HomeLista de Teses >  [ENSINO DE EPIDEMIOLOGIA NA ESCOLA MEDICA: INSTITUC...]


 

Torres, Carlos Henrique Duarte Alves. Ensino de epidemiologia na Escola Médica: institucionalização da epidemiologia como disciplina na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2002. 91 p.

Referências Bibliográficas

  1. ABRASCO (Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva), 2002. Ensino de Graduação. Livro de resumos do 5º Congresso Brasileiro de Epidemiologia. Revista Brasileira de Epidemiologia, Supl. Esp: 139-143.
  2. ABRASCO (Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva), Comissão de Epidemiologia, 2000. III Plano Diretor para o Desenvolvimento da Epidemiologia no Brasil. 2000 - 2004. Rio de Janeiro: ABRASCO.
  3. ABRASCO / UNICAMP (Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva / Universidade de Campinas), 1990. Ensino da Epidemiologia nos Cursos de Graduação, Residência e Especialização, Mestrado e Doutorado. In: Anais do 1º Congresso Brasileiro de Epidemiologia. Epidemiologia e Desigualdade Social: Os desafios do Final do Século. Campinas: ABRASCO, 25-29.
  4. ALMEIDA FILHO, N., 2000. A Ciência da Saúde. São Paulo: HUCITEC.
  5. ALMEIDA, M.J., 1999. Educação Médica e Saúde. Possibilidades de Mudança. Londrina - Rio de Janeiro: UEL - Universidade Estadual de Londrina - ABEM - Associação Brasileira de Educação Médica.
  6. AROUCA, A.S.S., 1975. O Dilema Preventivista. Contribuição para compreensão e crítica da medicina preventiva. Tese de Doutoramento. Campinas, SP. Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Estadual de Campinas.
  7. AYRES, J.R.C.M., 1997. Sobre o Risco - Para Compreender a Epidemiologia. São Paulo: HUCITEC.
  8. BARATA, R.B., 1997. Tendências no Ensino da Epidemiologia no Brasil. Revista Pan Americana de Salud Publica, 2:334-340.
  9. BARATA, R.B., 1996. Epidemiologia clínica: nova ideologia médica? Cadernos de Saúde Pública, 2:550-560.
  10. BARATA, R.B., 1985. A historicidade do conceito de causa. In: Textos de Apoio: Epidemiologia I. Rio de Janeiro: PEC/ENSP/ABRASCO.
  11. BATISTA, N.A., 1999. Conhecimentos e habilidades docentes requeridos para uma nova concepção curricular: CINAEM.
  12. BRASIL, Ministério da Educação, 2001. Diretrizes curriculares para os cursos de graduação em Medicina. Diário Oficial da União.
  13. BRASIL, Ministério da Educação e Cultura, 1969. Resolução nº 8. Diário Oficial da União, 8/10.
  14. BRASIL, Ministério da Educação e Cultura, 1968. Lei nº 5540. Diário Oficial da União.
  15. BRASIL, Ministério da Educação e Cultura / Conselho Federal de Educação, 1969. Parecer nº 506 / 69. Diário Oficial da União.
  16. CARVALHO, D.M., 2002. Epidemiologia - História e Fundamentos. In: Epidemiologia (R.A. Medronho et al., ed.), pp. 3-13, São Paulo: Editora Atheneu.
  17. CFM / AMB (Conselho Federal de Medicina / Associação Médica Brasileira), 2001. A luta contra a MP 2177-43. Jornal da Associação Médica Brasileira, (129). 8p.
  18. COURA, J.R., 2000. História recente do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da UFRJ e de sua disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias. Rio de Janeiro: Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 1(3): separata.
  19. COURA, J.R., 1972 . Relevância do ensino da Medicina Preventiva na formação do profissional de saúde. Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 1(3):105-113.
  20. CZERESNIA, D., 1997. Do contágio à Transmissão. Ciência e Cultura na Gênese do Conhecimento Epidemiológico. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.
  21. DONNANGELO, M.C.F., 1979. Saúde e sociedade. 2ed. São Paulo: Duas Cidades.
  22. DONNANGELO, M.C.F., 1975. Medicina e Sociedade: o médico e o seu mercado de trabalho. São Paulo: Pioneira.
  23. ESCOREL, S., 1995. Projeto Montes Claros – Palco e bandeira de luta, experiência acumulada do Movimento Sanitário. In: Projeto Montes Claros. A utopia revisitada (Sonia Fleury, org.). Rio de Janeiro: ABRASCO.
  24. FERREIRA, R.A., 1999a. A normalização da Medicina no Brasil no século XX. Revista Médica de Minas Gerais, 9 ( 4 ):177-183.
  25. FERREIRA, R.A., 1999b. A medicina no Brasil no século XIX: regulamentação de sua prática e do seu ensino. Revista Médica de Minas Gerais, 9:83-88.
  26. FONSECA, D.S., 1984. Primeira história da Medicina Simplificada no Brasil. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte, MG. DCP / Universidade Federal de Minas Gerais.
  27. FORATTINI, O.P., 1980. Epidemiologia Geral. São Paulo: Livraria e Editora Artes Médicas Ltda.
  28. FOUCAULT, M., 1984a. O Nascimento da Medicina Social. In: Microfísica do Poder (Michel Foucault). Rio de Janeiro: Graal.
  29. FOUCAULT, M., 1984b. O Nascimento do Hospital. In: Microfísica do Poder (Michel Foucault). Rio de Janeiro: Graal.
  30. FOUCAULT, M., 1977. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense- Universitária.
  31. FRAGA FILHO, C. et al., 1980. Temas de Educação Médica. Brasília: MEC, (série Monografias do Ensino Superior. v. 1).
  32. FRAGA FILHO, C., 1988. Ensino médico no Brasil: análise crítica. Arquivos de gastroenterologia, 25:26-31.
  33. GARCIA, J.C., 1972. La Educacion Médica em la América Latina. Washington, D.C. Oficina Sanitária Panamericana (Publicación científica, v. 255).
  34. GIOVANELLA, L e FLEURY, S. 1996. Universalidade da atenção à saúde: acesso como categoria de análise. In: Política de Saúde: o público e o privado (Catalina Eibenschutz, org.): Rio de Janeiro. FIOCRUZ.
  35. GOLDBERG, M., 1990. Este obscuro objeto da Epidemiologia. In: Epidemiologia, Teoria e Objeto. (Dina Czeresnia Costa, org.). São Paulo, SP: Hucitec / ABRASCO.
  36. GOMES, M.M. et al., 2001. A Faculdade de Medicina Primaz do Rio de Janeiro em dois dos cinco séculos de História do Brasil. São Paulo: Editora Atheneu.
  37. GONÇALVES, E.L., 1996. O Currículo e o Ensino em Escolas Médicas de Europa. Pediatria (São Paulo). 18(2): 55-58.
  38. GONÇALVES, E.L., 1991. O ensino médico e as escolas médicas no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo.
  39. GONÇALVES, R.B.M., 1990. Reflexão sobre a articulação entre a investigação epidemiológica e a prática médica a propósito das doenças crônico degenerativas. In: Epidemiologia, Teoria e Objeto (Dina Czeresnia Costa, org.). pp. 39-86. São Paulo, SP: Hucitec / ABRASCO.
  40. GONÇALVES, R.B.M., 1986. Tecnologia e organização social das práticas de saúde: Características tecnológicas do processo de trabalho na rede estadual de centros de saúde de São Paulo. Tese de doutoramento, São Paulo: Faculdade de Medicina. Universidade de São Paulo.
  41. GONÇALVES, R.B.M., 1979. Medicina e história: raízes sociais do trabalho médico. Tese de mestrado apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. s.n. Mimeo.
  42. LAMOUNIER, J.A., 2000. Considerações sobre o mestrado na área médica. Revista Médica Minas Gerais, 10(4): 240-242.
  43. MEDRONHO, R. A. et al., 2002. Epidemiologia. São Paulo, SP: Editora Atheneu.
  44. MERHY, E.E., 1999. Apostar na construção de projetos terapêuticos cuidadores como modo de constituir a alma dos serviços de saúde: Desafio estratégico para as escolas médicas brasileiras: CINAEM.
  45. NUNES, E.D., 1998. Saúde Coletiva: história e paradigmas. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, 3:107-116.
  46. PAIM, J.S. & ALMEIDA FILHO, N., 2000. A crise da Saúde Pública e a Utopia da Saúde Coletiva. Salvador, BA: Casa da Qualidade Editora.
  47. PEARCE, N., 1996. Traditional Epidemiology, Modern Epidemiology and Public Health. American Journal of Public Health, 86:678-683.
  48. PEREIRA NETO, A., 2001. Formação profissional médica: o presente no passado. Caderno de Currículo e Ensino, 2 (3):35 – 54.
  49. PICCINI, R.X. et al., 2000. Diretrizes curriculares e o Projeto CINAEM: CINAEM.
  50. ROCHA, G.W.F., 1999. Investigando o contexto da formação médica: O caso da Faculdade de Medicina / UFRJ. Cadernos LCE, 0.
  51. ROSA, A. R. et al., 1990. Educação Médica nas Américas. O Desafio dos Anos 90. São Paulo: Cortez Editora.
  52. ROSA, A R. et al., 1995. Ensino Médico: Atualidade de uma experiência. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
  53. ROSE, G., 1985. Individuos Enfermos y Poblaciones Enfermas. OPS, Boletin Epidemiológico, 6:1-8.
  54. ROSEN, G., 1979. Da polícia médica a medicina social: ensaios sobre a história da assistência médica. Rio de Janeiro: Graal.
  55. ROUQUAYROL, M.Z., 1999. Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: Medsi.
  56. SANTOS, L.A. et al., 1998. Aspectos históricos e conceituais em educação médica. CINAEM.
  57. SANTOS, R.C.N., 1995. A história do Projeto Montes Claros. In: Sonia Fleury (org.). Projeto Montes Claros. A utopia revisitada, pp 21-60. Rio de Janeiro: ABRASCO.
  58. SAÚDE, M., 1987. Anais da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde.
  59. SILVA FILHO, J.F., 2000. Hospitais de ensino e institutos especializados de saúde: histórico, conceito, organização e a UFRJ. Caderno de currículo e ensino, 1 (2): 39 – 52.
  60. SILVA, E. et al., 1998. Medicina Baseada em Evidências. São Paulo: Editora Atheneu.
  61. SILVA, G.R., 1990. Avaliação e Perspectivas da Epidemiologia no Brasil. In: Anais do 1º Congresso Brasileiro de Epidemiologia, pp.108-139. Campinas: ABRASCO.
  62. SILVA, G.R., 1973. Origens da Medicina Preventiva como Disciplina do Ensino Médico. Revista do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2 ( 28 ):91-96.
  63. SUSSER, M. & SUSSER, E., 1996a. Choosing a Future for Epidemiology: I. Eras and Paradigms. American Journal of Public Health, 86:668-673.
  64. SUSSER, M. & SUSSER, E., 1996b. Choosing a Future for Epidemiology: II. From de Black Box to Chinese Box and Eco - Epidemiology. American Journal of Públic Health, 86:674-677.
  65. SUSSER, M. 1985. Epidemiology in the United States after World War II: The Evolution of Technique. Epidemiologic Reviews, 7:147-177.
  66. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), 1977. Documentos para a implantação do Hospital Universitário. Rio de Janeiro. Mimeo.
  67. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Faculdade de Medicina, 1994. Programa Curricular Integrado de Atenção Integral à Saúde. Rio de Janeiro. Mimeo.
  68. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Faculdade de Medicina, 1991. Programa Curricular Integrado de Atenção Integral à Saúde. Rio de Janeiro. Mimeo.
  69. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Faculdade de Medicina, 1971. Regimento interno. Rio de Janeiro. Mimeo.
  70. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Faculdade de Medicina, 1982. Programa Curricular Integrado de Mecanismos Básicos de Saúde e Doença. Rio de Janeiro. Mimeo.
  71. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Faculdade de Medicina, 1966. Regimento Interno. Rio de Janeiro. Mimeo.
  72. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro /Centro de Ciências da Saúde /Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 2001. Programa da disciplina de Epidemiologia. Rio de Janeiro. Mimeo.
  73. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro /Centro de Ciências da Saúde /Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 2000. Programa da disciplina de Epidemiologia. Rio de Janeiro. Mimeo.
  74. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro /Centro de Ciências da Saúde /Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 1999. Programa da disciplina de Epidemiologia. Rio de Janeiro. Mimeo.
  75. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde /Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 1998. Programa da disciplina de Epidemiologia. Rio de Janeiro. Mimeo.
  76. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro /Centro de Ciências da Saúde / Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 1997. Programa da disciplina de Epidemiologia. Rio de Janeiro. Mimeo.
  77. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde/ Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 1994. Programa da disciplina de Medicina Preventiva I. Rio de Janeiro. Mimeo.
  78. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde /Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 1991. Programa da disciplina de Medicina Preventiva I. Rio de Janeiro. Mimeo.
  79. UFRJ / CCS / FM (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde /Faculdade de Medicina), Departamento de Medicina Preventiva, 1987. Programa da disciplina de Medicina Preventiva I. Rio de Janeiro. Mimeo.
  80. UFRJ / CCS (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde), Faculdade de Medicina, 1997. Catálogo do curso médico. Rio de Janeiro.
  81. UFRJ / CCS (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde), Faculdade de Medicina, 1981. Programas do curso médico. Rio de Janeiro. Mimeo.
  82. UFRJ / CCS (Universidade Federal do Rio de Janeiro / Centro de Ciências da Saúde), Faculdade de Medicina, 1974. Catálogo do curso de graduação. Rio de Janeiro. Mimeo.
  83. UNIVERSIDADE DO BRASIL, 1955. Regimento Interno da Faculdade Nacional de Medicina. Rio de Janeiro. Mimeo.
 
 
  Início