HomeLista de Teses >  [DEMENCIA COMO FATOR DE RISCO PARA QUEDA SEGUIDA DE...]
 
 
 

Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública

"Demência como fator de risco para queda seguida de fratura grave em idosos"
Aline de Mesquita  Carvalho

Dissertação apresentada com vistas à obtenção do Título de Mestre

Orientador: Evandro da Silva Freire Coutinho
Data de entrega: Maio de 2000

    RESUMO
    CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO
    CAPÍTULO 2 - OBJETIVOS
    CAPÍTULO 3 - METODOLOGIA
    CAPÍTULO 4 - RESULTADOS
    CAPÍTULO 5 - DISCUSSÃO
    CAPÍTULO 6 - CONCLUSÃO
    CAPÍTULO 7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
    CAPÍTULO 8 - ANEXO I

Resumo:
As quedas entre pessoas idosas constituem um dos principais problemas clínicos e de saúde pública devido à sua alta incidência, às consequentes complicações para a saúde e aos altos custos assistenciais. Para que sejam traçadas medidas preventivas efetivas, é preciso identificar os fatores de risco para tais eventos. Um estudo caso-controle foi realizado com o objetivo de investigar a associação entre demência e queda seguida de fratura grave entre idosos atendidos em 5 hospitais da rede pública do município do Rio de Janeiro. Cento e trinta e nove casos foram pareados por sexo, idade e hospital de admissão com 265 controles, todos com 60 anos ou mais e residentes na cidade do Rio de Janeiro. Neste estudo buscou-se ainda identificar as circunstâncias envolvidas nas quedas. Finalmente, de posse dessas informações, fornecer subsídios para programas de prevenção. Setenta e três por cento dos casos eram do sexo feminino. Apenas 10% das quedas ocorreram de madrugada, sendo que o restante distribuiu-se igualmente nos outros períodos do dia. O principal local de ocorrência foi o domicílio, em especial para o idoso dementado. Entre os idosos que sofreram quedas, havia uma proporção maior de viúvos, enquanto entre os controles a maioria era casada. Ainda em comparação com os controles, os casos eram mais magros, haviam sofrido mais quedas no ano anterior, faziam mais uso de tabaco, café e álcool, e haviam consumido mais benzodiazepínicos e miorrelaxantes, e menos diuréticos, digitálicos e anti-ácidos nas 24 horas que antecederam a queda. Finalmente, foi identificado um risco aproximadamente 80% maior de quedas seguidas de fraturas graves entre indivíduos com demência (OR=1,82; IC 95% 1,03 - 3,23 e p=0,04), mesmo quando controlados os efeitos das variáveis sexo, idade, estado conjugal, estado de saúde, consumo de álcool, consumo de medicamentos e ocorrência de quedas no ano anterior.


  Início