, U., 1985. Does the autistic child have a "theory of mind" ? Cognition, 21:37-46.

BARON-COHEN, S., 1988. Social and pragmatic deficits in autism: cognitive or affective ? Journal Autism Develop Disord, 18 (3): 379-401.

BARON-COHEN, S., 1991. The development of a theory of mind in autism: deviance an Delay ? Psychiatric Clin. North Am.,14 (1): 33-52.

BATESON,G., 1967. Naven; a survey of the problems suggested by a composite picture of a New Guinea tribe drawn from three points of view. Stanford: Stanford University Press.

BECK, H., 1976. Cognitive therapy and emotional disorders. New York: Int. Univ. Press.

BERENSTEIN, I., 1988. Família e doença mental. São Paulo: Escuta.

BERTOLLI FILHO, C., 1999. História da Saúde Pública no Brasil. São Paulo: Editora Ática.

BÍBLIA SAGRADA, 1975. Traduzida da Vulgata e anotada pelo Pe. Matos Soares. São Paulo: Edições Paulinas.

BIELER, R.B. et al., 1990. Ética e legislação: os direitos das pessoas portadoras de Deficiência no Brasil. Rio de Janeiro: Rotary Club.

BION, W.R., 1967. Estudos Psicanalíticos Revisados. Rio de Janeiro: Imago.

BIRMAN, J., 1991.Apresentação: Interpretação e Representação na Saúde Coletiva. Physis - Revista da Saúde Coletiva, 1(2): 7-22.

BIKSTEIN, I., 1995. Kaspar Hauser ou A Fabricação da Realidade. São Paulo: Cultrix.

BOFF, L., 2001. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes.

BOSHES, L.D. & GIBBS, F.A., 1974. Manual de Epilepsia. São Paulo: Livraria Manole.

BOURDIEU,P. 1982. Les rites comme actes d`instituition. Actes de la Recherche en Sciences Sociales: Juin.

BOURDIEU, P.,1986.L`illusion biographique. Actes de la Recherche en Sciences Sociales:Juin

BURACK, J.A., 1992. Debate and argument: clarifying developmental issues in the study of Autism. J.Child Psychol.Psychiatry, 33 (3): 617-621.

CAMPBELL, C., 1995. The Romantic Ethic and the Spirit of Modern Consumerism. Oxford & Cambridge: Blackwell.

CANESQUI, A.M.,1997. Introdução. In: Ciências Sociais e Saúde (A.M.Canesqui, org.), pp. 11-28, São Paulo: Ed. Hucitec-Abrasco.

CANGUILHEM, G. 1990. O Normal e o Patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

CAREL, A., 1998. A Posteridade da Geração. In: A Transmissão do Psiquismo entre Gerações. Enfoque em terapia familiar psicanalítica (A.Eiguer, et al), pp.85-127. São Paulo: Unimarco Editora.

CARVALHO, A.I., 1996. Da Saúde Pública às Políticas Saudáveis - Saúde e Cidadania na Pós-modernidade. Ciência & Saúde Coletiva, 1 (1): 104-121.

CASSEL, J., 1974. Psychological processes and stress: theoretical formulations. In: International Journal of Health Services, 4 (3): 472.

CASTIEL, L.D., 1994. O buraco e o avestruz - a singularidade do adoecer humano. São Paulo: Papirus.

CASTORIADIS, C., 1982. A Instituição Imaginária da Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CAVALCANTE, F.G.,1996. A gramática da criança "anormal" na narrativa familiar. Um estudo etnográfico. Tese de mestrado, Rio de Janeiro: Instituto de Psicologia,

Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Práticas Sócio-culturais, Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

CAVALCANTE, F.G., 2001. Família, subjetividade e linguagem: gramáticas da criança "anormal". Ciência & Saúde Coletiva, 6 (1):125-137.

CIRINO, O., 1992. O Descaminho daquele que conhece. Fasciculos FHEMIG, 7:39-83.

COIMBRA, C., 1995. Guardiães da ordem: uma viagem pelas práticas psi no Brasil do "Milagre". Rio de Janeiro: Oficina do Autor.

COLE, M. & SCRIBNER, S., 1984. Introdução. In: Vygotsky, L.S. A formação social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.

CONCEIÇÃO, J.F., 1984. Como entender o excepcional deficiente mental. Rio de Janeiro: Rotary Club.

COOPER, R. et al., 1989. Thresholds beetween philosophy and psychoanalysis. London: Free Association Books.

COSTA, J.F., 1989. Psicanálise e Contexto Cultural: imaginário psicanalítico, grupos e Psicoterapia. Rio de Janeiro: Campus.

DALAI LAMA, 2000. Uma ética para o Novo Milênio. Rio de Janeiro: Sextante.

D`ANTINO, M.E.F., 1998. A Máscara e o Rosto da Instituição Especializada. Marcas que o Passado Abriga e o Presente Esconde. São Paulo: Memnon.

DINIZ et al. (orgs), 1997. Reforma do Estado e Democracia no Brasil. Brasília : Ed.UnB.

DEAN, K., 1994. Creating a new knowledge base for the new public health. Journal of Epidemology and Community Health, 48: 217-219.

DONNET, J.L. & GREEN, A., 1973. L`enfant du ça.. Paris: Éditions de Minuit.

DRUMMOND, H., 1995. O Dom Supremo. Rio de Janeiro: Rocco.

DSM-IV, 1995. Critérios Diagnósticos. Traduzido por Batista, D. Porto Alegre: Artes Médicas.

DUARTE, L.F.D.,1994. A outra saúde: mental, psicossocial, fisico-moral ? In: Saúde e Doença - Um olhar Antropológico (PC.Alves & M.C.S.Minayo, orgs), pp. 83-90, Rio de Janeiro, Ed. FIOCRUZ.

DUARTE, L.F.D.,1997. A propósito da novidade dos objetos e realidades nas ciências sociais Contemporâneas. In: Ciências Sociais e Saúde (A.M. Canesqui, org.), cap. 3, pp. 69-77, São Paulo: Ed. Hucitec-Abrasco.

DUARTE, L.F.D.,1998. Investigação antropológica sobre doença, sofrimento e perturbação: uma introdução. In: Doença, Sofrimento, Perturbação: perspectivas etnográficas(L.F.D. Duarte & O.F. Leal, orgs.), Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ.

DUCROT, O., 1987. O dizer e o dito. Campinas, São Paulo: Pontes.

EY, H. et al., 1981. Manual de Psiquiatria. Rio de Janeiro: Masson.

EIGUER, A., 1987. La parenté fantasmatique. Paris: Dunod.

FARACO, C., 1994. Machado de Assis. Um mundo que se mostra por dentro e se esconde.
por fora. In: O Alienista (M. de Assis), pp.1-30. São Paulo: Editora Ática.

FAUSTINO, S., 1995. Wittgenstein. O eu e sua gramática. São Paulo: Editora Ática.

FERREIRA, A., 1963. Family myth and homeostasis. Archives of General Psychiatry, 9: 457-463.

FERREIRA, I.N., 1998. Caminhos do aprender: uma alternativa educacional para a criança Portadora de deficiência mental. Rio de Janeiro: I.N. Ferreira.

FERREIRA, D., 1999. Memórias: Itabira, Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. O Lutador.

FLEURY, S., 1989. Reforma Sanitária: em busca de uma Teoria. São Paulo: Ed. Cortez.

FOLKMAN, S. & LAZARUS, R.,1988 The relationship between coping and emotion: implications for theory and research. In: Social Science and Medicine, 26 (3): 310.

FOUCAULT, M., 1994. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitário.

FOUCAULT, 1995. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes.

FRITH, U., 1984. A new perspective in research on autism. In: Contributions à la recherche Scientifique sur autisme: aspects cognitifs (ARAPI). Paris: Association pour la Recherche Sur L`Autisme et les Psychoses Infantiles.

FRITH, U., 1992. Autism and Asperger syndrome. Cambridge: Cambridge University Press.

GALIMBERT, U., 1984. Il corpo. Milano: Feltrinelli.

GEERTZ,C., 1989. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara.

GEERTZ,C., 1997. O Saber Local. Petrópolis: Ed. Vozes.

GERGEN, K.J., 1985. The social construcionist movement in modern psychology. American Psychologist, 40: 266-275.

GERGEN, K.H., 1988. If persons are texts. In: Hermeneutics and psychological theory (S.B. Messer et al.). USA: Rutgers University Press.

GERGEN, K.J., 1991. The Saturated Self. USA: Basic Books

GERGEN, K.J., 1994. Realities and relationship: soudings in social construction. USA: Harvard University Press.

GIL, A.M.V.P., 1994. A Inteligência e a Metáfora da Flor.. Tese de Doutorado, São Paulo, PUC.

GILLBERG, C., 1990. Infantile autism: diagnosis and treatment. Scand.: Acta Psychiatr.

GILLBERG, C., 1992. Clinical and neurobiological aspects of Asperger`s syndrome in six Family studies. In: Autism and Asperger`s syndrome (U. Frith). Cambridge: Cambridge University Press.

GRANDIN, T. & SACRIANO, M.M., 1999. Uma menina estranha. São Paulo: Companhia das Letras.

GRÜNSPUN, H., 2000. Distúrbios Psiquiátricos da Criança. São Paulo: Editora Atheneu.

GRIMA, B. 1992. The performance of emotion among Paxtun Women. Austin: University of Texas Press.

GUIMARÃES, B., 1999. Meu Caminho: algumas lembranças. Belo Horizonte: Idéia 3 Editora Gráfica.

GOFFMAN, E., 1980. Estigma. Nostas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

GOLDSTEIN, E., 1983. Psicologia Social. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara.

HEIDEGGER, M., 1989. Ser e Tempo, parte I, pp. 243-300. Petrópolis: Vozes.

INHELDER, B., 1943. Le Diagnostic du raisonnement chez les débiles mentaux.. Neuchatel: Delachaux & Niestlé.

JAPIASSU,H. & MARCONDES, 1990. D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

JORGE, M.A.C., 2000. Fundamentos da Psicanálise de Freud a Lacan. Volume 1: As bases Conceituais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

KÄES, R., 1986. Objets et Processus de la Transmission. In: Généalogie et Transmission (J. Guyotat, P.Fédida et al.), pp. 15-24, Paris: Écho-Centurion.

KÄES, R., 1989. Le Pacte Dénégatif dans les Ensembles Transsubjectifs. Le Négatif. Figures et Moalités (Missenarda et al.), pp.101-136. Paris: Dunod.

KÄES, R., 1993. Introduction au Concept de Transmission Psychique dans la Pensée de Freud. In: Transmission de la Vie Psychique entre Générations (R. Käes et al.),pp. 17-58, Paris: Dunod.

KÄES, R., 1998. Introdução: Os Dispositivos Psicanlíticos e as Incidências da Geração. In: A Transmissão do Psiquismo entre Gerações ( A, Eiguer et al.), pp. 5-19, São Paulo: Unimarco Editora.

KANNER, L., 1943. Autistic disturbances of affective contact. Nervous Child, 2:217-250.

KARDEC, A., 1991. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Araras, São Paulo: IDE.

KELLAWAY, P., 1959. Neurologic status of patients with hypsarrhythmia. In: Molecules and Mental health, (F.A.Gibbs, org.), pp. 134-149. Philadelphia: Lippincott.

KLEIN, M., 1981. Contribuições à psicanálise. São Paulo: Mestre Jou.

KRYNSKI, S., 1969. Deficiência Mental. Rio de Janeiro, São Paulo: Livraria Atheneu.

KUHN,T.S.,1978. "Posfácio 1969". In: ID. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Ed. Perspectiva.

LACY, J.R. & PENRY, J.K.,1976. Infantile Spasms. New York: Raven Press.

LAPLANCHE & PONTALIS, 1970. Vocabulário de Psicanálise. Lisboa: Moraes.

LAPLANTINE,F. Antropologia da doença. São Paulo: Ed. Martins Fontes.

LEBOVICI, S. & DUCHÉ, D.J., 1991. Os conceitos de autismo e psicose na criança. In: Autismo e psicoses na criança (P. Mazet & S. Lebobici), pp.9-11. Porto Alegre: Artes Médicas.

LEBOYER, M., 1991. Neuropsicologia e cognições. In: Autismo e psicoses na criança (P.Mazet & S. Lebovici), pp. 95-101

LÉVI-STRAUSS,C., 1958. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

LÉVI-STRAUSS, C., 1970. Mito e linguagem social. Lisboa: Edições 70.

LÉVI-STRAUSS,C.,1974. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: Sociologia e Antropologia, Volume 1.São Paulo: EPU.

LÉVI-STRAUSS,C.,1975. Aula Inaugural. Descrevendo Máscaras Sociais. Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves.

LINTON, R., 1987. O homem – uma introdução à antropologia. São Paulo:Ed.Martins Fontes.

LEMAIRE, J.G, 1984. La réalité informe, le mythe structure.Dialogue. Paris, 84:3-23.

LOPES, E.R.B., 1997. Autismo: trabalhando com a criança e com a família. São Paulo: Edicon/AUMA.

LOURENÇO, E., 2000. Educação Inclusiva: Uma Contribuição da História da Psicologia. Psicologia, Ciência e Profissão, 20 (1): 24-29.

LOWENFELD, V., 1977. Desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Editora Mestre Jou.

LUCCHESI, M., 1995. Introdução - De Nise a Spinoza: Uma Cultura Ética. In: Cartas a Spinoza (N. Silveira), pp. 11-15. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

LUTZ, C., 1988. The performance of emotion: everyday sentiments on a Micronesian atoll and their challenge to western theory. Chicago: University of Chicago Press.

MAHLER, M., 1983. As psicoses infantis e outros estudos. Porto Alegre: Artes Médicas.

MARCONDES, D., 1992. Filosofia, linguagem e comunicação. São Paulo: Cortez.

MARINO JR., R., 1983. Epilepsias. São Paulo: Sarvier Editora.

MARSHALL, T.H., 1967. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar.

MATTHES, A., 1976. Epilepsia. Diagnóstico e Tratamento no Hospital e na Clínica. Rio de Janeiro, São Paulo: Livraria Atheneu.

MATTA, R., 1979. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Ed. Zahar.

MATURANA, H et. al (orgs), 1999. A Ontologia da Realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG.

MAUDIRE, P., 1988. Exilados na Infância. Relações criativas e expressão pelo jogo na escola. Porto Alegre: Artes Médicas.

MAUSS, M., 1974. Sociologia e Antropologia. Volume 1. São Paulo: EPU.

MALDONADO, M.T., 1997. Os Construtores da Paz: caminhos da prevenção da violência. São Paulo: Moderna.

MALINOWSKI, B., 1975. Uma Teoria Científica da Cultura. São Paulo. Zahar Ed.

MELLO, A,M.S.R., 2001. Autismo: Guia Prático. São Paulo: AMA, Brasília: CORDE.

MELLO, A.M.S.R. & MARQUES, M.B., 1995. Inserção Social do Autista/ Deficiente Mental. Recursos Psicopedagógicos (apostila). São Paulo: AMA/NAAMA.

MENDES, E.G., 1994. Integração escolar: reflexões sobre a experiência de Santa Catarina. InterAção, Brasília, 5 (12): 5-16.

MILLER, F.E. & BORDEM, W., 1996. Familiares das pessoas com doença neuropsiquiátrica: Uma perspectiva de estresse e do manejo. In: Compêndio de Neuropsiquiatria (S.C. Yudofsky & R.E. Hales, orgs). Porto Alegre: Artes Médicas.

MICHELAT, G., 1975. Quelque Contribuitions à la Methodológicas da Sociologia do Conhecimento. Sociologia do Conhecimento. Rio de Janeiro: Zahar Ed.

MINAYO, M.C.S., 1986. Os Homens de Ferro. Estudo sobre os trabalhadores da Indústria Extrativa de Minério de Ferro da Companhia Vale do Rio Doce em Itabira, Minas Gerais. Rio de Janeiro: Dois Pontos Editora.

MINAYO, M.C.S., 1994. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: Pesquisa social: teoria, método e criatividade (M.C.S. Minayo, org.), pp. 9-21. Petrópolis: Vozes.

MINAYO, M.C.S.,1996. O Desafio do Conhecimento. Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

MINAYO, M.C.S. & SOUZA, E.R., 1998. Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. In: História, Ciência e Saúde, Rio de Janeiro, 4 (3): 513-531.

MINAYO, M.C.S. et al., 1999. Fala galera: juventude, violência e cidadania. Rio de Janeiro: Garamond.

MISÈS, R., 1977. A Criança Deficiente Mental: uma abordagem dinâmica. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

MISÈS, R., 1990. Classification française des troubles mentaux de lénfant e de l`adolescent. Neuropsychiatrie de l`enfance. , 38 (10-11): 523-539.

MORICONI, I., 2001. Os cem melhores poemas brasileiros do século. Rio de Janeiro: Objetiva.

MORIN, E, s/d. O problema epistemológico da complexidade. Mem Matins: Publ. Europa-América.

MORIN, E., 1987. La méthode. 3.El Conocimiento del Conocimiento Barcelona: Teorema.

MORIN, E., 1990. Introduction à la Pensée Complexe. Paris: E.S.F.

MYERS, F.R., 1986. Pintupi country, Pintupi self: Sentiment, place, and politics among Wenstern Desert Aborigines. Berkeley: University of California Press.

NIEDERMEYER, E., 1991. Manual de Epilepsia. Diagnóstico e Tratamento das Doenças Convuslivas. São Paulo: Livraria Santos Editora.

OLIVEIRA, M.K., 1993. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-Histórico. São Paulo: Scipione.

OLIVEIRA, H. & MINAYO, M.C.S., 2001. A auto-organização da vida como pressuposto para a compreensão da morte infantil. In: Ciência e Saúde Coletiva, 6 (1): 139-149.

PAIVA, G.J., 1978. Introdução à Psicologia Intercultural. São Paulo: Ed. Pioneira.

PARSONS, T., 1970. La estructura social de la familia. In: La familia (E.Fromm et al.). Barcelona: Península.

PELBART, P.P., 1989. Da Clausura do Fora ao Fora da Clausura. Loucura e Desrazão. São Paulo: Ed. Brasiliense.

PESSOTTI, I., 1984. Deficiência Mental: da superstição à ciência. São Paulo: Edusp.

POPPER, K.R., 1972. O status da ciência e da matemática. In: Conjecturas e Refutações, pp.211-226. Brasília: Ed. UnB.

POPPER, KR., 1987. Indução. In: O Realismo e o Objectivo da Ciência. Pós-escrito à Lógica da Descoberta Científica, vol 1 (W.W. Bartley, org.), pp. 45-65. Lisboa: Dom Quixote.

POSTEL, J. & QUETEL, J., 1994. Nouvelle Histoire de la Psychiatrie. Paris: Dunod.

PRIGOGINE, I. & STENGERS, 1990. Entre el Tiempo y la Eternidad. Madrid: Alianza Universidad.

POUILLON, J, 1980. La fonction mythique. In: Le temps de la réflexion. Paris: Gallimard.

REDDY, W.R., 1997. Against Constructionism: the historical ethnografy of emotions. Current Anthropology, 38 (3): 327-351.

REGO, T.C., 2001. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Vozes.

RITVO, E.R., 1976. Autism: diagnosis, current research and management. New York: Spectrum Publications.

ROTELLI, F et al., 1990. Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec.

ROTTESTEIN, A., 2000. Valorização da vida pela arte. Palestra proferida no Simpósio Para Compreender a Deficiência ( M.I. Salgado & E.R.Valadares, orgs.), Minas Gerais, Universidade Federal de Minas.

RUFFIOT, A., 1979. La Thérapie Psychanalytique de la Famille. L`Appareil Psychique Familial, Tese do terceiro ciclo, Grenoble II.

RUTTER, M., 1983. Cognitive deficits in the pathogenesis of autism. J.Child.Psychol. Psichiatry, 24 (4): 513-531.

SACKS, O.,1995. Um Antropólogo em Marte. São Paulo: Companhia das Letras.

SALGADO, I.M. & VALADARES, E.R., 2000. Para Compreender a Deficiência. Belo Horizonte: Rona Editora, UFMG.

SANTOS, B.S., 1997. Um Discurso sobre as Ciências. Porto Alegre: Edições Afrontamento.

SANTOS, J.L.F. & WESTPHAL, M.F., 1999. Práticas emergentes de um novo paradigma de Saúde: o papel da universidade. Estudos Avançados, USP, 13 (35): 71-88.

SASSAKI, R.K., 1999. Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA.

SCHRAMM, F.R., 1998. Prefácio. In: Saúde Pública: Uma complexidade anunciada. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ.

SCHUTZ, A., 1961. Collected papers. The problem of social reality. The Hague: Martinus Nijhoff.

SCHUTZ, A., 1979. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar Ed.

SEGAL, H. , 1975. Introdução à obra de Melanie Klein. Rio de Janeiro: Imago.

SELYE, H., 1956. The stress of life. New York: McGraw-Hill.

SILVA, R.C., 1992. A formação em Psicologia para o trabalho na Saúde Pública. In: Psicologia e Saúde. Repensando práticas ( F.C.B. Campos, org.), pp.25-40,São Paulo: Ed. Hucitec.

SMITH, P., 1980. Positions du mythe. In: Le temps de la réflexion. Paris: Gallimard.

SMOLKA, A.L.B. & GÓES, C.(orgs.), 1993. A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. Campinas: Papirus.

SOARES, L.E., 1994. O Rigor da Indisciplina. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

SOIFER, R., 1992. Psiquiatria infantil oferativa. Psicologia evolutiva & psicopatologia. Porto Alegre: Artes Médicas.

SPINK, M.J.P., 1992. Psicologia da saúde: a estruturação de um novo campo de saber. In: Psicologia e Saúde. Repensando práticas ( F.C.B. Campos, org.), pp.11-23,São Paulo: Ed. Hucitec.

TELFORD, C.W. & SAWREY, J.M., 1988. O Indivíduo Excepcional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

TUSTIN, F., 1975. Autismo e Psicose Infantil. Rio de Janeiro: Imago.

UNITED NATIONS, 1983. World Programme of Action concerning Disabled Persons. New York: United Nations.

VALSINER, J., 1995. Editorial. Culture & Psychology. 1: 5-10.

VYGOTSKY, L.S., 1984. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

VYGOTSKY, L.S., et al., 1988. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone/Edusp.

VILHENA, J., 1986. Mito e fantasia. Gradiva. SPAG, Rio de Janeiro: ago/set.

WATTS, A.W., 2001. Mitologia ocidental: dissolução e transformação. In: Mitos, sonhos e Religião nas artes, na filosofia e na vida contemporânea (J.Campbell, org.), pp.11-27. Rio de Janeiro: Ediouro.

WILLIAMS, D., 1994. Somebody somewhere: breaking free from the word of autism. New York: Times Books.

WING, L. & GOULD, J., 1979. Severe impairments of social interaction and associated abnormalities in children: epidemiology and classification. J.Autism Develop.Dis., 9:11-30.

WINNICOTT, D.W., 1974. La crainte de l`effondrement. Nouvelle Revue de Psychanalyse. N. 11, Paris: Gallimard.

WINNICOTT, D.W., 1982. A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan.

WINNICOTT, D.W., 1990. Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago Editora.

WINNICOTT, D.W., 1993. A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Ed. Martins Fontes.

WHO., 1993. Classificação das doenças mentais da CID 10. Porto Alegre: Artes Médicas.

XAVIER, M.A.V., 1999. Diálogo com a esperança. São Paulo: Memnon.

YASUI, S., 2000. A Construção da Reforma Psiquiátrica e o seu Contexto Histórico: Reflexões e Algumas Comparações. In: A Loucura da História. Seminário sobre história da psiquiatria, encontro dos estudos e pesquisas em história da psiquiatria, psicologia e saúde mental (P.Amarante, org.), pp. 219-225. Rio de Janeiro: Laps/Ensp/Fiocruz.

ZIRALDO, A.P., 1980. O Menino Maluquinho. São Paulo: Melhoramentos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Início