HomeLista de Teses >  [TISICA E RUA: OS DADOS DA VIDA E SEU JOGO...]


 

Carbone, Maria Herminda. Tísica e rua: os dados da vida e seu jogo. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2000. 106 p.


BIBLIOGRAFIA

ADORNO, S. 1990. A gestão filantrópica da pobreza urbana, Revista da Fundação SEADE, São Paulo: 2: 9-11; 14-17.

AFIONE, J. 1995. Informe Comemorativo da Fundação do Instituto Clemente Ferreira, pp. 3-6. São Paulo: Instituto Clemente Ferreira.

ALVES, R. 1981. Filosofia da ciência. São Paulo: Editora Brasiliense.

ALTHUSSER, L. 1981. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado, São Paulo: Editora Martins Fontes.

AMED A. D & DOMINGOS, B. 1995. Moradores de rua e o C.S. Barra Funda: a problemática desta população e a possibilidade de atendimento. Monografia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: pp.65-68.

ARANHA, M. L. 1993. Maquiavel, a lógica da força. São Paulo: Editora Moderna.

ARANHA M. L. E MARTINS A., 1993. Filosofando, São Paulo: Editora Moderna.

ARANTES, G. 1977. Planejamento anti tuberculose. Tese de Livre Docência. São Paulo: Faculdade de Saúde Publica da Universidade de São Paulo.

ARANTES, G. R.; BELLUOMINI, M.; SALAMEIDA, M. M. B. & LIMA, M. M., 1997. Monitoração das ações antituberculose: Cartas gráficas baseadas em unidades desvio padrão e tabelas de classificação baseadas em média - síntese. Medicina, 1:243 – 258.

ARIÈS, P. 1977. História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves.

ARIÈS, P. 1986. A Família in História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

ASCH, S. 1998. Tuberculosis in the homeless patients in Ann Emerg Med Aug; 32 (2); pp. 144-7.

BAKHTIN, F. 1977. Le marxisme et la philosophie du language, Paris, Minuit.

BARNES, P. 1996. Transmission of tuberculosis among the urban homeless in JAMA Jan 24-31; 275 (4); 305-7.

BENJAMIM, W. 1987. "O narrador. Obras escolhidas". São Paulo: Editora Brasiliense.

BERLINGUER, G. 1998. A doença São Paulo: CEBES – Editora Hucitec.

BOBBIO, N. 1986. Dicionário de política. Brasília: Universidade de Brasília.

BOCHENSKI, J. 1964. Diretrizes do pensamento filosófico. São Paulo: Editora Herder.

BOLTANSKY, L. 1979, As Classes Sociais e o Corpo. Rio de Janeiro: Editora Graal

BORDIEU, P. 1996. "A ilusão biográfica". In: Ferreira, M. (orgs.) "Usos e abusos da história oral". Rio de Janeiro: FGV, pp. 183-192.

BRASIL. 1990. Lei Orgânica da Saúde, lei nº 8080. 19 set. 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Saúde.

BREIHL. J. 1991, Epidemologia: economia, política e saúde. São Paulo: Editora Hucitec.

BRÓIDE, J. 1993. A rua enquanto instituição da populações marginalizadas. Dissertação de Mestrado. Campinas: Pontifícia Universidade Católica, pp. 33-35.

CAMPOS, G. W. S. 1991. A Saúde Pública e a Defesa da Vida. São Paulo: Editora Hucitec.

CANGUILHEM, G. 1982. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

CANGUILHEM, G. 1994, Etudes d’Histoire et de Philosophie des Scienes. Paris, Vrin.

CARNEIRO JR. 1996. População de Rua: necessidades de saúde e organização de serviços. – Relatório final de pesquisa. Rede de Investigação em Sistemas e Serviços de Saúde no Cone Sul. São Paulo (mimeo).

CARUSO, I. 1982. A separação dos amantes; uma fenomenologia da morte. São Paulo, Editora Cortez.

CASSIRER, E. 1972. Antropologia filosófica. São Paulo: Editora Mestre Jou.

CASTIEL, L.D.& RIVERA, F.J.U. 1985. Planejamento em Saúde e Epidemiologia: casamento ou divórcio? Cadernos de Saúde Pública., 1 (4): 447-456, out/dez. Rio de Janeiro.

CASTIGLIONE, A. 1947, História da Medicina, São Paulo: Editora Nacional.

CASTRO, J. 1957, O Livro Negro da Fome. São Paulo: Editora Brasiliense.

CASTRO, J. 1965, Geopolítica da Fome. 7ª ed., São Paulo: Editora Brasiliense.

CASTRO, J. 1980, Geografia da Fome. 10ª ed., Rio de Janeiro: Antares / Achiamé.

CDC (Centers for Disease Control and Prevention), 1986. ComprehensivePlan for Epidemiological Surveillance. Atlanta, CDC.

CDC (Centers for Disease Control and Prevention), 1993. "Tuberculosis Morbidy and Mortality". Weekly Report, 42:696-704.

CECÍLIO, L. C. O. 1994, Contribuições para uma teoria da mudança do setor público. In:Inventado a Mudança na Saúde (L. C. O. Cecílio, org.), pp. 235 – 333, São Paulo: Editora Hucitec.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL. 1992. Principles of epidemiology, self-study course 3030-6 (10/88:4R). 1988. In WALDMAN, E.ª & GOTLIEB, S.L.D. Glossário de Epidemiologia. Informe Epidemiológico do SUS/MS/FNS/CENEPI. Brasília: V. 1, n. , pp. 5-27, dez.

CHASSOT, A. 1994. A ciência através dos tempos. São Paulo, Editora Moderna.

CHÂTELET, F. 1977. História da filosofia, idéias, doutrinas. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

CHAUÍ, M. 1980. O que é ideologia? São Paulo: Editora Brasiliense.

COHN, A. 1997 – Desenvolvimento social e impactos na saúde. Condições de Vida e Situação de Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO.

CORBISIER, R. 1974. Enciclopédia filosófica. Petrópolis: Editora Vozes.

CORBISIER, R. 1983. Introdução à filosofia. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

COSTA, P. 1995. Cidades sucumbem ao desafio da moradia. In Cadernos do Terceiro Mundo, Rio de Janeiro.

DALARI, D. A. 1981. Elementos da teoria geral do Estado – São Paulo: Editora Saraiva.

DALARI, D. A. 1981. O que são direitos da pessoa. São Paulo: Editora Brasiliense.

DATASUS (Departamento de Informática do SUS), 2000. IDB 98. Janeiro de 2000.<http://www.datasus.gov.br>

DELEUZE, G. 1989. Spinoza e os signos. Lisboa: Editora Ré.

DONNANGELO, M. C. 1975, Medicina e Sociedade. São Paulo: Editora Pioneira.

DURKHEIM, E. 1973. As Regras do Método Sociológico. Os pensadores, São Paulo, Editora Abril.

ECO, U. 1980. Mentiras que parecem verdades. São Paulo: Editora Summus.

FARMER, P. 1996, Social inequalities and emerging infectious diseases. Emergent Infectious Diseases, 2: 259 – 269.

FARMER, P. 1997, Social scientists and the new tuberculosis. Social Science and Medicine, 44: 347 – 3458.

FARMER, P. 1999, Infections and Inequalities. Berkeley, University of California Press.

FERREIRA, A. B. H. 1986. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

FONSECA, M. G. P.; SILVA, N. V. & HASENBALG, C. 1999, Saúde e Desigualdade Social e Regional no Brasil, 1996/1997. Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. (mimeo.)

FORRESTER, V. 1997. O horror econômico, São Paulo: Editora Unesp.

FOUCAULT, M. 1975. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Editora Imago.

FOUCAULT, M. 1984. Microfísica do Poder – Rio de Janeiro: Editora Graal.

FRANCO, T.; MERHY, E. E. & BUENO, W. 1997, O Acolhimento e os Processos de Trabalho em Saúde: O Caso de Betim/MG. Campinas: Departamento de Medicina Preventiva e Social, Universidade Estadual de Campinas. (mimeo.)

FROMM, E. 1979. Anatomia da destrutividade humana. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

FRÚGOLI JR. 1995. São Paulo: Espaços Públicos e Interações Sociais, São Paulo: Editora Marco Zero.

GOFFMAN, E. 1987. Estigma. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Editora Unesp.

GORDON, R. 1995. A assustadora História da Medicina, Rio de Janeiro: Editora Ediouro.

GRAMSCI, A. 1986. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

GUATTARI, F. 1985. Espaço e Poder. A Criação de Territórios na Cidade, in: Revista Espaço e Debates, 6, 109-120.

GUATTARI, F. 1992. Caosmose. Rio de Janeiro: Editora Hucitec.

GUARESCHI, P. 1994. Sem dinheiro não há salvação: ancorando o bem e o mal entre os pentecostais. Textos em Representações Sociais, Petrópolis: Editora Vozes, pp. 20-23; 34-39.

GUILLAUME, P. 1966. Manual de Psicologia. São Paulo: Editora Nacional.

GUILLAUME, P. 1996, Le Rôle Social du Médecin Depuis Deux Siècies (1800 – 1995). Paris, Comité d’Histoire de la Securité Sociale.

GUIMARÃES, R. 1985. Determinação Social e Doença Endêmica, Texto de Apoio, Rio de Janeiro: Abrasco.

GUIMARÃES, R. 1994. Saúde e sociedade no Brasil: anos 80. Rio de Janeiro: Abrasco

GUSDORF, G. 1987. A agonia da nossa civilização. São Paulo: Editora Convívio.

HALEBSKY, S. 1987. Sociedade de massa e conflito político. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

HEIDEGGER, M. 1975. Poetry, language, thougth. New York, Harper & Row.

HIJJAR, M.; MELO, F. DALCOMO.M; & PRADO, W. 1997. Condutas para pacientes portadores de tuberculose multirresistente. Jornal de Pneumologia, 23 (6); 329.

HOBBES, T. 1974. Leviatã. Col. Os pensadores. São Paulo: Editora Abril Cultural.

HORKHEIMER, M. e ADORNO, T. 1973. Termos básicos de sociologia. São Paulo: Editora Cultrix, Edusp.

HORKHEIMER, M. e ADORNO, T. 1985. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

HUBERMAN, L. 1969. História da riqueza do homem – Rio de Janeiro: Editora Zahar.

ILICH, I. 1975. A expropiação da saúde: Nêmeses da Medicina. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

JAPIASSU, H. 1975. O mito da neutralidade científica, Rio de Janeiro: Editora Imago.

JAPIASSU, H. 1977. Introdução à epistemologia da psicologia. Rio de Janeiro: Editora Imago.

JODELET, D. 1985. La representación social, fenômenos, concepto y teoria, in Moscovici, S.- Psicologia Social. São Paulo, Paidos.

JOLIVET, R. 1975. Vocabulário de filosofia. Rio de Janeiro: Editora Agir.

JOVCHELOVITCH, S. & GUARESCHI, P. 1994, Introdução. In: Textos em Representações Sociais (S. Jovchelovich & P. Guareschi, orgs.), pp. 17 – 16, Petrópolis, Editora Vozes.

KOWARICK, L. & BRANT, C. 1975. São Paulo,1975 Crescimento e Pobreza, São Paulo: Editora Loyola.

KOWARICK, L. 1979. A expoliação urbana, Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

KOYRÉ, A. 1979. Do mundo fechado ao universo infinito. São Paulo: Edusp; Rio de Janeiro: Forense Universitária.

KUHN, T. S. 1975, A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Editora Perspectiva.

LAFARGUE, P. 1999. O direito à preguiça, São Paulo: Editora Hucitec, Unesp.

LAU, A e FERSON M. J. 1997. Surveillance for tuberculosis among residents of hostels for homeless men. Aust NZJ Public Health Aug, 21 (5): 447-50.

LÈVI-STRAUSS, C. 1970, Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.

LEVIN, L. 1978. Os direitos humanos e a comunidade internacional. Editora Correio da Unesco, 6 (12).

LÜDKE, M; ANDRÉ, M. 1986. Pesquisa em Educação; Abordagens qualitativas – São Paulo: EPU, 1986.

LUZ, M. T. 1981. "Instituições medicas no Brasil", Rio de Janeiro: Editora Graal.

LUZ, M. T. 1982. Medicina e ordem política brasileira: Política e instituições de saúde", Rio de Janeiro: Editora Graal.

LUZ, M. T. 1988, Natural, Racional Social. Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. Rio de Janeiro: Editora Campus.

LUZ, M. T. 1996, A Arte de Curar versus a Ciência das Doenças. São Paulo: Editora Dynamis.

MACHADO, R. 1978. Danação da Norma : A Medicina Social e a Constituição da Psiquiatria no Brasil, Rio de Janeiro: Editora Graal.

MALINOWSKI, B. 1978. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Editora Abril.

MARCUSE, H. 1973. A Ideologia da sociedade industrial, Rio de Janeiro: Editora Zahar.

MARITAIN, J. 1962. Elementos de filosofia: lógica menor. Rio de Janeiro: Editora Agir.

MARITAIN, J. 1981. Os direitos do homem e a lei natural – Rio de Janeiro: Editora José Olímpio.

MARX, K. 1974. Manuscritos econômicos-filosóficos e outros textos escolhidos. Col. Os pensadores. São Paulo: Editora Abril Cultural.

MARX, K. e ENGELS, F. 1984. A ideologia alemã . São Paulo: Editora Hucitec.

MARX, K. 1987, O Capital. V4, São Paulo: Editora Difel.

MATOS, O. 1993. Escola de Frankfurt; luzes e sombras do Iluminismo, São Paulo: Editora Moderna.

MATTA, R. DA. 1995. Espaço-casa, rua e outro mundo: o caso do Brasil in : A casa e a rua. Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil, São Paulo: Editora Brasiliense, pp. 25-54; 117.

MENDES, C. 1993. De 1948 à 1972; os novos direitos do homem. Rio de Janeiro: Editora Sedoc.

MENDES, E. V. 1996, Uma Agenda para a Saúde. São Paulo: Editora Hucitec.

MENDES, R. 1980. Medicina do trabalho e doenças profissionais. São Paulo: Editora Sarvier.

MERHY, E. 1992. O capitalismo e a saúde pública. São Paulo: Editora Papirus.

MERHY, E. 1997, Em busca do tempo perdido: A micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Agir em Saúde: Um desafio para o Público (E. E. Merhy & R. Onocko, org.), pp. 71 – 112, São Paulo, Editora Hucitec/Buenos Aires, Lugar Editorial.

MERLEAU – PONTY, M. 1971. Fenomenologia da percepção. Rio de Janeiro: Editora Freitas Bastos.

MINAYO, MCS. 1989. O desafio do conhecimento: metodologia de pesquisa social e saúde. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado, ENSP/FIOCRUZ.

MINAYO, MCS & SOUZA, H. O. 1989. Na dor do corpo, o grito da vida In: Demandas populares, políticas públicas e saúde ( NR Costa, CL Ramos, MCS Minayo, E.N. Stotz, orgs.) vol II pp 76-101, Petrópolis: Editora Vozes.

MINAYO, M. C. S. 1992, O Desafio do Conhecimento. São Paulo: Editora Hucitec.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1989. Divisão Nacional de Pneumologia Sanitária. Manual de normas para o controle da tuberculose. 3 ed. Brasília. Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 36p. (Série A: Normas e manuais técnicos, 13)

MINISTÉRIO DA SAÚDE / CENEPI. 1992. Informe Epidemiológico do SUS, (2) julho; 3 (agosto); 4 (setembro); 5 (outubro); 6 (novembro).

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1993. Informe Epidemiológico do SUS. Ano I, n.º 3. Maio/Junho São Paulo.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1994. Controle de Tuberculose – Uma Proposta de Integração Ensino – Serviço, 4ª (CNCT – NUTES), Brasília.

MOSCA, G. 1968. História das doutrinas políticas – Rio de Janeiro: Editora Zahar.

MOSCOVICI, S., 1976, La Psychanalyse, son Image etson Publique. Presses Universitaires de France, Paris.

MOSCOVICI, S. 1978. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

MOSCOVICI, S.1986. A Psicologia Social, Barcelona: Editora Paidós.

MORIN, E. 1983. O problema epistemiológico da complexidade, Lisboa: Editora Europa América.

MORIN, E. 1997. O homem e a morte. Rio de Janeiro: Editora Imago.

MOURA, D. 1989. Saúde não se dá, conquista-se, Saúde em Debate, São Paulo: Editora Hucitec.

MS (Ministério da Saúde), 1986. 8ª Conferência Nacional de Saúde – Anais. Brasília, MS.

MURGEON, J. 1981. Les droits de l’homme – Paris: Editora Presses Universitaries de France.

NOGUEIRA, O. 1949. Experiências Sociais e Psíquicas do Tuberculoso. Sociologia. Revista Didática e Científica, SP, Escola de Sociologia e Política de São Paulo, nº 1 a 4.

ORGANIZACION PANAMERICANA DE LA SALUD (OPS), Washington. Benenson, A.S. (ED). 1992. El control de ls enfermedades transmisibles en el hombre. 15 ed. Washington: OPS, 618p., 577-592 (Publication cientifica, 538)

OSCHERVITZ T. ET AL. 1997. Detection of persintetly nonadherent patients with tuberculosis JAMA Sep. 10; 278 (10); 843 –846.

PENNA, M. L. 1988, Tuberculose: assistência ou controle? Tese de Mestrado. UERJ, Rio de Janeiro.

PENNA, M. L. 1994, Dinâmica epidemiológica da tuberculose. Tese de Doutorado, Faculdade de Saúde Publica/USP

PEREIRA, J.C. & RUFINO NETO, A. 1982. Saúde/doença e sociedade. A tuberculose – o tuberculoso. Ribeirão Preto: Medicina, 15 (1): 5-11.

PICON, RIZZON E OTT. 1993. Tuberculose, Rio de Janeiro: Editora Medsi.

PLUMB, JP. 1997. Homelessness; care, prevention, and public policy in Ann Internacional Medicine 126 ; 973-975.

POPPER, K. 1993, A Lógica da Pesquisa Científica. São Paulo: Editora Cultrix.

PÔRTO, Â. 1997. A vida inteira que podia ter sido e que não foi: Trajetória de um poeta tísico. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Instituto de Medicina Social, Programa de Pôs-Graduação em Saúde Coletiva.

PROPP, V. 1970. Morphologie du conte. Paris: Editora du Seuil.

QUEIROZ, M. S. 1991, Representações de Saúde e Doença. Campinas: Editora Unicamp.

RADIS,. 1982. Revista do Projeto Reunião, Análise e Difusão de Informações de Saúde,(julho), Rio de Janeiro: Fundação Osvaldo Cruz.

RADIS,. 1993. Revista do Projeto Reunião, Análise e Difusão de Informações Sobre Saúde, (agosto), Rio de Janeiro: Fundação Osvaldo Cruz.

REICH, W. 1972. Psicologia das massas do fascismo. São Paulo: Editora Martins Fontes.

ROSA, C. M. & VIEIRA, M. 1994. População de Rua: Quem é, como vive, como é vista, São Paulo: Editora Hucitec.

ROSA, C. M. 1995. População de Rua: Brasil e Canadá, São Paulo: Editora Hucitec.

RUFFINO NETTO, A. 1975. Epidemiologia da Tuberculose. Revista de Medicina, Ribeirão Preto, p.94.

RUFFINO NETO, A. 1981. Mortalidade por Tuberculose e Condições de Vida, Revista Saúde em Debate, 12 : 27 - 34.

RUFFINO NETO, A. E PEREIRA, J. C. 1982. O Processo Saúde - Doença e suas Interpretações, Revista Medicina do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina, pp. 15: 1 – 4, Ribeirão Preto.

RUFFINO NETTO, A. 1997. Brasil: doenças emergentes ou reemergentes? Revista Medicina, 30; 405, Ribeirão Preto.

RUGENDAS,. 1990. Viagem Pitoresca ao Brasil, São Paulo: Editora Livraria Martins.

SADER, E.; GENTILI, P. 1995. As políticas Sociais e o Estado Democrático – Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

SANTOS, M. 1993, A Urbanização Brasileira. São Paulo: Editora Hucitec.

SCHRAIBER, L. 1988. Políticas Públicas e Planejamento das Práticas de Saúde. São Paulo: Editora Hucitec.

SCHAEFER, M. 1987. Princípios sanitários do alojamento – A Saúde do Mundo. (7): 18 - 19 Genebra: Organização Mundial de Saúde.

SCHUTZ, A. 1973. Collected Papers I: The Problem of Social Reality. The Hague, Martinus Nijhoff.

SCLIAR, M. 1983. O centauro no jardim. Porto Alegre: Editora L&PM.

SIMON, T. 1995. Science and Tecnology in Brazil: a new policy for a global world. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas

SIMÕES, J.G.J. 1992. Moradores de Rua. São Paulo: Polis Publicações.

SINGER, P. 1976. Economia política da urbanização. São Paulo: Editora Brasiliense.

SINGER, P. 1978. Prevenir e Curar: o controle social através dos Serviços de Saúde, Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária.

SOMMER, R. 1973. Espaço Pessoal: as bases comportamentais de projetos e planejamentos. p. 13-15; 21-27.São Paulo, EPU.

SONTAG, S. 1989. Aids e suas metáforas. São Paulo. Companhia das Letras.

SPINK, M. J. 1993. Permanência e diversidade nas representações sociais da hipertensão arterial essencial, Dissertação de Mestrado, Ribeirão Preto.

SPINK, M. J. 1993, O estudo empírico das representações sociais. In: O Conhecimento no Cotidiano (M. J. Spink, org.), pp. 85 – 108, São Paulo: Editora Brasiliense.

SPINK, M. J. 1994, Desenvolvimento as teorias implícitas: Uma metodologia de análise das representações sociais. In: Textos em Representações Sociais (S. Jovchelovitch & P. Guareschi, org.), pp. 117 – 148. Petrópoles: Editora Vozes.

SPOZATI, A. 1988. Vida urbana e gestão da pobreza. São Paulo: Editora Cortez.

SPOZATI, A. O; BONETTI: D.A, YASPEK M.C, FALCÃO M.C.B.C. 1992. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão de análise. São Paulo: Editora Cortez.

SPOZATI, A. 1994. Política de Atenção à população de Rua, projeto de lei 207/94.

STEGMÜLLER, W. 1977. A filosofia contemporânea. São Paulo: EPU/ Edusp.

STOFFELS, M. G. 1977. Os mendigos na cidade de São Paulo. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

THOMPSON, J. B. 1995, Ideologia e Cultura Moderna: Teoria Social Crítica na Era dos Meios de Comunicação de Massa. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

TOYNBEE, A. 1976. A sociedade do futuro. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

TOWSEND, P. 1989. Medical antropology. Boulder, Westview

VELHO, G. 1978. A utopia urbana. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

VIEIRA PINTO, Á. 1969. Ciência e existência, Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

WEBER, M. 1967. A ética protestante e o espirito do capitalismo São Paulo: Editora Pioneira.

WEBER, M. 1993. Metodologia das Ciências Sociais. São Paulo: Editora Cortez.

WHO (World Health Organization),. 1995. The World Health Organization’s infant-feeding recomendation. Bulletin of the World Health Organization, 73: 165 – 174.

WOODCOCK, G. 1981. Os grandes escritos anarquistas. Porto Alegre: Editora L&PM.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. 1995. Report of the Second Meeting on Emerging Infectious Diseases. Document WHO/CDS/BVI/ 95.2 Who Report Geneve.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. 1998. Global Tuberculosis Control. Who Report Geneve.

ZALUAR, A. 1985. A máquina e a revolta, São Paulo: Editora Brasiliense.

ZALUAR, A. 1992. Quando a rua não tem casa, São Paulo, (texto apresentado no 1º seminário nacional sobre população de rua).

 
 
  Início