HomeLista de Teses >  [NIVEIS DE ANTICORPOS CONTRA O SARAMPO ENTRE AS MUL...]
 
 
 

Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública

"Níveis de anticorpos contra o sarampo entre as mulheres em idade fértil na população da Guiné-Bissau expostas a sarampo natural e a imunização contra o sarampo"
Cesario Lourenço  Martins

Dissertação apresentada com vistas à obtenção do Título de Mestre

Orientador: MARIA DO CARMO LEAL
Data de entrega: Março de 2002

    RESUMO
    CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO
    CAPÍTULO 2 - GUINÉ-BISSAU
    CAPÍTULO 3 - OBJETIVOS
    CAPÍTULO 4 - SUJEITOS E MÉTODOS
    CAPÍTULO 5 - RESULTADOS
    CAPÍTULO 6 - DISCUSSÃO E CONCLUSÕES
    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
    ANEXOS

Resumo:
O objetivo do trabalho é determinar o estado imunitário e os níveis de anticorpos contra sarampo em mulheres de 14 a 25 anos de idade residentes em Bissau, entre os anos de 1997 e 1998, correlacionado com antecedentes vacinais e a infecção natural do sarampo. Metodologia: Estudo transversal de soroprevalência de sarampo realizado em uma coorte de mulheres nascidas no bairro Bandim-I no período de 1976 a 1982. Foram coletadas informações sobre exposição ao sarampo e amostras de sangue para determinação do título de anticorpos contra a doença pelo teste de Inibição da Hemaglutinação (HAI). Resultados: Das 2240 mulheres nascidas no período de interesse, foram encontradas 783, das quais 420 tiveram o nível de anticorpo determinado. Das mulheres testadas, 417 foram analisadas. Em 43 mulheres, 10,3% dos soros testados, encontrou-se ausência de anticorpos. A soropositividade verificada foi 89,7%. A vacina contra o sarampo foi recebida por 66,9% das mulheres e referiram ter tido sarampo na infância 31,2% delas. Afirmaram que tiveram pessoas com sarampo em casa 32,1% das entrevistadas. Quanto à história reprodutiva, 33,3% das mulheres já tiveram parto e 66,7% ainda não. A maioria das mulheres estudadas estavam com 15 a 16 anos de idade. Foi duas vezes maior a chance de estar protegida contra a doença naquelas mulheres que adoeceram de sarampo em relação às que não adoeceram, controlando o efeito das outras variáveis (p=0,051). Identificou-se um ligeiro aumento da prevalência de soroproteção contra o sarampo em mulheres que receberam duas doses de vacina e uma diminuição na prevalência da soroproteção nas mulheres que haviam tido filhos, embora sem comprovação estatística.


Palavras-chave:
Sarampo; Anticorpos contra o sarampo; Sarampo na África; Guiné-Bissau

  Início