HomeLista de Teses >  [INFORMACOES EM SAUDE: PARA ANDARILHOS E ARGONAUTAS...]
 
 
 

Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública

"Informações em saúde: para andarilhos e argonautas de uma tecnodemocracia emancipadora "
Ilara Hammerli Sozzi de  Moraes

Tese apresentada com vistas à obtenção do Título de Doutor

Orientador: Moisés Goldbaum
Data de entrega: Maio de 1998

    RESUMO
    INTRODUÇÃO
    CAPÍTULO 1 - RACIONALIDADE NORTEADORA DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE :UM OLHAR GENEALÓGICO
    CAPÍTULO 2 - INFORMAÇÃO EM SAÚDE E UM OLHAR CONTEXTUTALIZADOR
    CAPÍTULO 3 - POR UM NOVO MODO DE GERIR A INFORMAÇÃO EM SAÚDE :O OLHAR POLÍTICO
    CAPÍTULO 4 - POR UMA POLÍTICA MUNICIPAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE
    CAPÍTULO 5 - PELA UTOPIA DE UMA CIDADANIA INFORMACIONAL
    CAPÍTULO 6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Resumo:
Como as Informações em Saúde podem contribuir para um processo democrático emancipador do Homem brasileiro na passagem para o terceiro milênio? Este é o problema a partir do qual esta investigação se desenvolve. Representa mais uma etapa no processo de aprofundar a compreensão em torno da informação, produzida e gerida pelo aparato estatal, considerada de interesse para a Saúde. Trabalha-se com a hipótese de que os marcos genealógicos encontrados na atual lógica organizativa das informações de interesse para a Saúde encontram-se no final do século XVIII e início do século XIX, com o surgimento do exercício de um poder disciplinar que se expressa capilarmente em todo o campo social, de um biopoder que nasce pari passu à medicina moderna (com o pensamento anátomo-clínico e patológico), desenvolvendo dispositivos eficazes para seu pleno exercício. Firma-se, assim, enquanto analítica central, o poder. Não qualquer poder, mas o poder vigilante que institucionaliza as informações em saúde como parte integrante dos dispositivos de governo de controle da população. Procura-se demonstrar as implicações de tal racionalidade sobre as informações em saúde apoiando-se nos estudos de Michel Foucault. Enfatiza-se a necessidade de politizar este campo de relações de poder e produção de saber que é, politicamente, reduzido a um campo do império da tecnicidade. Discute-se a apropriação pública das informações e o seu alcance no que se refere a sociedades democráticas na luta pela repartição e aproveitamento dos recursos e saberes elaborados pelo empreendimento coletivo dos Homens. Apresentam-se alguns princípios e propostas que vêm sendo construídos no Brasil em torno da essencialidade da definição de uma Política de Informações em Saúde. Conclui-se pela necessidade desta Política ser estabelecida a partir de um processo de negociações contínuas, propiciado pela conquista de uma participação ampliada em mecanismos coletivos de gestão da informação. Na busca de pensar alternativas que ampliem a capacidade argumentativa de novos "sujeitos informacionais" no processo de interlocuções, no processo de negociações que conformam 'pactos de governamentalidade', propõe-se o entendimento que o município constitui uma totalidade (local) de referência multifacetada e expressão do contraponto local/global. Elabora-se uma abordagem metodológica que visa agregar valor de uso às informações em saúde, seja para os gestores de saúde, gestores de informações e/ou representantes da população organizada. Assim, no presente trabalho são apresentadas reflexões inseridas em uma dimensão de análise genealógica e sócio-política, com o objetivo de aprofundar a compreensão sobre: i) o que, desde o princípio, sistematiza e norteia a atual configuração das informações em saúde (Capítulo I); ii) uma delimitação conceitual da informação em saúde no contexto da contemporaneidade (Capítulo II); iii) o modo de gerir a informação em saúde na perspectiva de pensar em alternativas de ações políticas (Capítulo III); iv) a organização das informações em saúde no âmbito municipal, tendo por referência a democracia e o processo da globalização (Capítulo IV) e v) a construção de uma 'cidadania informacional' (Capítulo V).

Palavras-chave:
Informação em Saúde; Gerenciamento de Informação; Organização e Políticas Governamentais; Sistemas de Informação

  Início