HomeLista de Teses >  [A PRATICA DA PSICANALISE LACANIANA EM CENTROS DE S...]
 
 
 

Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública

"A prática da psicanálise lacaniana em Centros de Saúde: psicanálise e saúde pública "
Myriam Rodrigues  Fernández

Dissertação apresentada com vistas à obtenção do Título de Mestre

Orientador: Antenor Amâncio Filho
Data de entrega: Abril de 2001

    RESUMO
    INTRODUÇÃO
    CAPÍTULO 1 - SAÚDE MENTAL E PSICANÁLISE
    CAPÍTULO 2 - PELOS CAMINHOS DA PSICANÁLISE :INCONSCIENTE E PULSÃO; TRANSFERÊNCIA E DESEJO DO ANALISTA
    CAPÍTULO 3 - A PSICANÁLISE À MEDIDA DO POSSÍVEL
    CAPÍTULO 4 - UM NÃO À PSICANÁLISE :DO PARADOXO À ALIENAÇÃO SOBRE A FUNÇÃO DO SUJEITO
    CONCLUSÃO
    BIBLIOGRAFIA
    ANEXO

Resumo:
Buscando investigar como se efetua a intersecção da psicanálise com a Saúde Pública, esta dissertação apresenta os relatos de três psicanalistas que exercem sua prática clínica em Centros de Saúde, visando dar a conhecer as condições em que a mesma vem se efetivando. A pesquisa trata do arcabouço teórico mínimo indispensável para abordar a prática da psicanálise, tendo inicialmente investigado a relação entre esta e a Saúde Mental, através do termo psíquico. A análise do material obtido revela que é a "in-formalidade" de uma práxis sustentada nos postulados teóricos lacanianos que possibilita a presença da psicanálise no campo da Saúde Pública, sendo a intersecção entre as duas possível porque, para ambas, o psíquico não é biológico, e o corpo, para a Saúde Pública, não tem uma dimensão apenas organo-biológica. As pesquisas realizadas apontam ainda que a relação paradoxal entre psicanálise e Saúde Mental, entre esta última e a Saúde Pública e entre a própria Saúde Pública e muitos dos médicos que trabalham em suas instituições, é causada por uma concepção racionalista do corpo que tem no biológico a sua única sustentação, o que está relacionado à formação médica e dá origem às dificuldades dos médicos em escutar seus pacientes. Assim, os dados obtidos podem ser usados para uma reflexão sobre a referida formação, no sentido de possibilitar àqueles que trabalham no campo da Saúde Pública uma escuta mais particularizada do sofrimento humano.


  Início