HomeLista de Teses >  [RESPEITO A AUTONOMIA DO PACIENTE E CONSENTIMENTO L...]


 

Almeida, José Luiz Telles de. Respeito à autonomia do paciente e consentimento livre e esclarecido: uma abordagem principialista da relação médico-paciente. [Doutorado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 1999. 129 p.

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, J. L. T. de e SCHRAMM, F. R. 1999. "Paradigmatic transition, medical ethics metamorphosis and the rise of bioethics" Cadernos de Saúde Pública, (no prelo)

ANNAS, G. J. and GRODIN, M. A. (Eds.). 1992. The Nazi Doctors and the Nuremberg Code: human rights in human experimentation. New York: Oxford University Press.

ANTUNES, J. L. F. 1991. Hospital: Instituição e História Social. São Paulo: Letras & Letras.

ARENDT, A. 1995. A Condição Humana. 7ª Ed. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

ACD (ASSOCIAÇÃO CARIOCA DE DIABÉTICOS). 1998. O Diabético. Rio de Janeiro: Órgão Oficial da Associação Carioca dos Diabéticos. Ano V, nº 31.

BAKER, R. 1993. "History of Medical Ethics". In: BYNUM, W. and PORTER, R. (eds.) Encyclopedia of the History of Medicine, London: Routledge.

BATARRITA, J. A. 1997. "Ética y Evaluación de Tecnologías Sanitarias" In: CALVENTE, Mª del M.G (Ed.). Ética y Salud. Granada: Escuela Andaluza de Salud Pública.

BEAUCHAMP, T. L. 1994. "The ‘Four Principles’ Approach" In: GILLON, R (ed.). Principles of Health Care Ethics. Chinchester: John Wiley & Sons. pp. 3-12.

BEAUCHAMP, T. L. 1995. "Principlism and its Alleged Competitors". Kennedy Institute of Ethics Journal, 5 (3): 181-198.
        [ Medline ]

BEECHER, H. K., 1966. Ethics and clinical research. New England Journal of Medicine, 274:1354-1360.

BEESON, P. B. and McDERMOTT, W. 1977. Tratado de Medicina Interna de Cecil-Loeb. 14ª Ed. Volume 2, Rio de Janeiro: Interamericana. pp.2005-2030.

BERLINGUER, G. e GARRAFA, W. 1996. O Mercado Humano: estudo bioético da compra e venda de partes do corpo. Tradução de Isabel Regina Augusto, Brasília: Editora UnB.

BERLINGUER, G., 1996. Ética e Saúde. São Paulo: Hucitec.

BOBBIO, N. 1992. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro, Campus.

BODSTEIN, R.C. de. 1995. Cidadania e Direitos: dilemas da questão social. Tese apresentada à Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Oswaldo Cruz para obtenção do título de Doutor em Saúde Pública. Rio de Janeiro, Ensp/Fiocruz. 170p.

BRASIL, 1996. Resolução N.º 196/96 Sobre Pesquisa Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Ministério da Saúde/ Conselho Nacional de Saúde.

BRASIL, 1997. Constituição da República Federativa do Brasil. LOPES, M.A.R. (coord.). 2 ª ed.rev. e atual. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

BRASIL. s/data. Ainda Posso Levar uma Vida Normal? Brasília: Ministério da Justiça/ Secretaria dos Direitos da Cidadania/ Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. 190p.

BURG, W. van der. 1997. "Bioethics and Law: a Developmental Perspective". Bioethics, april, 11 (2): 91-114.

BURT, R.A. 1996. "The Suppressed Legacy of Nuremberg." Hasting Center Report 26(5): 30-33.

CALLAHAN, D. 1994. "Porre dei Limiti: problemi etici e antropologici". L’Arco di Giano: rivista di medical humanities.4: 75-86.

CALLAHAN, D. 1996 "Goals of Medicine". Bioethics: Setting New Priorities. An International Project of the Hastings Center.Special SupplementNovember-December. S1-S27.

CALLAHAN, D. 1998. False Hopes: Why America’s Quest for Perfect Health Is a Recipe for Failure. New York: Simon & Schuster.

CARVALHO, A. I. de. 1994. Conselhos de Saúde no Brasil. Dissertação apresentada à Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz como requisito parcial à obtenção do título de mestre. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz.

CLARO, L. B. L. 1995. Hanseníase: representações sobre a doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

CLOUSER, K. D. 1993. "Bioethics and Philosophy". Hasting Center Report Special Supplement, 23:S10-S11.

CLOUSER, K. D. and GERT, B. 1990. "A Critique of Principlism". The Journal of Medicine and Philosophy, 15:219-236.

COELHO, E.C. 1995. "Físicos, Sectários e Charlatães: a medicina em perspectiva histórico-comparada". AD: MACHADO, M.H.(org.). Profissões de Saúde: uma abordagem sociológica. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, pp.35-62.

COELHO, V. S. P. 1996. Interesses e Instituições na Política de Saúde: o transplante e a diálise no Brasil. Tese de Doutoramento, Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

COHEN, C. e MARCOLINO, J.A.M..Relação Médico Paciente: Autonomia e Paternalismo. In: SEGRE, M. e COHEN, C. Bioética. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995. pp 51-62.

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. 1997. IV Conferência Municipal de Saúde: consolidando o SUS - Relatório Final. Rio de Janeiro: Conselho Municipal de Saúde/Secretaria Municipal de Saúde.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. 1994. Pareceres:janeiro 1985 a junho 1994. Vol 1. Brasília: Conselho Federal de Medicina.

COMDDPPD e ADRETERJ (Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência e Associação dos Doentes Renais e Transplantados do Estado do Rio de Janeiro). s/d. Legislação do Deficiente Renal. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro.

CROCE, D. e CROCE JR, D. 1997. Erro Médico. São Paulo: Oliveira Mendes.

CULVER, C. M. 1995. "Competência do Paciente" In: SEGRE, M. e COHEN, C. (orgs.) Bioética. São Paulo: Edusp.

DEFANTI, C.A. 1997. "Un Nuovo Itinerario alla Ricerca dei Prìncipi della Bioética". Bioetica: Rivista Interdisciplinare. Milano. Franco Angeli. gennaio, (3): 383-400.

DUMONT, L., 1993. O Individualismo: uma perspectiva Antropológica da Ideologia Moderna. Rio de Janeiro: Rocco.

DWORKIN, R. 1977. Taking Rights Seriously. Cambridge: Mass.

ENGELHARDT Jr. H. 1998. Fundamentos da Bioética. Tradução de José A. Ceschin. São Paulo: Loyola.

ENTRALGO, P. L. 1983. La Relación medico-enfermo. Madrid: Alianza Editorial.

FADEN, R. and BEAUCHAMP, T.L. 1986. A History and Theory of Informed Consent New York: Cambridge University Press.

FOUCAULT, M., 1994. O Nascimento da Clínica. 4ª edição.Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FRANÇA, G.V. de. 1994a. Direito Médico. 6ª edição. São Paulo: BYK.

FRANÇA, G.V. de. 1994b. Comentários ao Código de Ética Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

FREIDSON, E. 1978. La Profession Medica: un Estudio de Sociologia del Conocimiento Aplicado. Barcelona: , Ediciones Peninsula.

GARRAFA, V. 1998. Apud. SCHRAMM, F.R. Bioética Internacional discutida em Fórum no Hospital Heliópolis. AD: Saúde Heliópolis. São Paulo: Curso de Pós-Graduação em Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital de Heliópolis. Ano 3. nº 9. pp. 3-6.

GARRET, L.1994. A Próxima Peste: as novas doenças de um mundo em desequilíbrio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Capítulo 2, pp. 39-60.

GILLIGAN, C., 1982. In a Different Voice: Psicological Theory and Women’s Development. Cambridge: Harvard University Press.

GILLON, R. 1994. "The Four Principles Revisited - a Reappraisal". ID. Principles of Health Care Ethics, John Wiley & Sons ltd. pp.319-333.

GINZBURG, C. 1979. "Spie. Radici di un paradigma indiziario". In: GARGANI, A.(org.) 1979. Crisi della ragione. Nuovi modelli nel rapporto tra sapere e attivitá umane. Torino: Einaudi.(Apud, SCHRAMM, 1997a).

GIOSTRI, H. T. 1996. "Erro Médico e Condições de Trabalho". Arquivos do Conselho Regional de Medicina do Paraná, 13 (49):1-17.

GRINOVER, A.P. et al. 1995. Código de Defesa do Consumidor: comentado pelos autores do anteprojeto. 4ª.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GUILLÉN, D.G. 1989. Fundamentos de Bioética. Madrid: Eudema.

GUILLÉN, D. G. 1994. "I diritti in sanità nella prospettiva della bioetica. L’Arco Di Giano: Rivista di Medical Humanities, 4:29-44.

GUILLÉN. D.G.1995. "Hard Times, Hard Choices: fouding bioethics today", Bioethics, 9 (3/4): 192-206.

HARDT, B and HALKIN, K. R.1995. The New Way to Take Charge of your Medical Treatment: a patient’s guide.New York: Madison Books.

HÄYRY, H. 1998. Paternalism. In: CHADWICK, R.F. (ed.) Encyclopedia of Applied Ethics, vol.1 London: Academic Press. pp. 449-457 AMBROSELLI, C. 1994. h’étique médicale.Paris: Presses Universitaires de France. pp. 62-90.

HOLM, S. 1998. Autonomy. In: CHADWICK, R.F. (ed.) Encyclopedia of Applied Ethics, vol.1 London: Academic Press. pp. 267-274

HOTTOIS, G. 1990. Le Paradigme bioéthique: une éthique pour la technoscience. Bruxelas: De Boeck-Wesmael.

JONES, J. H. 1993. Bad Blood: The Tuskegee Syphilis Experiment. New York: The Free Press.

JONSEN, A. e TOULMIN, S. 1988. The Abuse of Casuistry. Berkeley: University of California Press.

JONSEN, A. R. 1993. "The Birth of Bioethics". Hasting Center Report Special Supplement, 23: S1-S4.

KATZ, J. 1989. El Médico y el Paciente:su mundo silencioso. Fondo de México: Cultura Económica.

KATZ, J., 1972. Experimentation with Human Beings. New York: Russel Sage Foundation.

KEYSERLINGK, E. W. 1998. Medical Codes and Oaths. AD: CHADWICK, R.F. (ed.) Encyclopedia of Applied Ethics, vol.3. London: Academic Press. pp. 155-163.

KIPPER, D. J. e CLOTET, J. 1998. "Princípios da Beneficência e Não-Maleficência". In: COSTA, S. I. F. e GARRAFA, V. (coord.) Introdução à Bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina. pp. 37-51.

KOLATA, G. 1998. Clone: os caminhos para Dolly.Tradução de Ronaldo Sérgio De Biasi. Rio de Janeiro: Campus.

KOTTOW, M. 1998. "Ética, Bioética e Medicina.". Medicina: Conselho Federal. Ano XII, Abril, 92: 22-23.

KOTTOW, M. 1998. Apud. SCHRAMM, F. R. Bioética Internacional discutida em Fórum no Hospital Heliópolis. AD: Saúde Heliópolis. São Paulo: Curso de Pós-Graduação em Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital de Heliópolis. Ano 3. nº 9. pp. 3-6.

KUFLIK, A. 1985. "The Inability of Autonomy" Philosophy and Public Affairs, 14: 3-29.

LALANDE, A. 1996. Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. Tradução de Fátima Sá Correia, Maria Emília V. Aguiar, José Eduardo Torres e Maria Gorete de Souza. São Paulo: Martins Fontes.

LEPARGNEUR, H.1996. Bioética, Novo Conceito: a caminho do consenso. São Paulo: Loyola.

LEVINSON, W.; ROTER, D. L.; MULLOOLY, J. P.; DULL, V. T.; FRANKEL, R. M. 1997. Physician-Patient Communication: the relationship with malpractice claims among primary care physicians and surgeons". Journal of American Medical Association, 7 (277): 553-559.:

LUCIONI, M. C. s/d. La Medicina Cristiana, Árabe y de la Edad Media. AD. LIZARRAGA, A. A. y LEMUS, J. D. (eds.) Introduccion a la Historia da la Medicina Universal y Argentina. Buenos Aires: Escuela de Salud Publica - Facultad de Medicina - Universidad del Salvador. pp. 37-48.

MACHADO, M.H. 1996a. Os Médicos e sua Prática Profissional: as metamorfoses de uma profissão. Tese apresentada ao Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Ciências Humanas: Sociologia. Iuperj, Rio de Janeiro.215p.

MACHADO, M. H. (Coord.). 1996b. Perfil dos Médicos no Brasil: Relatório Final. Volume IV - Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz/CFM-MS/PNUD.

MAcINTYRE, A. 1988. Whose Justice? Which Rationality? London: Duckworth.

MARRAMAO, G. 1994. Céu e Terra. Tradução Guilherme Alberto Gomez de Andrade. São Paulo: Unesp.

MARTIN, L. M. 1993. A Ética Médica diante do Paciente Terminal. Aparecida-São Paulo: Santuário.

McMAHON, C. 1987. "Autonomy and Authority". Philosophy and Public Affairs, 16: 303-328.

MINAYO, M.C.de S. 1994. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

MORHAN (Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase), 1997. Jornal do Morhan. Rio de Janeiro: Morhan - Coordenação Nacional.

MORI, M. 1994. "A Bioética: sua natureza e história." Humanidades, 9(4): 332-41.

MORI, M. 1997. A Moralidade do Aborto:sacralidade da vida e novo papel da mulher. Tradução de Fermin Roland Schramm, Brasília: Editora UnB.

NERI, D. 1998. Eugenics. In: CHADWICK, R.F. (ed.) Encyclopedia of Applied Ethics, vol. 3, pp. E8-13. London, Academic Press.

NÉRI, J. A. da C.; SALES, A. M. e LUZ, M. 1998. "Vigilância Epidemiológica da Hanseníase" In: AGUIAR, A. C.; ALMEIDA, J. L. T. de; GOMES, J. A. C. e GOMES, M. de L. (Coord.) Textos de Apoio em Vigilância Epidemiológica. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Org.), Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. pp. 71-78.

NEVES, M. C. P., 1996. A fundamentação antropológica da bioética. Bioética, 4:7-16.
        [ Lilacs ]

NEVES, M. do C. P. 1998. "A Globalização e o Futuro da Bioética" Medicina: Conselho Federal.Novembro, 99: 26-27.

NOZICK, R. 1974. Anarchy, State and Utopia. New York: Basic Books.

NUTTON, V. 1996. Medicine in the Greek World, 800 - 50 BC. The

ORSI, L. e BIANCHI, A. 1998. "Cittadino insoddisfatto, sanità in transformazione: una possibile lettura bioetica del problema". Bioetica: Rivista interdisciplinare. 1: 15-26.

ORSI, L.. 1995. Il Consenso Informato: il prezzo della libertà e i possibili equivoci nella sulla aplicazione. In. Bioética: rivista interdisciplinare. Milano: Franco Angeli. (1): 55-61.

PELLEGRINO, E. e THOMASMA, D. C. 1988. For the Patient’s Good: the restoration of beneficence in health care. New York: Oxford University Press.

PELLEGRINO, E. D., 1990. "The relationship of autonomy and integrity in medical ethics". Bulletin of Pan American Health Organization, 24: 361-371.

PELLEGRINO, E. D., 1995. La metamorfosis de la etica medica: una mirada retrospectiva a los 30 años. Cuadernos de Bioética 1:21-34.

PERNICK, M.S. 1982. "The Patient’s Role in Medical Deciosionmaking: A Social History of Informed Consent in Medical Therapy" In President’s Comission for the Study of Ethical Problems in Medicine and Biomedical and Behavioral Research. Making Health Care Decisions: The Ethical and Legal Implications of Informed Consent in the Patient-Practitioner Relationship, Vol.3, Washington, U.S. Government Printing Office, pp.1-35.

PESSINI, L. e BARCHIOFONTAINE, C. de P. de. 1998. "Bioética: do Principialismo à busca de uma Perspectiva Latino-Americana". In: COSTA, S. I. F.; OSELKA, G. e GARRAFA, V. (Coord.). Iniciação à Bioética.Brasília: Conselho Federal de Medicina.

POTTER, V. R., 1970. Bioethics, the science of survival. Perspectives Biol. Med., Autumn, 1970:127-153.

PROCTOR, R. N. 1992. "Nazi Doctors, Racial Medicine and Human Experimentation" In: ANNAS, G. J. and GRODIN, M. A. (Eds.) The Nazi Doctors and the Nuremberg Code: human rights in human experimentation. New York: Oxford University Press.

QUEIROZ, M. de S. e PUNTEL, M. A. 1997. A Endemia Hansênica: uma perspectiva multidisciplinar. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

RACHID, M. e SCHECHTER, M. 1998. Manual de HIV/Aids. Rio de Janeiro: Revinter.

RAZ, J. 1985. "Authority and Justification" Philosophy and Public Affairs, 14: 3-29.

RAWLS, J. 1971. A Theory of Justice. Cambridge: Harvard University Press

REICH, W. T. 1995. The word ‘Bioethics’: the struggle over its earliest meanings. Kennedy Institute of Ethics Journal, 5:19-34.
        [ Medline ]

REICH, W. T. 1996. "Revisinting the Lauching of the Kennedy Institute: re-vioning the origins of bioethics". Kennedy Institute of Ethics Journal, 6 (4):323-327.
        [ Medline ]

RIBEIRO, C. D. M. 1998. Quem Vale a Pena? Valores Éticos e Disponibilidade de Recursos: representações acerca de políticas públicas de atenção ao paciente renal crônico. Dissertação de mestrado apresentada à Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz.

RICHARDSON, H. S. 1990. "Specifying Norms as a Way to Resolve Concrete Ethical Problems". Philosophy and Public Affairs, 19:279-310.

RICHARDSON, L. 1997. "Experiment Leaves Legacy of Distrust of New AIDS Drugs", The New York Times, 21 de março, p.A1.

ROSEN, G. 1994. Uma História da Saúde Pública. Tradução de Marcos Fernando da Silva Moreira. São Paulo - Rio de Janeiro: Hucitec-Edusp-Abrasco.

ROSS, W. D. 1930. The Right and the Good. Oxford: Clarendon Press.

ROTHMAN, D. J. 1991. Strangers at the Bedside: a history of how law and bioethics transformed medical decisionmaking. New York: Basic Books.

SANDEL, M. 1982.Liberalism and Limits of Justice. Cambridge: University Press.

SCHEFFER, M. 1998. "Medicamentos e Ativismo" Boletim Pela Vidda. Rio de Janeiro: Grupo Pela Vidda, ano IX, nº 31, jan/jun.

SCHRAMM, F.R. 1996. Paradigma Biotecnocientífico e Paradigma Bioético. In: ODA, L.M.(organizadora) Biosafety of Transgenic Organisms in Human Health Products. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. p.109-127.

SCHRAMM, F.R. 1997a. "Transição Paradigmática e Bioética Leiga". Jornal do Cremesp, julho, p.10

SCHRAMM, F. R. 1997b. "Da Bioética Privada à Bioética Pública" In: FLEURY, S. (org.) Saúde e Democracia: a luta do CEBES. São Paulo: Ed. Lemos. pp. 227-240.

SCHRAMM, F.R. 1997c. A Terceira Margem da Saúde: a ética natural. complexidade, crise e responsabilidade no saber-fazer sanitário. Brasília: Editora UnB.

SCHRAMM, F. R. 1998a. A teoria de justiça de Rawls. Aula proferida no I Curso de especilaização em Bioética. Núcleo de Estudos de Pesquisa em Bioética; Universidade de Brasília, DF. (mimeo).

SCHRAMM, F. R. 1998b. "A Autonomia Difícil" Bioética 6 (1): 27-37.

SCHRAMM, F. R. 1998c. "Princípio de Justiça: equidade e/ou imparcialidade". Medicina: Conselho Federal. Ano XII, Janeiro, 89: 8-9.

SEGRE, M.; SILVA, F. L. e SCHRAMM, F. R. 1998. "O Contexto Histórico, Semântico e Filosófico do Princípio de Autonomia". Bioética: Revista do Conselho Federal de Medicina, 6 (1): 15-23.

SFEZ, L. 1996. A Saúde Perfeita: crítica de uma nova utopia. São Paulo: Unimarco e Edições Loyola.

SMA (Secretaria Municipal de Administração). 1997. Pessoa Portadora de Deficiência: legislação - dispositivos constitucionais e do palno Diretor da Cidade - textos legais. Rio de Janeiro: A/SDO/CBT-2.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. 1991. Como Cuidar do seu Diabetes. Sociedade Brasileira de Diabetes e Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Apoio da Eli Llly do Brasil Ltda.39p.

SOUZA, A. T. de. 1981. Curso de História da Medicina: das origens aos fins do século XIV. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian.

TOULMIN, S. 1982. "How Medicine Saved the Life of Ethics" Perspectives in Biology and Medicine, 25(4):736-750.
        [ Medline ]

VEATCH, R. M. 1993. "From Forgoing Life Support to Aid-in-Dying". Hasting Center Report Special Supplement, 23:S7-S8.

VEATCH, R.M. 1995. "Abandoning Informed Consent" Hasting Center Report 25 (5):5-12.

WOLFF, R.P. 1970. In Defense of Anarchism. New York: Harper and Row.

WOLFF, S. M. 1996. "Introduction: Gender and Feminism in Bioethics" In: WOLFF, S. M. (Ed..)Feminism & Bioethics: beyond reproduction. New York: Oxford University Press.

WOLPE, P. W. 1998. The Triumph of Autonomy in American Bioethics: A Sociological View. AD: DeVRIES, R. and SUBEDI, J. Bioethics and Society: sociological investigations of the enterprise of bioethics. Prentice Hall.

 
 
  Início