HomeLista de Teses >  [ENGENHO DENTRO DE CASA: SOBRE A CONSTRUCAO DE UM S...]
 
 
 

Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública

"Engenho dentro de casa: sobre a construção de um serviço de atenção diária em saúde mental"
Marco Aurelio Soares  Jorge

Dissertação apresentada com vistas à obtenção do Título de Mestre.

Orientador: PAULO DUARTE DE CARVALHO AMARANTE
Data de entrega: Outubro de 1997

    RESUMO
    INTRODUÇÃO
    CAPÍTULO 1 - A CONSTITUIÇÃO DO SABER PSIQUIÁTRICO
    CAPÍTULO 2 - A LOUCURA NO BRASIL :COMO SE FEZ A PSIQUIATRIA ENTRE NÓS.
    CAPÍTULO 3 - A CASA D’ENGENHO
    CAPÍTULO 4 - DISCUSSÃO FINAL
    CAPÍTULO 5 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
    CAPÍTULO 6 - ANEXOS

Resumo:
O presente trabalho é uma reflexão sobre a concepção teórica e a trajetória de construção de um Serviço de Atenção Diária - A CASA D’ENGENHO, que através da proposta de desmonte dos modelos psiquiátricos tradicionais, busca a constituição de novas práticas, onde o indivíduo possa ser participante ativo do processo terapêutico, constituindo novas formas de representação da loucura. Esse trabalho procura documentar a trajetória da construção desse serviço, as possibilidades e impossibilidades; identificar quais os aspectos no trabalho da Casa d’Engenho que realmente se diferenciam de uma prática dita tradicional. O estudo se concentrou da trajetória do Centro Psiquiátrico Pedro II, em um período a partir de 1982 até o ano de 1996. Foi nessa época quando se deu o início das mudanças nos discursos e práticas institucionais que propiciaram o surgimento dos novos modelos de assistência em saúde mental. Nos primeiros anos da década de 90, teve início um processo mais radical de transformação do antigo modelo asilar com a constituição de serviços com proposta de desmonte da cultura manicomial, como a CASA D’ENGENHO. A partir dos trabalhos de Michel Foucault e autores afins, sobre a História da Loucura, procurou-se demarcar o surgimento da psiquiatria como modelo disciplinador. As discussões finais acerca da clínica praticada nos serviços de atenção diária teve o auxílio de autores como Jurandir Freire Costa, Jairo Goldberg e os escritos de Felix Guattari e Gilles Deleuze, ampliando e articulando as discussões acerca da loucura e o político e social.


  Início