HomeLista de Teses >  [SAUDE DA CRIANCA E FORMACAO NO TRABALHO: A PRATICA...]
 
 
 

Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública

"Saúde da criança e formação no trabalho: a prática como e com saber"
Maria de Fátima Lobato  Tavares

Tese apresentada com vistas à obtenção do Título de Doutor

Orientador: Keyla Belizia Feldman Marzochi
Data de entrega: Dezembro de 1998

    RESUMO
    APRESENTAÇÃO
    CAPÍTULO 1 - NOTAS INTRODUTÓRIAS, FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA E METODOLOGIA
    CAPÍTULO 2 - PESQUISA EMPÍRICA
    CAPÍTULO 3 - CONSIDERAÇÕES
    CAPÍTULO 4 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
    ANEXO 1
    ANEXO 2
    ANEXO 3
    ANEXO 4
    ANEXO 5
    ANEXO 6
    ANEXO 7
    ANEXO 8

Resumo:
Procurou-se avaliar neste estudo se existe formação no trabalho, bem como de que maneira este se desenvolve no cotidiano da atuação multiprofissional, por meio das ações dos trabalhadores de saúde que lidam com a problemática saúde / doença da criança no Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria da ENSP / FIOCRUZ. Definiu-se, como metodologia, a investigação qualitativa, que teve como eixo o sentido atribuído pelos trabalhadores aos seus saberes e experiências considerados nas relações que estabelecem entre si, o Serviço e suas ‘crianças de referência’. Compôs-se a técnica da TRIANGULAÇÃO, que tem por finalidade a visualização mais abrangente do objeto de pesquisa através da multiplicidade de abordagens. Foram utilizados como instrumentos metodológicos: entrevistas semi-estruturadas de trabalhadores do CSEGSF, associadas à pesquisa e análise documental, aos grupos focais, à observação participante dos entrevistados e dos grupos focais e às entrevistas abertas com professores fundadores do Mestrado em Saúde da Criança / IFF / FIOCRUZ. A articulação analítica dos dados mostrou o contraste entre o material empírico, as teorias e os documentos oficiais sobre o assunto. Os principais resultados evidenciam a importância de tutoria / assessoria, isto é, de formação de formadores para que haja a condução do processo em um continuum. Por sua vez, os trabalhadores identificaram a rede de saberes, mais especificamente o saber educacional que emerge do cotidiano de suas ações no locus de trabalho, que permanece especulativo em razão de não se produzir a transformação do espaço dito virtual desse saber em espaço real e interprofissional de rotina para seu desenvolvimento, avaliação e transmissão. A análise do CSEGSF nesse estudo conduziu a uma percepção de suas potencialidades como espaço de relações de trabalho e de formação na medida de sua integração / articulação - em uma rede - com a comunidade de referência e seu ambiente, a mediação estratégica com o poder público local, como base para a intersetorialidade, e a construção compartilhada de conhecimentos dentro do CSEGSF e com outros setores da ENSP e da FIOCRUZ como política institucional e gerencial.


  Início